Anatel

Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

Sistema de Acompanhamento de Consulta Pública - SACP

Relatório de Contribuições Recebidas

 Data: 11/08/2022 23:38:50
 Total de Contribuições:951

CONSULTA PÚBLICA Nº 14


 Item:  Minuta de Ato
Contribuição N°: 1
ID da Contribuição: 90959
Autor da Contribuição: Rafael Gustavo da Cunha Pereira Pinto
Data da Contribuição: 27/03/2020 20:31:18
Contribuição:

Retirar da proposta a banda de 430MHz a 440MHz.

Justificativa:

A banda de 430MHz a 440MHz é utilizada internacionalmente por radioamadores, e em especial por rádios digitais no modo DMR. Trata-se de um modo de comunicação bastante eficiente em banda e que permite a interligação de repetidoras em escala mundial. Na verdade, hoje as redes IPCS2 Brasil (www.dmr-brasil.org), MasterSul (http://master-sul.amrase.org.br/) e BrandMeister Brasil (https://www.ham-dmr.com.br/) operam boa parte de suas repetidoras nesta banda de UHF, e oferece um serviço que integra nacionalmente os radioamadores. Além da integração nacional, a RENER está conectada as estas redes DMR, oferecendo um canal de acesso as Defesas Civis. Outro ponto importante a ser destacado é que há a integração das redes DMR da América do Sul e de Portugal, todas possibilitadas através dessas repetidoras UHF.

Além disso, a comunicação utilizando satélites LEO de radioamadorismo conta com o uso desta banda de rádio para Uplink de satélites como AO-73 (FUNcube-1), XW-2A (CAS-3A) , XW-2B (CAS-3B), XW-2D (CAS-3D), XW-2F (CAS-3F), LO-87 (LUSEX / ÑuSat-1), EO-88 (Nayif-1 / FUNcube on Nayif-1), CAS-4A, CAS-4B e CAS-6. A retirada da atriubuição da banda dos radioamadores impediria o desenvolvimento de tecnologias de antenas, conversores de frequência, filtros e amplificadores para a operação com satélites.

Assim sendo, retirar desta banda a atribuição do radioamadorismo acarreta uma perda inestimável para o desenvolvimento das tecnologias para telecomunicações nacionais.

Contribuição N°: 2
ID da Contribuição: 90960
Autor da Contribuição: ANTONI KAROL DIANOVSKY
Data da Contribuição: 27/03/2020 20:45:34
Contribuição:

Venho por meio desta informa que a faixa de 430mhz ate 450mhz vem sendo utilizada por radioamadores do mundo inteiro decacondo coa a IARU ,utilizamos essas frequencias para dados e trasmissoes de datelites sao mais de mil satelites que utilizam essas frequencias tanto no ambito cientifico com no ambito de estudos por radioamadores com farto material devestudos as radio sondas de aeroportos tambem utilizam esses seguimentos do spectro venho solicitar aos senhores que nao modifiquem um spectro de frequencias que ja utilizamos a muitos anos e um direito nosso dos radioamadores que comtribuem e muito para o bem cientifico nao so do brasil mas como no mundo inteiro nego digo nego a utilizacao dessas frequencias edtamos muito ativos nela solicito que seja retirado essa consulta e mantenham como esta muito obrigado pela atencao antoni karol dianovsky cpf 84824107768 muito obrigado pela sua atencao fim .

Justificativa:

Minha justificativa é porque sao frequencias ja utilizada por datelites que estao em orbita da terra colhendo dados meterologivos clima tempo estudos de sondas da atmosfera e do usobde radioamadores solicito manter as frequencias com os meios cientificis e radioamadorismo muito obrigado pela atencao .

Contribuição N°: 3
ID da Contribuição: 90961
Autor da Contribuição: RODRIGO ARAUJO LIMA
Data da Contribuição: 27/03/2020 20:51:33
Contribuição:

Achem outra faixa de frenquencias para essa finalidade pois esta já é usada por radioamadores para comunicações via satélite principalmente. O Brasil sempre anda na contra mão de países desenvolvidos como os EUA cuja faixa de UHF para os radioamadores é bem maior.

Justificativa:

Mais fácil atribuir outra faixa para essa finalidade que modificar a frequencia de uplink ou downlink de satélites do mundo inteiro.

Contribuição N°: 4
ID da Contribuição: 90962
Autor da Contribuição: LIECE GOMES DE SOUZA JUNIOR
Data da Contribuição: 05/05/2020 19:27:45
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública
A banda de 430MHz a 440MHz é utilizada internacionalmente por radioamadores, e em especial por rádios digitais no modo DMR. Trata-se de um modo de comunicação bastante eficiente em banda e que permite a interligação de repetidoras em escala mundial. Na verdade, hoje as redes IPCS2 Brasil (www.dmr-brasil.org), MasterSul (http://master-sul.amrase.org.br/) e BrandMeister Brasil (https://www.ham-dmr.com.br/) operam boa parte de suas repetidoras nesta banda de UHF, e oferece um serviço que integra nacionalmente os radioamadores. Além da integração nacional, a RENER está conectada as estas redes DMR, oferecendo um canal de acesso as Defesas Civis. Outro ponto importante a ser destacado é que há a integração das redes DMR da América do Sul e de Portugal, todas possibilitadas através dessas repetidoras UHF.. Além disso, a comunicação utilizando satélites LEO de radioamadorismo conta com o uso desta banda de rádio para Uplink de satélites como AO-73 (FUNcube-1), XW-2A (CAS-3A) , XW-2B (CAS-3B), XW-2D (CAS-3D), XW-2F (CAS-3F), LO-87 (LUSEX / ÑuSat-1), EO-88 (Nayif-1 / FUNcube on Nayif-1), CAS-4A, CAS-4B e CAS-6. A retirada da atriubuição da banda dos radioamadores impediria o desenvolvimento de tecnologias de antenas, conversores de frequência, filtros e amplificadores para a operação com satélites.Assim sendo, retirar desta banda a atribuição do radioamadorismo acarreta uma perda inestimável para o desenvolvimento das tecnologias para telecomunicações nacionais

