Acesse a página inicial

Menu principal
 

 Para imprimir o texto da consulta sem formatação, clique em IMPRIMIR no final da página.
Para visualizar os dados, clique em DADOS DA CONSULTA

CONSULTA PÚBLICA Nº 53
    Introdução




    Título

    ANEXO À CONSULTA PÚBLICA Nº 53, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011.

     

     

    NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE ANTENAS PARA USO EM APLICAÇÕES PONTO-ÁREA BIDIRECIONAIS


    1. Objetivo

    Esta norma estabelece os requisitos técnicos gerais e específicos mínimos, a serem demonstrados na avaliação da conformidade de antenas para uso em aplicações ponto-área bidirecionais, para efeito de certificação e homologação junto à Agência Nacional de Telecomunicações.


    2. Abrangência

    Esta norma aplica-se a antenas para operação em sistemas ponto-área bidirecionais dos serviços fixo e móvel terrestres, para todas as faixas de frequências destinadas a esses serviços, conforme o “Plano de Atribuição, Destinação e Distribuição de Faixas de Frequências no Brasil”, emitido pela Anatel, com ganho acima ou igual a 8,5 (oito vírgula cinco) dBi para antenas omnidirecionais, e acima ou igual a 9,5 (nove vírgula cinco) dBi para as demais antenas.


    3. Referências

    Para fins desta norma, são adotadas as seguintes referências:

     

    I -  Plano de Atribuição, Destinação e Distribuição de Faixas de Frequências no Brasil, emitido pela Anatel;

    II -   Regulamento para Certificação e Homologação de Produtos para Telecomunicações, emitido pela Anatel;

    III -     ETSI EN 302 326-3 V1.3.1 (2008-02) - Fixed Radio Systems; Multipoint Equipment and Antennas;

    IV -     IEEE STD 149-1979 – IEEE Standard Test Procedures for Antennas.


    4. Definições (incisos de I a XVI)

    Para os fins a que se destina esta norma, aplicam-se as seguintes definições:

     

    I - Antena: Dispositivo para, em sistemas de telecomunicações, radiar ou captar ondas eletromagnéticas no meio circundante. Pode incluir qualquer circuito que a ela esteja incorporado, o qual atribua ou interfira em suas características radiantes;

    II -   Antena Isotrópica: antena hipotética cuja intensidade de radiação é uniforme para todas as direções do espaço;

    III -     Antena Omnidirecional: antena com diagrama de radiação horizontal essencialmente não diretivo e diagrama de radiação vertical diretivo;

    IV -     Antena Direcional: É aquela que tem a propriedade de radiar ou captar ondas eletromagnéticas mais eficientemente em uma direção angular específica. Não tem necessariamente por objetivo e por característica cobrir uma determinada região angular dentro de níveis de radiação pré-estabelecidos;

    V -   Antena Central (ou Nodal): Antena que equipa uma Estação Central (ou Nodal). Pode ser uma antena setorial, omnidirecional ou direcional;

    VI -     Antena com Feixe de Varredura: Antena que tem a capacidade de sintetizar, em qualquer ângulo dentro de uma região delimitada do espaço, chamada setor ou região de varredura, um ou vários lóbulos principais simultâneos, sendo desta forma capaz de varrer continuamente o respectivo setor. A antena com feixe de varredura se caracteriza por apresentar seu lóbulo principal, ou lóbulos principais, com largura de feixe menor que o ângulo que determina a região angular do espaço que podem varrer, e podem apresentar níveis de intensidade de radiação similares entre si e constantes durante toda sua varredura;

    VII -  Antena Multi-Beam: Antena que tem a capacidade de sintetizar, em ângulos específicos dentro de uma região delimitada do espaço, chamada setor ou região de varredura, um ou vários lóbulos principais simultâneos. A antena Multi-Beam se caracteriza por apresentar seu lóbulo principal, ou lóbulos principais, com largura de feixe menor que o ângulo que determina a região angular do espaço em que podem ocorrer, e tem a propriedade de poder apresentar entre si níveis similares de intensidade de radiação;