Contribuição N°: 5
ID da Contribuição: 90963
Autor da Contribuição: Roger Ertmann Dalosto
Data da Contribuição: 27/03/2020 23:39:23
Contribuição:

Não deve se tomar essas faixas de frequência de uso de rádioamadores.

Justificativa:

Faixa de UHF é melhor opção de comunicação em perimetro urbano em casos de emergência e sem contar nos satélites que operam nessa faixa deixando a ciência e tecnologia pra trás. 

Contribuição N°: 6
ID da Contribuição: 90964
Autor da Contribuição: Virgilio Cesar Garcia Leandro
Data da Contribuição: 28/03/2020 00:28:27
Contribuição:

Retirar a banda de 430 a 440 da proposta. 

Justificativa:

A banda de 430MHz a 440MHz é utilizada internacionalmente por radioamadores, e em especial por rádios digitais no modo DMR. Trata-se de um modo de comunicação bastante eficiente em banda e que permite a interligação de repetidoras em escala mundial. Na verdade, hoje as redes IPCS2 Brasil (www.dmr-brasil.org), MasterSul (http://master-sul.amrase.org.br/) e BrandMeister Brasil (https://www.ham-dmr.com.br/) operam boa parte de suas repetidoras nesta banda de UHF, e oferece um serviço que integra nacionalmente os radioamadores. Além da integração nacional, a RENER está conectada as estas redes DMR, oferecendo um canal de acesso as Defesas Civis. Outro ponto importante a ser destacado é que há a integração das redes DMR da América do Sul e de Portugal, todas possibilitadas através dessas repetidoras UHF. Além disso, a comunicação utilizando satélites LEO de radioamadorismo conta com o uso desta banda de rádio para Uplink de satélites como AO-73 (FUNcube-1), XW-2A (CAS-3A) , XW-2B (CAS-3B), XW-2D (CAS-3D), XW-2F (CAS-3F), LO-87 (LUSEX / ÑuSat-1), EO-88 (Nayif-1 / FUNcube on Nayif-1), CAS-4A, CAS-4B e CAS-6. A retirada da atriubuição da banda dos radioamadores impediria o desenvolvimento de tecnologias de antenas, conversores de frequência, filtros e amplificadores para a operação com satélites. Assim sendo, retirar desta banda a atribuição do radioamadorismo acarreta uma perda inestimável para o desenvolvimento das tecnologias para telecomunicações nacionais.

Contribuição N°: 7
ID da Contribuição: 90965
Autor da Contribuição: LUCIANO RAMOS DA SILVA
Data da Contribuição: 28/03/2020 00:57:31
Contribuição:

Sou contra

Justificativa:

Boa noite! Sou contra a perda de qualquer frequência, pois é um Direito adquirido dos radioamadores brasileiros . Fraternal 73 a todos os colegas!

Contribuição N°: 8
ID da Contribuição: 90966
Autor da Contribuição: EDUARDO HARI ERLEMANN
Data da Contribuição: 28/03/2020 07:04:54
Contribuição:

Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.

Justificativa:

As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ ,  https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ ,  https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNAhttps://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg  Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faizas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

Contribuição N°: 9
ID da Contribuição: 90967
Autor da Contribuição: Wagner Pedro de Mello
Data da Contribuição: 28/03/2020 07:24:11
Contribuição:

A banda de 430MHz a 440MHz é utilizada internacionalmente por radioamadores, e em especial por rádios digitais no modo DMR. Trata-se de um modo de comunicação bastante eficiente em banda e que permite a interligação de repetidoras em escala mundial. Na verdade, hoje as redes IPCS2 Brasil (www.dmr-brasil.org), MasterSul (http://master-sul.amrase.org.br/) e BrandMeister Brasil (https://www.ham-dmr.com.br/) operam boa parte de suas repetidoras nesta banda de UHF, e oferece um serviço que integra nacionalmente os radioamadores. Além da integração nacional, a RENER está conectada as estas redes DMR, oferecendo um canal de acesso as Defesas Civis. Outro ponto importante a ser destacado é que há a integração das redes DMR da América do Sul e de Portugal, todas possibilitadas através dessas repetidoras UHF.
Além disso, a comunicação utilizando satélites LEO de radioamadorismo conta com o uso desta banda de rádio para Uplink de satélites como AO-73 (FUNcube-1), XW-2A (CAS-3A) , XW-2B (CAS-3B), XW-2D (CAS-3D), XW-2F (CAS-3F), LO-87 (LUSEX / ÑuSat-1), EO-88 (Nayif-1 / FUNcube on Nayif-1), CAS-4A, CAS-4B e CAS-6. A retirada da atriubuição da banda dos radioamadores impediria o desenvolvimento de tecnologias de antenas, conversores de frequência, filtros e amplificadores para a operação com satélites.

Assim sendo, retirar desta banda a atribuição do radioamadorismo acarreta uma perda inestimável para o desenvolvimento das tecnologias para telecomunicações nacionais.

Justificativa:

Como radioamador e usário dessa frequências sei que com o compartilhamento vamos sofrer mais interferências do que as que já existem.

Por isso sou contra.

Contribuição N°: 10
ID da Contribuição: 90968
Autor da Contribuição: RONALDO CESAR FIGUEIREDO
Data da Contribuição: 28/03/2020 07:30:11
Contribuição:

Contribuição:

Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.


Justificativa:

As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ ,  https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ ,  https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA , https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg  Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faizas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

Justificativa:

Contribuição:

Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.


Justificativa:

As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ ,  https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ ,  https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA , https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg  Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faizas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

Contribuição N°: 11
ID da Contribuição: 90969
Autor da Contribuição: LUIZ EDUARDO TRESSO
Data da Contribuição: 28/03/2020 09:35:35
Contribuição:

Cancelar definitivamente este ato ou excluir deste os segmentos de 430 a 440mHz e 1.240 à 1.300 mHz.

Justificativa:

As frequências empregradas são utiizadas pelo Serviço do Radioamador.

Nestas faixas existem vários tipos de recursos utilizados por radioamadores que vai desde repetidoras para utilização junto a Defesa Civil até satélites que possibilita comunicados com outros países.

Antes de definir um novo serviço a implementar em qualquer faixa de frequência deve existir estudo de interferências provocados pelo novo serviço. Este estudo não foi anexado à consulta pública.

Antes de definir um novo serviço a implementar em qualquer faixa de frequência deve existir estudo de exposição à campos magnéticos. Este Estudo não foi anexado à consulta pública.

As potências autorizadas podem causar danos irreparáveis à natureza. A Anatel não pode autorizar este tipo de tranmissão sem um estudo dos impactos.

Este tipo de transmissão provocará interferências em sistemas de repetição do Serviço do Radioamador e também em sistemas de satélites, podendo, inclusive, interferir em comunicados desta natureza entre outros países.

Contribuição N°: 12
ID da Contribuição: 90970
Autor da Contribuição: FABIO ALEXANDRE DE AZEVEDO
Data da Contribuição: 28/03/2020 10:05:43
Contribuição:


Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.

 

Justificativa:

 

As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ ,  https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ ,  https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA , https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg  Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faizas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

Contribuição N°: 13
ID da Contribuição: 90971
Autor da Contribuição: ALISSON TELES CAVALCANTI
Data da Contribuição: 28/03/2020 10:11:03
Contribuição:

teste

Justificativa:

teste

Contribuição N°: 14
ID da Contribuição: 90972
Autor da Contribuição: JULHIANO SPALL
Data da Contribuição: 28/03/2020 10:29:20
Contribuição:

Bom dia. Meu nome é JULHIANO SPALL, RADIOAMADOR PREFIXADO SOB INDICATIVO "PY3JGS" DESDE 1999,  e nessa qualidade faço uso constante das faixas de rádioamadorismo e assim esse ato para uso do nosso espaço para outorga de uso privado para outros fins não destinado ao radioamadorismo ao meu ver é INAPROPRIADO E VIOLA O NOSSO DIREITO DE USO DO ESPECTRO, PODENDO ASSIM ATRAPALHAR O USO DAS FAIXAS HORA PRE DETERMINADAS PARA RADIOAMADORES. DESTA FORMA É ILEGAL, E AGRIDE A RESOLUÇÃO E O ATO QUE SEGUE.  

Resolução nº 697, de 28 de agosto de 2018.

ATO Nº 9106, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2018.

Justificativa:

SEGUE AS FAIXAS DESTINADAS PARA USO DOS RADIOAMADORES.

Resolução nº 697, de 28 de agosto de 2018.

ATO Nº 9106, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2018.

Faixa de 70 centímetros - Todas as classes

Frequência (MHz) CW Fonia     Modos

Digitais

Demais

Modos

Aplicações e observações
Inicial Final   SSB AM FM DV  
430,000 432,000 x x x x x x x  
432,000 432,025 x             Reflexão Lunar
432,025 432,100 x         x   Reflexão Lunar, DX
432,100 432,300 x x           DX. Frequência de chamada: 432,100 MHz
432,300 432,400 x             Emissões Piloto
432,400 432,420 x         x   Emissões Piloto, ACDS
432,420 433,000 x x       x    
433,000 433,050 x         x   ACDS
433,050 433,150 x x x x x x x IVG
433,150 434,000 x x x x x x x  
434,000 435,000       x x     Entradas de Repetidoras (saídas +5 MHz) (exclusivo)
435,000 438,000 x x x x x x x Satélites (exclusivo)
438,000 439,000 x x x x x x x  
439,000 440,000       x x    

Saídas de Repetidoras (entradas -5 MHz) (exclusivo)