    VIII -   Antena Setorial: antena com diagrama de radiação vertical diretivo e diagrama de radiação horizontal formatado de forma a cobrir uma determinada região angular dentro de níveis de radiação pré-estabelecidos;

    IX -     Antena Terminal: Antena que equipa uma Estação Terminal. Pode ser uma antena omnidirecional ou direcional;

    X- Classes de Desempenho: As envoltórias dos diagramas de radiação foram divididas em classes de desempenho. Estas são rotuladas em ordem crescente de acordo com o aumento do desempenho das antenas. Em alguns casos, existem duas envoltórias para a mesma classe visando atender a demanda por envoltórias mais rígidas, estas são identificadas por letras “a” e “b”. Além disso, as classes são identificadas com um prefixo “DN” para antenas Direcionais e “SS” para antenas Setoriais Single Beam, e “MB” para antenas setoriais Multi-Beam;

    XI -     Diagrama de Radiação: diagrama representando a densidade de potência radiada pela antena, em um dado plano, a uma distância constante da antena, em função de um ângulo medido a partir de uma direção de referência, para uma dada polarização do campo elétrico. Os diagramas de radiação são descritos em função de sistema de coordenadas esféricas;

    XII -  Diagrama de Radiação em Polarização Copolar: diagrama de radiação para polarização copolar do campo elétrico;

    XIII -   Diagrama de Radiação em Polarização Cruzada: diagrama de radiação para polarização cruzada do campo elétrico;

    XIV -   Eixo da Antena: direção de referência, de 0o, definida pelo fabricante, tomada como origem para medida de ângulos nos diagramas de radiação;

    XV -  Envoltória do Diagrama de Radiação: curva em relação a qual o diagrama de radiação deverá ter valores menores ou iguais para qualquer ângulo de radiação;

    XVI -   Envoltória do Diagrama de Radiação para Antena com Feixe de Varredura: curva de ganho versus direção angular para antenas com feixe de varredura eletrônica. É determinado pelo máximo valor de ganho que pode ocorrer nas várias direções do espaço, considerando-se qualquer posição do feixe principal dentro de sua excursão angular prevista em operação, conforme demonstrado na Figura 1.

     

    Figura 1:  Envelope dos diagramas de radiação de antena de feixe de varredura.


    4. Definições (incisos de XVII a XXV)

    XVII -  Estação Central (ou Nodal): Estação rádio fixa ou transportável que transmite e/ou recebe sinais para/de estações terminais, e que se situa no nó de um sistema de radiocomunicação utilizando uma topologia ponto-área;
    XVIII -  Estação Repetidora: Estação rádio fixa ou transportável que transmite e recebe sinais para/de uma estação central (ou nodal) ou outra estação repetidora;
    XIX -  Estação Terminal: Estação rádio fixa, transportável ou móvel que transmite e/ou recebe sinais para/de estação central, e que se situa na capilaridade de um sistema de radiocomunicação utilizando uma topologia ponto-área;
    XX -  Faixa de Frequência: segmento contínuo do espectro de radiofrequências em que se mantêm válidas as características operacionais especificadas da antena;
    XXI -  Família de Antenas Centrais Setoriais: Conjunto de modelos de antenas centrais setoriais, de um mesmo fabricante, com a mesma polarização, a mesma faixa de frequências, e com elementos constitutivos de mesma natureza. Além disso, as antenas devem apresentar largura de feixe no plano horizontal com variação inferior a ±10% (mais ou menos dez por cento) ao especificado na antena de menor ganho;
    XXII -  Família de Antenas Centrais Omnidirecionais e Direcionais: Conjunto de modelos de antenas centrais omnidirecionais ou direcionais, de um mesmo fabricante, com a mesma polarização, a mesma faixa de frequências, e com elementos constitutivos de mesma natureza;
    XXIII -  Família de Antenas Terminais: conjunto de modelos de antenas terminais, de um mesmo fabricante, com a mesma polarização, a mesma faixa de frequências, e com elementos constitutivos de mesma natureza;
    XXIV -  Ganho: razão, para uma determinada frequência de operação, entre a intensidade de radiação em uma dada direção e a intensidade de radiação de uma antena isotrópica, para uma mesma potência incidente na entrada das duas antenas. Quando não especificado de outra forma, o ganho refere-se à direção do eixo da antena;
    XXV -  Ganho Mínimo: menor valor do ganho na direção do eixo, dentro da faixa de frequências de operação da antena;

    Figura 2 – Variação de ganho na faixa de operação da antena.