Faixa de 23 centímetros - Todas as classes

Frequência (MHz) CW Fonia     Modos

Digitais

Demais

Modos

Aplicações e observações
Inicial Final   SSB AM FM DV  
1240 1246 x           x FSTV, ATV Canal 1
1246 1248       x x     Links pareados com o segmento de 1258-1260 MHz
1248 1252 x         x    
1252 1258 x           x FSTV, ATV Canal 2
1258 1260       x x     Links pareados com segmento de 1246-1248 MHz
1260 1270 x x x x x x x Satélites, Experimentais, simplex ATV
1270 1276       x x     Entradas de Repetidoras (saídas +12 MHz) (exclusivo)
1276 1282 x           x FSTV, ATV Canal 3
1282 1288       x x     Saídas de Repetidoras (entradas -12 MHz) (exclusivo)
1288 1294 x x x x x x x Banda Larga, Experimentais, ATV Simplex
1294 1295 x     x x     Frequência de Chamada FM: 1294,5 MHz
1295 1295,8 x x x x x x x Imagem de Banda Estreita, Experimentais.
1295,800 1296,080 x x       x   DX, Reflexão Lunar
1296,080 1296,200 x x           DX. Frequência de Chamada: 1296,1 MHz
1296,2 1296,4 x         x   Emissões Piloto, ACDS
1296,4 1297 x x     x x x Banda Estreita
1297 1300 x         x  
Contribuição N°: 15
ID da Contribuição: 90973
Autor da Contribuição: MARCOS ANTONIO FIALHO
Data da Contribuição: 28/03/2020 11:35:04
Contribuição:

Não concordo.

Justificativa:

Contribuição: Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador. Justificativa: As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ ,  https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ ,  https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA , https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg  Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faixas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

Contribuição N°: 16
ID da Contribuição: 90974
Autor da Contribuição: EUGENIO MAGALHAES DE ASSIS
Data da Contribuição: 04/05/2020 13:05:53
Contribuição:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Justificativa:

A banda de 430MHz a 440MHz é utilizada internacionalmente por radioamadores, e em especial por rádios digitais no modo DMR. Trata-se de um modo de comunicação bastante eficiente em banda e que permite a interligação de repetidoras em escala mundial. Na verdade, hoje as redes IPCS2 Brasil (www.dmr-brasil.org), MasterSul (http://master-sul.amrase.org.br/) e BrandMeister Brasil (https://www.ham-dmr.com.br/) operam boa parte de suas repetidoras nesta banda de UHF, e oferece um serviço que integra nacionalmente os radioamadores. Além da integração nacional, a RENER está conectada as estas redes DMR, oferecendo um canal de acesso as Defesas Civis. Outro ponto importante a ser destacado é que há a integração das redes DMR da América do Sul e de Portugal, todas possibilitadas através dessas repetidoras UHF.

Além disso, a comunicação utilizando satélites LEO de radioamadorismo conta com o uso desta banda de rádio para Uplink de satélites como AO-73 (FUNcube-1), XW-2A (CAS-3A) , XW-2B (CAS-3B), XW-2D (CAS-3D), XW-2F (CAS-3F), LO-87 (LUSEX / ÑuSat-1), EO-88 (Nayif-1 / FUNcube on Nayif-1), CAS-4A, CAS-4B e CAS-6. A retirada da atriubuição da banda dos radioamadores impediria o desenvolvimento de tecnologias de antenas, conversores de frequência, filtros e amplificadores para a operação com satélites.

Assim sendo, retirar desta banda a atribuição do radioamadorismo acarreta uma perda inestimável para o desenvolvimento das tecnologias para telecomunicações nacionais.

Contribuição N°: 17
ID da Contribuição: 90975
Autor da Contribuição: ANDRE BERGER EMILIANO DA SILVA
Data da Contribuição: 28/03/2020 16:32:10
Contribuição:

 

Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas e com possível estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.


 

Justificativa:

As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, em diversos países do mundo, com diversos transceptores dedicados e ela, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/, https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/, https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA, https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg;

É faixa de uso em especial por rádios digitais, como o  modo DMR, que se trata de um modo de comunicação bastante eficiente e que permite a interligação de repetidoras em escala mundial. Hoje as redes IPCS2 Brasil (www.dmr-brasil.org), MasterSul (http://master-sul.amrase.org.br/) e BrandMeister Brasil (https://www.ham-dmr.com.br/) operam boa parte de suas repetidoras usando a banda de UHF e oferece um serviço que integra nacional e internacionalmente os radioamadores. Soma-se a isso a integração à RENER (Rede Nacional de Emeregencia) às redes DMR, oferecendo um canal de acesso as Defesas Civis.

A comunicação utilizando satélites LEO de radioamadorismo conta com o uso desta banda de rádio para Uplink de satélites como AO-73 (FUNcube-1), XW-2A (CAS-3A) , XW-2B (CAS-3B), XW-2D (CAS-3D), XW-2F (CAS-3F), LO-87 (LUSEX / ÑuSat-1), EO-88 (Nayif-1 / FUNcube on Nayif-1), CAS-4A, CAS-4B e CAS-6.

Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faizas de frequências pelos radioamadores brasileiros, e todos radioamadores do planeta, haja vista que estas faixas de frequências são exclusivas para uso de radioamadores no restante do mundo.

Contribuição N°: 18
ID da Contribuição: 90976
Autor da Contribuição: RAFAEL DE SOUSA SOARES
Data da Contribuição: 28/03/2020 22:54:45
Contribuição:

Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.

Justificativa:

As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ , https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ ,  https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA , https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg  Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faizas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

Contribuição N°: 19
ID da Contribuição: 90977
Autor da Contribuição: RANSDONNY DE SOUSA SOARES
Data da Contribuição: 04/04/2020 16:48:02
Contribuição:

Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.

Justificativa:

As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ , https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ ,  https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA , https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg  Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faizas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

Contribuição N°: 20
ID da Contribuição: 90983
Autor da Contribuição: EDMILSON ESPINDOLA DOS SANTOS
Data da Contribuição: 29/03/2020 17:08:52
Contribuição:

Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.

Justificativa:

As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ , https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ ,  https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA , https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg  Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faizas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

Contribuição N°: 21
ID da Contribuição: 90984
Autor da Contribuição: JOARES RECCO FURLANETTO
Data da Contribuição: 29/03/2020 18:33:10
Contribuição:

Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.

Justificativa:

As faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e 1240 MHz a 1300 MHz são utilizadas pelo serviço de radioamador já por várias décadas, abrigando inúmeras formas de comunicação ponto a ponto, repetidoras analógicas, repetidoras digitais, uplink e downlink das comunicações por satélites dedicados para radioamadores, estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ ,  https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ ,  https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA , https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg  Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faizas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

Contribuição N°: 22
ID da Contribuição: 91019
Autor da Contribuição: FLAVIO GIOVANNI ALMEIDA DA SILVA
Data da Contribuição: 02/04/2020 13:00:46
Contribuição:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 23
ID da Contribuição: 91020
Autor da Contribuição: EGER GAERTNER BOEHM
Data da Contribuição: 02/04/2020 13:32:16
Contribuição:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Justificativa:

São bandas (frequencias) estratégicas para a comunicação entre radioamadores devido ao alcance e excelente qualidade de de comunicação. Além do que, são bandas utilizadas mundialmente neste mesmo esprectro.A comunicação comercial tem condições (recursos financeiros suficientes) de investir em tecnologias de compactação de modos digitais para aproveitamente do espectro que já lhes é concedido, ao contrário dos radioamadores que por essência desenvolvem tecnologias ao seus próprios recursos, mas que ainda utilizam amplamente comunicação analógica.

Contribuição N°: 24
ID da Contribuição: 91021
Autor da Contribuição: RICARDO NOVAK SAVIOLI
Data da Contribuição: 02/04/2020 13:50:28
Contribuição:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.

Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.

Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.

Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.

A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.

Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Justificativa:

Sobrecarga das frequencias normalmente utilizadas pelos radioamadores.

Contribuição N°: 25
ID da Contribuição: 91022
Autor da Contribuição: RONNAN WERNECK COSTA RODRIGUES
Data da Contribuição: 02/04/2020 14:32:44
Contribuição:

Art. 1º  NÂO Aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz, por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionadas.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 26
ID da Contribuição: 91023
Autor da Contribuição: LUCIANNO LEAO LIMA
Data da Contribuição: 16/04/2020 13:58:10
Contribuição:

Art. 1º NÂO Aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240MHz a 1300 MHz por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionadas.

Justificativa:

Prezada Comissão,

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Nestes termos, peço o Indeferimento de uso destas faixas, pra outro uso que nao seja exclusivo de Radioamadores.

Lucianno Leao Lima

Contribuição N°: 27
ID da Contribuição: 91024
Autor da Contribuição: RENE TIAGO MARCILIO
Data da Contribuição: 02/04/2020 16:44:04
Contribuição:

Art. 1º Não aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz, por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionadas.

Justificativa:

  As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis

  Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 28
ID da Contribuição: 91025
Autor da Contribuição: Jatyr Campos e Alves
Data da Contribuição: 02/04/2020 17:16:11
Contribuição:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Justificativa:

A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.

Contribuição N°: 29
ID da Contribuição: 91026
Autor da Contribuição: OTAIR BERALDO RODRIGUES
Data da Contribuição: 02/04/2020 19:24:26
Contribuição:

Art. 1º NÂO Aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240MHz a 1300 MHz por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionadas.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 30
ID da Contribuição: 91027
Autor da Contribuição: ALEXANDRE TIMOTEO DE QUEIROZ
Data da Contribuição: 02/04/2020 20:15:36
Contribuição:

Art. 1º NÂO Aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240MHz a 1300 MHz por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionadas.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 31
ID da Contribuição: 91028
Autor da Contribuição: RONALDO GONCALVES BRISOLLA
Data da Contribuição: 02/04/2020 20:42:16
Contribuição:

Manter a atual alocação da faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz apenas para uso de radioamadores, sem compartilhamento com outros serviços.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.
Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.
Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.
Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.
A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.
Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 32
ID da Contribuição: 91029
Autor da Contribuição: James Cavalcante de Medeiros
Data da Contribuição: 03/04/2020 07:08:45
Contribuição:

Desejamos manter o uso na banda de UHF.

Justificativa:

Sempre utilizados diariamente e, temos a certeza de que irá interferir na nossa utilização.