    4. Definições (incisos de XXVI a XXVII)

    XXVI -  Intensidade de Radiação: potência radiada por unidade de ângulo sólido, em uma dada direção;
    XXVII -  Largura de Feixe: faixa angular dentro da qual o diagrama de radiação em polarização copolar apresenta valores maiores ou iguais a -3 dB em relação ao valor existente no eixo da antena;

    Figura 3 – Largura de feixe da antena.


    4. Definições (incisos de XXVIII a XXXIII)

    XXVIII -  Polarização de uma Antena: polarização do campo elétrico que contém a maior parte da energia radiada, na direção do eixo da antena;
    XXIX -  Polarização Copolar: para a direção do eixo, é a polarização idêntica à polarização da antena; para outras direções, é a polarização do campo elétrico recebido através da medida do diagrama de radiação, mantendo-se inalterada a polarização da antena transmissora durante a medida do diagrama;
    XXX -  Polarização Cruzada: para antenas com polarização linear, é a polarização do campo elétrico ortogonal à polarização copolar; para antenas com polarização circular é a polarização circular com sentido de rotação oposto ao definido para a polarização copolar;
    XXXI -  Produtos de Intermodulação Passiva: componentes espúrias de sinal, geradas por não linearidades da antena, com frequências diferentes daquelas de um conjunto de dois ou mais sinais senoidais aplicados à sua entrada;
    XXXII -  Ventos de Sobrevivência: ventos cuja velocidade é a máxima que a antena pode suportar sem a ocorrência de deformações e outras avarias que alterem permanentemente as suas características elétricas;
    XXXIII -  Ventos Operacionais: ventos cuja velocidade é a máxima que a antena pode suportar sem que o seu eixo sofra desvios angulares maiores que 15%.


    5. Características Elétricas

    5.1. Largura de Feixe no Plano Horizontal de Antenas Setoriais

    5.1.1. Os valores medidos da largura de feixe no plano horizontal de antenas setoriais não deverão apresentar variação superior a ±10% em relação aos valores apresentados no documento citado no item 7.1 desta norma.


    5.2. Variação do Ganho Nominal (Ganho Mínimo)

    5.2.1. Os valores medidos do ganho das antenas não deverão estar diferentes por mais de ±1 dB dos valores nominais apresentados no documento citado no item 7.1 desta norma.


    5.3. Envoltórias dos Diagramas de Radiação

    5.3.1. Nas tabelas que definem as envoltórias dos diagramas de radiação, adota-se a seguinte simbologia:

    a)    f0:   frequência de operação da antena, em GHz;

    b)   qh:   largura de feixe nominal do plano horizontal, em graus;

    c)    qv:   largura de feixe nominal do plano vertical, em graus;

    d)   a:    metade da largura de feixe nominal do respectivo plano (0,5qx), em graus, onde o subscrito x do ângulo qx diz respeito aos subscritos h (horizontal) e v (vertical);

    e)    e:    ângulo de máxima potência, em graus;

    f)    Co: plano de mesma polarização, ou copolar;

    g)   X:   plano de polarização cruzada;

    h)   DN:            Classes de Desempenho das Antenas Direcionais;

    i)     SS:  Classes de Desempenho das Antenas Setoriais Single Beam;

    j)     MB:            Classes de Desempenho das Antenas Setoriais Multi-Beam.

    5.3.2. As antenas para uso em aplicações ponto-área bidirecionais a serem certificadas e homologadas deverão atender aos requisitos de envoltória para polarização copolar e para polarização cruzada. Deve constar no Relatório de Avaliação da Conformidade e no Certificado de Conformidade Técnica a classe de desempenho atendida pelas envoltórias dos diagramas de radiação da antena.