Contribuição N°: 33
ID da Contribuição: 91030
Autor da Contribuição:
Data da Contribuição: 05/05/2020 21:39:12
Contribuição:

Somos totalmnte contra esta consulta Publica numero 14

Justificativa:

as faixas saõ de fundamental importancia para nós radioamadores

Contribuição N°: 34
ID da Contribuição: 91032
Autor da Contribuição: CIANUS LUIZ COLOSSI
Data da Contribuição: 03/04/2020 14:19:52
Contribuição:

Anular todo o texto, estes segmentos não podem ser liberados sob pena de interferir em toda américa do sul e central em sistemas via satélites..

Justificativa:

Atenção, toda américa do sul e parte da américa central será fortemente afetada pela liberação deste novo serviço e com esta potência dentro destes segmentos, tendo em vista que existem alguns milhares de operadores de satélites de órbita baixa em toda área citada acima, sistemas utilizados diariamente inclusive por estudantes universitários em toda américa do sul e centro américa. A liberação deste segmento com estas potências interferirá de forma direta e destrutiva em algumas milhares de estações espalhadas e ativas do México para baixo.

 

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 35
ID da Contribuição: 91035
Autor da Contribuição: Gustavo Bolson Maia
Data da Contribuição: 03/04/2020 20:01:41
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 36
ID da Contribuição: 91036
Autor da Contribuição: Orton Marcos Alves Couto
Data da Contribuição: 03/04/2020 20:18:59
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 37
ID da Contribuição: 91037
Autor da Contribuição: JULIANO PERUZZO RAMOS
Data da Contribuição: 03/04/2020 20:21:33
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 38
ID da Contribuição: 91038
Autor da Contribuição: SANDRO LUIZ FERNANDES TOLOSA
Data da Contribuição: 03/04/2020 20:39:07
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 

LABRE

LABRE – Radioamadorismo Brasileiro

 

Orientações para participar da Consulta Pública 14/2020

03/04/2020 Alisson, PR7GAGDELegislação

src=

Por LABRE/GDE

A Anatel publicou no último dia 23 de março no Diário Oficial da União a proposta de Consulta Pública n. 14/2020 sobre requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz, por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização.

Trata-se do segundo passo regulatório após a aprovação da Resolução 681 (de 21 de agosto de 2017), que autorizou estas aplicações em faixas do UHF e SHF. A comunidade de radioamadores está preocupada com a possível ocorrência de interferências, especialmente na faixa de 70 cm, e esse texto visa auxiliar aquele que deseja contribuir diretamente e individualmente na consulta pública.

Como enviar minha contribuição?

A Anatel dispõe de um sistema eletrônico para envio de sugestões e manifestações para as consulta públicas. Ele se chama SACP, Sistema de Acompanhamento de Consulta Pública. Neste link você será direcionado para a consulta pública em questão:

https://tinyurl.com/cp14-2020

Clique no link “Contribuir”, logo após o título “Minuta de Ato”.

A partir deste momento será aberta uma página pedindo para você inserir sua identificação de usuário (caso ainda não esteja cadastrado, clique na mesma página em “Ainda não sou cadastrado”).

Ao ingressar no sistema através do link “Contribuir”, será aberta uma página com dois grandes campos de preenchimento chamados “Digite aqui sua contribuição” e “Digite aqui sua justificativa”, ou seja, os espaços aos quais você poderá escrever sua manifestação.

Caso ainda tenha problemas com login ou envio de contribuições, a ECRA (Escola e Casa de Radioamadores de Campina Grande) desenvolveu um excelente tutorial em vídeo sobre como entrar no sistema da Anatel na época da consulta pública sobre homologação (2019). Como os passos de ingresso no site são os mesmos, as orientações poderão ser úteis, apenas com atenção que agora a consulta pública é outra e sua contribuição deverá versar sobre o que estamos tratando neste presente texto.

 

Link para o vídeo: https://tinyurl.com/ecra-cp

As contribuições deverão ser enviadas até o dia 06 de maio de 2020.

Sugestão de texto

Abaixo temos sugestão de um texto de contribuição para a Consulta Pública 14/2020, que segue várias manifestações já realizadas anteriormente por mais radioamadores. Apresentamos com intuito de orientação ou auxílio, já que poderá ser alterado por cada um que deseje fazer a sua colaboração, a seu próprio modo, de acordo com o seu entendimento sobre o tema.

Segue, portanto, o texto sugerido para contribuição em azul e a justificativa em vermelho. Copie e cole o texto no site da Anatel, nos respectivos campos indicados, podendo o conteúdo ser alterado ou adaptado conforme seu entendimento.

É importante a participação de todos os radioamadores. Incentive seu clube, associação e grupo de rádio para também enviar suas contribuições. A LABRE também enviará uma contribuição mais longa de natureza institucional.