    5.3.3. Antenas Setoriais para Estações Centrais

    5.3.3.1. As envoltórias do diagrama de radiação do plano horizontal para antenas setoriais são especificadas na Figura 4 e nas tabelas de 1 a 5.
    5.3.3.2. As antenas a serem certificadas e homologadas para uso em estações centrais e/ou repetidoras e com polarização ±45° deverão atender aos requisitos de envoltória apenas para polarização copolar.
    5.3.3.3. As envoltórias do diagrama de radiação do plano vertical para antenas setoriais são especificadas na Figura 4 e nas tabelas de 6 a 10.
    5.3.3.4. Desde que o diagrama seja simétrico, os valores de direção das tabelas são aplicáveis igualmente dos lados positivo e negativo.

    Figura 4 – Envoltórias do diagrama de radiação para antenas setoriais.


    Tabelas de 1 a 5.

    Tabela 1 - Envoltórias do diagrama de radiação horizontal para

    antenas setoriais operando até 3 GHz.

    Ponto

    Direção

    (graus)

     

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Linear

    Circular

    Co

    X

    Co

    X

    P0

    0

    0

    -18

    0

    -10

    P1

    a + 5

    0

     

    0

     

    P2

    a + (57,5 - 5.f0)

     

     

     

    -10

    P3

    a + (87,5 - 5.f0)

     

     

     

    -15

    P4

    a + (105,5 - 7.f0)

    -0,7.f0 - 14

     

    -0,7.f0 - 14

     

    P5

    180

    -18

    -18

    -18

    -18

     

     

    Tabela 2 - Envoltórias do diagrama de radiação horizontal para

    antenas setoriais operando entre 3 e 11 GHz – Classe SS1.

    SS1

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Linear

    Circular

    Co

    X

    Co

    X

    P0

    0

    0

    -12

    0

    -10

    P1

    a + 5

    0

    -15

    0

    -10

    P2

    160

    -20

    -20

    -20

    -20

    P3

    180

    -20

    -20

    -20

    -20

     

    Tabela 3 - Envoltórias do diagrama de radiação horizontal para

    antenas setoriais operando entre 3 e 11 GHz – Classe SS2.

    SS2

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Linear

    Circular

    Co

    X

    Co

    X

    P0

    0

    0

    -20

    0

    -10

    P1

    a + 5

    0

     

    0

     

    P2

    a + (57,5 - 5f0)

     

    -20

     

    -10

    P3

    a + (87,5 - 5f0)

     

    -25

     

    -15

    P4

    a + (105 - 7f0)

    -20

     

    -20

     

    P5

    195 - 7 f0

    -20

     

    -20

     

    P6

    186 - 4,4 f0

    -25

     

    -25

     

    P7

    180

    -25

    -25

    -25

    -25

     

    Tabela 4 - Envoltórias do diagrama de radiação horizontal para

    antenas setoriais operando entre 3 e 11 GHz – Classe SS3.

    SS3

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Linear

    Circular

    Co

    X

    Co

    X

    P0

    0

    0

    -0,7.f0 -17,5

    0

    -12

    P1

    a + (20 - 1,4.f0)

    0

    -0,7.f0 -17,5

    0

    -12

    P2

    a + (75 - 4,3.f0)

    -23

    -1,4.f0 -20

    -23

    -20

    P3

    165 - 4,3.f0

    -23

     

    -23

     

    P4

    150

    -1,4.f0 -20

     

    -30

     

    P5

    180

    -1,4.f0 -20

    -1,4.f0 -20

    -30

    -30

     

    Tabela 5 - Envoltórias do diagrama de radiação horizontal para

    antenas setoriais operando entre 24 e 40,5 GHz – Classes SS1 a SS4.

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    SS1

    SS2a

    SS2b

    SS3

    SS4

    Co

    X

    Co

    X

    Co

    X

    Co

    X1

    Co

    X

    0

    0

    -20

    0

    -20

    0

    -25

    0

    -25

    0

    -25

    a

     

    -20

     

    -20

     

     

     

    -25

     

    -25

    a + 5

    0

     

    0

     

    0

    -25

    0

     

    0

     

    a + 15

     

    -25

     

     

     

     

     

     

    -20

    -30

    a + 30

     

     

     

     

     

     

    -20

    -30

     

     

    2.a

     

     

    -20

    -25

    -20

    -30

     

     

     

     

    2.a + 5

    -10

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    105

     

     

     

     

     

     

     

    -30

     

    -30

    110

     

     

     

     

     

     

    -23

     

    -23

     

    135

    -12

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    140

     

     

     

     

     

     

    -35

    -35

    -35

    -35

    155

    -15

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    180

    -25

    -25

    -30

    -30

    -30

    -30

    -35

    -35

    -35

    -35

    Nota:

    SS1 é aplicável para antenas com abertura (2.a) entre 15° e 130°. Para as demais classes as antenas devem ter aberturas entre 15° e 180°.


    Tabelas de 6 a 10.

    Tabela 6 - Envoltórias do diagrama de radiação vertical para

    antenas setoriais operando até 3 GHz.

    Ponto

    Direção

    (graus)

     

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Linear e Circular

    Co

    X

    P0

    0

    0

    -18

    P1

    10

    0

     

    P2

    a + (52 – 4,1.f0)

    -0,5.f0 - 11

     

    P3

    180

    -18

    -18

     

     

    Tabela 7 - Envoltórias do diagrama de radiação vertical para

    antenas setoriais operando entre 3 e 11 GHz – Classes SS1, SS2 e SS3.

    SS1 a SS3

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Linear

    Circular

    Co

    X

    Co

    X

    P1

    0

    0

    Nota 2

    0

    Nota 2

    P2

    10

    0

     

    0

     

    P3

    25

    -15

     

    -15

     

    P4

    90

    -19

     

    -19

     

    P5

    180

    Nota 1

    Nota 1

    Nota 3

    Nota 3

    Notas 1, 2 e 3:

    Valores encontrados nas tabelas de diagrama horizontal para a respectiva classe.

     

     

    Tabela 8 - Envoltórias do diagrama de radiação vertical para

    antenas setoriais operando entre 24 e 40,5 GHz – Classes SS1 a SS4.

    SS1 a SS4

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Direção

    24 a 30 GHz

    30 a 40,5 GHz

    (graus)

    Co

    X

    Co

    X

    0

    0

    Nota 2

    0

    Nota 2

    6

    0

     

    0

     

    10

     

     

    -10

     

    15

    -15

     

     

     

    90

    -25

     

    -20

     

    180

    Nota 1

    Nota 1

    Nota 1

    Nota 1

    Notas 1 e 2:

    Valores encontrados nas tabelas de diagrama horizontal para a respectiva classe.

     


    Tabela 9 - Envoltórias do diagrama de radiação vertical assimétrico para

    antenas setoriais operando até 11 GHz – Classes SS1a, SS2a e SS3a

    Ponto

    Direção

    (graus)

     

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Linear e Circular

    Co

    X

    P0

    -180

    -18

    -18

    P1

    -e - 30

    -3

    -3

    P2

    -e + 1,25.a

    -3

    -3

    P3

    -e - a

    0

    0

    P4

    -e - a

    0

    -18

    P5

    -e - a

    0

    -18

    P6

    -e - a

    0

    0

    P7

    -e + 2,5.a

    -10

    -10

    P8

    -e + 45

    -10

    -10

    P9

    -e + 45

    -8

    -8

    P10

    -e + 90

    -8

    -8

    P11

    180

    -18

    -18

     

    Tabela 10 - Envoltórias do diagrama de radiação vertical assimétrico para

    antenas setoriais operando entre 3 e 11 GHz – Classes SS1b, SS2b e SS3b

    Ponto

    Direção

    (graus)

     

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Linear e Circular

    Co

    X

    P0

    -180

    Nota 1

    Nota 2

    P1

    -e - 90

    -16

    -16

    P2

    -e - 70

    -9

    -9

    P3

    -e - 30

    -3

    -3

    P4

    -e + 1,25.a

    -3

    -3

    P5

    -e - a

    0

    0

    P6

    -e - a

    0

    -20

    P7

    -e - a

    0

    -20

    P8

    -e - a

    0

    0

    P9

    -e + 2,5.a

    -10

    -10

    P10

    -e + 45

    -10

    -10

    P11

    -e + 45

    -8

    -8

    P12

    -e + 70

    -8

    -8

    P13

    -e + 90

    -16

    -16

    P14

    180

    Nota 1

    Nota 2

    Notas 1 e 2:

    Valores encontrados nas tabelas de diagrama horizontal para a respectiva classe.