_

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa: A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais

Contribuição N°: 39
ID da Contribuição: 91039
Autor da Contribuição: Onildo Lopes da Silva Júnior
Data da Contribuição: 03/04/2020 20:50:00
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 40
ID da Contribuição: 91040
Autor da Contribuição: Francisco Celio Nogueira Gomes
Data da Contribuição: 17/04/2020 08:39:38
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Nós, radioamadores pertencentes à Rede Nacional de Emergência de Radioamadores – RENER CE, temos ainda a seguinte contribuição ao tema:
O Serviço de Radioamador, especialmente nas bandas de UHF é estratégico em ações de manutenção ou substituição dos meios normais de comunicações, em casos de desastres. A RENER - CE, possui estrutura ativa em nosso Estado.
A RENER - CE está baseada principalmente em estações repetidoras analógicas ou digitais, principalmente nas bandas de VHF e UHF (144 a 148 MHz e 430 a 440 MHz). Também a banda de UHF, cuja atividade é ameaçada pela proposta em tela, é usada para acesso a estações repetidoras à distância, comunicação local ou mesmo tipo cross-band nos desastres simulados, apresentando eficácia, eficiência e efetividade. A comunicação em UHF proporcionada pelas redes de emergência de Radioamadores não se restringe a fonia analógica, mas modos digitais de fonia, transmissão de texto, e-mail e imagens.
O Serviço de Radioamador, especialmente de emergência, está crescendo em nosso meio principalmente com as atividades das Redes Estaduais de Emergência de Radioamadores, sob o comando das Defesas Civis Estaduais e Municipais. Qualquer atividade superveniente que venha a prejudicar o uso das bandas relacionadas ao projeto estará pondo em risco essa atividade.
O prejuízo potencial fica mais evidente quando se analisa a baixa potência dos equipamentos de radioamador, entre 5 e 50 W, em sua maioria, nas bandas de UHF, contra a permissão que se pretende dar para emissão de até 1 KW para o serviço a ser compartilhado. Não haverá compartilhamento, mas o final do uso das faixas propriamente ditas por radioamadores.
Deve-se ainda salientar o uso dessas frequências em experimentação, comunicação satelital e outras, que serão muito prejudicadas pelo compartilhamento. Tais faixas de frequência, exclusiva para radioamadores, já são bastante estreitas, em comparação ao passado ou outros países.
Dessa forma, salientamos a importância da manutenção dessas faixas como exclusivas ao serviço de radioamador, como forma de preservar e incentivar a participação efetiva de operadores voluntários aos serviços de emergência e atividades relacionadas às Defesas Civis Estaduais.A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 41
ID da Contribuição: 91041
Autor da Contribuição: ALCEMIR TENORIO VENDRAMINI
Data da Contribuição: 03/04/2020 21:12:11
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.

Temos inúmeras “Redes Nacionais de Emergência dos Radioamadores”, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil espalhadas pelo nosso Brasil, que utilizam está faixa de frequência de 430 a 440MHz.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias(Walkie Talkies), que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, C4FM, DSTAR, DMR, Dispersão de Meteoros, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios base e portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “Walkie Talkies” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. “Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países”.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

 

Contribuição N°: 42
ID da Contribuição: 91042
Autor da Contribuição: ANDRE LUIZ VIANNA CLEMENTINO
Data da Contribuição: 03/04/2020 21:19:07
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 43
ID da Contribuição: 91043
Autor da Contribuição: MARCUS VINICIUS STILBEN MEDEIROS
Data da Contribuição: 03/04/2020 21:20:29
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países, inclusive especificados na IARU, com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais e de radio emergência.

Contribuição N°: 44
ID da Contribuição: 91044
Autor da Contribuição: TITO AUGUSTO SANTANA
Data da Contribuição: 03/04/2020 21:26:14
Contribuição:

Art. 1° Não aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 Mhz a 440 Mhz e de 1240 Mhz a 1300 Mhz, por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicação de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionada.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 45
ID da Contribuição: 91045
Autor da Contribuição: DAVID CATALDO EBOLI
Data da Contribuição: 03/04/2020 21:30:22
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

 

Justificativa:

A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 46
ID da Contribuição: 91046
Autor da Contribuição: SERGIO RICARDO BEZERRA DE MORAES
Data da Contribuição: 03/04/2020 21:37:30
Contribuição:

 

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

 

 

 

 

Justificativa:

 

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

 

 

 

Justificativa: A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

  

Contribuição N°: 47
ID da Contribuição: 91047
Autor da Contribuição: MICHELL DE VASCONCELOS SIQUEIRA
Data da Contribuição: 03/04/2020 21:37:54
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 48
ID da Contribuição: 91048
Autor da Contribuição: CLAUDIO ODAIR SANT ANA
Data da Contribuição: 03/04/2020 22:57:47
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 49
ID da Contribuição: 91049
Autor da Contribuição: Cicero Ricardo Charapa Alves
Data da Contribuição: 03/04/2020 23:12:14
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 50
ID da Contribuição: 91050
Autor da Contribuição: JUAREZ FELIX DE SOUSA
Data da Contribuição: 03/04/2020 23:27:06
Contribuição:

Justificativa: A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Justificativa:

Justificativa: A faixa de 430-440 MHz é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Esta faixa é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados em ambas faixas citadas na consulta pública por radioamadores brasileiros e de outros países com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking, sendo a faixa dos 430-440 MHz uma das principais deste ramo no Brasil e exterior. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço, especialmente entre 430-440 MHz, faixa bastante importante aos radioamadores considerando as suas características singulares de acesso, técnicas e operacionais.