    5.3.4. Antena com Feixe de Varredura Eletrônica para Estações Centrais

    5.3.4.1. As envoltórias dos diagramas de radiação do plano horizontal são as mesmas utilizadas para antenas setoriais, considerando o θh conforme ilustrado na Figura 1.
    5.3.4.2. As envoltórias dos diagramas de radiação do plano vertical são as mesmas utilizadas para antenas setoriais.


    5.3.5. Antenas Setoriais Multi-Beam para Estações Centrais

    5.3.5.1. As envoltórias do diagrama de radiação horizontal de antenas setoriais multi-beam são especificadas nas tabelas de 11 a 15.
    5.3.5.2. As envoltórias do diagrama de radiação vertical de antenas setoriais multi-beam são especificadas nas tabelas de 16 a 18 .
    5.3.5.3. As antenas setoriais multi-beam operando entre 3 e 5,9 GHz serão classificadas segundo os seguintes critérios:

    Classe 1:         abs(e + 3.a) ≤ 90°

    Classe 2:         abs(e + 6.a) ≤ 60°

    abs( ) = valor absoluto (ou módulo) do argumento ( ). Nas tabelas pode ser representado pelo operador matemático | |.


    Tabelas de 11 a 15.

    Tabela 11 - Envoltória do diagrama de radiação horizontal, em polarização copolar,

    para antenas setoriais “multi-beam” operando até 3 GHz.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Co

    X

    P0

    -180

    -18

    -18

    P1

    e -a - (105 - 7.f0)

    -15

    -15

    P2

    e - a - 5

    0

     

    P3

    e + a + 5

    0

     

    P4

    e + a + (105 - 7.f0)

    -15

    -15

    P5

    180

    -18

    -18

     

    Tabela 12 - Envoltória do diagrama de radiação horizontal, em polarização copolar, para

    antenas setoriais “multi-beam” operando entre 3 e 5,9 GHz – Classe MB1.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    P0

    -180

    -25

    P1

    -120

    -20

    P2

    -90

    -15

    P3

    e - 3.a

    -15

    P4

    e - 1,5.a

    0

    P5

    e + 1,5.a

    0

    P6

    e + 3.a

    -15

    P7

    90

    -15

    P8

    120

    -20

    P9

    180

    -25

     

     Tabela 13 - Envoltória do diagrama de radiação horizontal, em polarização cruzada, para

    antenas setoriais “multi-beam” operando de 3 a 5,9 GHz – Classe MB1.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Q0

    -180

    -20

    Q1

    e - |a + 57,5 - 5.f0|

    -20

    Q2

    e - |a + 57,5 - 5.f0|

    -15

    Q3

    e + |a + 57,5 - 5.f0|

    -15

    Q4

    e + |a + 57,5 - 5.f0|

    -20

    Q5

    180

    -20

     

    Tabela 14 - Envoltória do diagrama de radiação horizontal, em polarização copolar,

    para antenas setoriais “multi-beam” operando entre 3 e 5,9 GHz – Classe MB2.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    P0

    -180

    -35

    P1

    -135

    -35

    P2

    -60

    -20

    P3

    e - 6.a

    -20

    P4

    e - 5.a

    -17

    P5

    e - 3,3.a

    -17

    P6

    e - 1,6.a

    0

    P7

    e + 1,6.a

    0

    P8

    e + 3,3.a

    -17

    P9

    e + 5.a

    -17

    P10

    e + 6.a

    -20

    P11

    60

    -20

    P12

    120

    -35

    P13

    180

    -35

     

    Tabela 15 - Envoltória do diagrama de radiação horizontal, em polarização cruzada,

    para antenas setoriais “multi-beam” operando entre 3 e 5,9 GHz – Classe MB2.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Q0

    -180

    -20

    Q1

    e - |a + 75 - 4,3.f0|

    -20

    Q2

    e - |a + 75 - 4,3.f0|

    -15

    Q3

    e + |a + 20 - 1,4.f0|

    -15

    Q4

    e + |a + 20 - 1,4.f0|

    -20

    Q5

    180

    -20


    Tabelas de 16 a 18.

    Tabela 16 - Envoltórias do diagrama de radiação vertical para

    antenas setoriais “multi-beam” operando até 3 GHz.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Co

    X

    P0

    0

    0

    -18

    P1

    10

    0

     

    P2

    a + (52 – 4,1.f0)

    -0,5.f0 - 11

     

    P3

    180

    -18

    -18

     

    Tabela 17 - Envoltória do diagrama de radiação vertical para

    antenas setoriais “multi-beam” operando entre 3 e 5,9 GHz – Classe MB1.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Co

    X

    P1

    0

    0

    -15

    P2

    10

    0

     

    P3

    25

    -15

     

    P4

    90

    -19

     

    P5

    180

    -25

    -20

     

     

    Tabela 18 - Envoltória do diagrama de radiação vertical para

     antenas setoriais “multi-beam” operando entre 3 e 5,9 GHz – Classe MB2.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Co

    X

    P1

    0

    0

    -15

    P2

    10

    0

     

    P3

    25

    -15

     

    P4

    90

    -19

     

    P5

    180

    -35

    -20


    5.3.6. Antena Omnidirecional para Estações Centrais

    5.3.6.1. O ganho de antenas omnidirecionais não deverá apresentar flutuações maiores que 3 dB no diagrama de radiação no plano horizontal medido.
    5.3.6.2. A envoltória dos diagramas de radiação horizontal em polarização cruzada, para antenas omnidirecionais, é especificada com valor constante e igual ao ponto de direção 0° definido na respectiva tabela do plano vertical.
    5.3.6.3. As envoltórias do diagrama de radiação vertical simétrico de antenas omnidirecionais são especificadas na Figura 5 e nas Tabelas 19 e 20.
    5.3.6.4. As envoltórias do diagrama de radiação vertical assimétrico de antenas omnidirecionais são especificadas na Figura 6 e nas Tabelas 21 e 22 .

    Figura 5 – Envoltórias do diagrama de radiação vertical para antenas omnidirecionais simétricas.


    Figura 6.

    Figura 6 – Envoltórias do diagrama de radiação vertical para antenas omnidirecionais assimétricas


    Tabelas de 19 a 22.

    Tabela 19 - Envoltórias do diagrama simétrico vertical para

    antenas omnidirecionais operando até 3 GHz.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Co

    X

    P0

    0

    0

    Nota 1

    P1

    a

    0

    Nota 1

    P2

    a

    0

    0

    P3

    a + (52 - 4,1f0)

    -0,5.f0 - 11

    -0,5.f0 - 11

    P4

    90

    -0,5.f0 - 11

    -0,5.f0 - 11

    Nota 1:

    A rejeição de polarização para antenas de polarização linear é de 18 dB e de 12 dB para polarização circular.

     

     

    Tabela 20 - Envoltórias do diagrama simétrico vertical para

    antenas omnidirecionais operando entre 3 e 11 GHz.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Co

    X

    P0

    0

    0

    Nota 1

    P1

    4

    0

    Nota 1

    P2

    4

    0

    0

    P3

    10

    0

    0

    P4

    25

    -15

    -15

    P5

    90

    -0,5.f0-13,5

    -0,5.f0-13,5

    Nota 1:

    A rejeição de polarização para antenas de polarização linear é de 18 dB e de 12 dB para polarização circular.

     

     

    Tabela 21 - Envoltórias do diagrama assimétrico vertical para

    antenas omnidirecionais operando até 11 GHz.

    Ponto

    Direção

    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Co

    X

    P0

    -90

    -3

    -3

    P1

    -e - 1,25.a

    -3

    -3

    P2

    -e - a

    0

    0

    P3

    -e - a

    0

    Notas 1 e 2

    P4

    -e + a

    0

    Notas 1 e 2

    P5

    -e + a

    0

    0

    P6

    -e + 2,5.a

    -10

    -10

    P7

    -e + 45

    -10

    -10

    P8

    -e + 45

    -8

    -8

    P9

    90

    -8

    -8

    Nota 1:

    Para antenas com polarização linear operando até 3 GHz a rejeição de polarização é de 18 dB, e 20 dB para antenas operando de 3 a 11 GHz.

    Nota 2:

    Para antenas de polarização circular a rejeição de polarização é de 12 dB.

     

     

    Tabela 22 - Envoltórias do diagrama assimétrico vertical para

    antenas omnidirecionais operando entre 30 e 40,5 GHz.

    Ponto

    Direção
    (graus)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    Co

    X

    P0

    -90

    -20

    Nota 1

    P1

    -e - 20

    -20

     

    P2

    -e - a

    0

     

    P3

    -e + a

    0

     

    P4

    -e + 30

    -10

     

    P5

    90

    -20

    Nota 1

    Nota 1:

     

    A rejeição de polarização para antenas de polarização linear é de 20 dB e de 12 dB para polarização circular.


    5.3.7. Antenas para Estações Terminais

    5.3.7.1. As envoltórias do diagrama de radiação para as antenas terminais são especificadas na Figura 4 e nas Tabelas de 23 a 29.

    Tabela 23 - Envoltórias para antenas direcionais (polarização linear)

    operando até 3 GHz – Classes DN2 a DN4.

    q (°)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    DN2

    DN3

    DN4

    Azimute

    Elevação

    Azimute

    Elevação

    Azimute

    Elevação

    Co

    X

    Co

    X1

    Co

    X

    Co

    X1

    Co

    X

    Co

    X1

    0

    0

    -13

    0

    -13

    0

    -15

    0

    -15

    0

    -14

    0

    14

    0

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    10

     

     

     

     

    0

     

    0

     

     

     

     

     

    20

     

     

     

     

     

     

     

     

    0

     

    0

     

    30

    0

    -13

    0

     

    -8

     

    -8

     

     

     

     

     

    40

     

     

     

     

     

     

     

     

    -10

    -14

     

     

    45

     

     

     

     

     

     

    -8

     

     

     

     

     

    60

    -5

    -18

    -5

     

     

     

     

     

     

     

    -10

     

    90

     

     

     

     

    -15

    -15

     

     

    -10

     

     

     

    90

     

     

     

     

     

    -20

     

     

     

     

    -10

     

    100

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    -29

     

     

    110

    -14

    -20

    -14

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    120

     

     

     

     

     

     

     

     

    -26

     

    -26

     

    150

     

     

     

     

    -20

     

    -20

     

     

     

     

     

    180

    -16

    -20

    -16

     

    -20

    -20

    -20

     

    -26

    -29

    -26

     

    Nota 1

    Não há requisitos de conformidade ou envoltória do diagrama de elevação de polarização cruzada, mas espera-se que em 0° o valor de rejeição de polarização seja, no mínimo, igual ao mesmo ponto do respectivo plano de azimute. Para as demais direções o diagrama não deve ultrapassar a envoltória de elevação copolar.

    Tabela 24 - Envoltórias para antenas direcionais (polarização circular)

    operando até 3 GHz – Classes DN1 a DN4.

    q  (°)

    Ganho Relativo ao Eixo (dB)

    DN2

    DN3

    DN4

    Azimute

    Elevação

    Azimute

    Elevação

    Azimute

    Elevação

    Co

    X

    Co

    X1

    Co

    X

    Co

    X1

    Co

    X

    Co

    X1

    0

    0

    -13

    0

    -13

    0

    -15

    0

    -15

    0

    -14

    0

    -14

    10

     

     

     

     

    0

     

     

     

     

     

     

     

    20

     

     

     

     

     

     

    0

     

    0

     

    0

     

    30

    0

    -13

    0

     

    -8</