Contribuição N°: 51
ID da Contribuição: 91051
Autor da Contribuição: FABIO PORTELA BARROSO
Data da Contribuição: 03/04/2020 23:30:15
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão, especialmente em relação a faixa de 430-440 MHz, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 52
ID da Contribuição: 91052
Autor da Contribuição: ABILIO ADER ROSA DE OLIVEIRA
Data da Contribuição: 04/04/2020 00:46:09
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 53
ID da Contribuição: 91053
Autor da Contribuição: DANIEL SOARES DE ALMEIDA
Data da Contribuição: 04/04/2020 01:06:22
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 54
ID da Contribuição: 91054
Autor da Contribuição: LUIZ ALBERTO BARROS FRANCO
Data da Contribuição: 04/04/2020 07:44:15
Contribuição:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 55
ID da Contribuição: 91055
Autor da Contribuição: FABIANO COSTA DA SILVA
Data da Contribuição: 04/04/2020 08:12:09
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 56
ID da Contribuição: 91056
Autor da Contribuição: NATANAEL CERQUEIRA DURVAL
Data da Contribuição: 04/04/2020 08:43:00
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 57
ID da Contribuição: 91057
Autor da Contribuição: HILTON ANDRADE PINHO
Data da Contribuição: 04/04/2020 10:11:47
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

As faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 58
ID da Contribuição: 91058
Autor da Contribuição: JOSE CASTOR MONTEIRO JUNIOR
Data da Contribuição: 04/04/2020 10:22:54
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 59
ID da Contribuição: 91059
Autor da Contribuição: HUMBERTO LUIS PELLEGRINI
Data da Contribuição: 04/04/2020 10:39:58
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 60
ID da Contribuição: 91060
Autor da Contribuição: ALEXANDRE DEZEM BERTOZZI
Data da Contribuição: 04/04/2020 11:00:34
Contribuição:

As faixas de UHF (ultras altas frequencias) são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Justificativa:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Contribuição N°: 61
ID da Contribuição: 91061
Autor da Contribuição: MOACYR DE QUEIROZ PAIM FILHO
Data da Contribuição: 04/04/2020 11:02:25
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 62
ID da Contribuição: 91062
Autor da Contribuição: MARCELO MARCIO DE ALMEIDA MOURA
Data da Contribuição: 04/04/2020 11:32:55
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 63
ID da Contribuição: 91063
Autor da Contribuição: Francisco Nicolas Alexander Barbosa de Moura
Data da Contribuição: 04/04/2020 11:53:27
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 64
ID da Contribuição: 91064
Autor da Contribuição: Cleito Jose Vidal
Data da Contribuição: 04/04/2020 11:58:40
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 65
ID da Contribuição: 91065
Autor da Contribuição: Rafael Gomes de Almeida Veloso
Data da Contribuição: 22/04/2020 20:56:57
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 66
ID da Contribuição: 91066
Autor da Contribuição: CLOVIS CRANCHI SOBRINHO
Data da Contribuição: 04/04/2020 12:12:06
Contribuição:

Contribuição:
Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa:
O Segmento de UHF é de extrema importancia para o desenvolvimento do Radioamadorismo Brasileiro e o fomento Tecnológico e Educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 67
ID da Contribuição: 91067
Autor da Contribuição: ALESSANDRO JOSE DA SILVA
Data da Contribuição: 04/04/2020 12:22:45
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador. 

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

 

Contribuição N°: 68
ID da Contribuição: 91068
Autor da Contribuição: RONALDO ANDRE ZONARO
Data da Contribuição: 04/04/2020 12:43:46
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 69
ID da Contribuição: 91069
Autor da Contribuição: Maurício Gontijo
Data da Contribuição: 04/04/2020 12:54:24
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 70
ID da Contribuição: 91070
Autor da Contribuição: MARCOS OINEGUE FULFARO
Data da Contribuição: 16/04/2020 10:12:47
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Nós, radioamadores pertencentes à Rede Nacional de Emergência de Radioamadores – RENER CE, temos ainda a seguinte contribuição ao tema:
O Serviço de Radioamador, especialmente nas bandas de UHF é estratégico em ações de manutenção ou substituição dos meios normais de comunicações, em casos de desastres. A RENER - CE, possui estrutura ativa em nosso Estado.
A RENER - CE está baseada principalmente em estações repetidoras analógicas ou digitais, principalmente nas bandas de VHF e UHF (144 a 148 MHz e 430 a 440 MHz). Também a banda de UHF, cuja atividade é ameaçada pela proposta em tela, é usada para acesso a estações repetidoras à distância, comunicação local ou mesmo tipo cross-band nos desastres simulados, apresentando eficácia, eficiência e efetividade. A comunicação em UHF proporcionada pelas redes de emergência de Radioamadores não se restringe a fonia analógica, mas modos digitais de fonia, transmissão de texto, e-mail e imagens.
O Serviço de Radioamador, especialmente de emergência, está crescendo em nosso meio principalmente com as atividades das Redes Estaduais de Emergência de Radioamadores, sob o comando das Defesas Civis Estaduais e Municipais. Qualquer atividade superveniente que venha a prejudicar o uso das bandas relacionadas ao projeto estará pondo em risco essa atividade.
O prejuízo potencial fica mais evidente quando se analisa a baixa potência dos equipamentos de radioamador, entre 5 e 50 W, em sua maioria, nas bandas de UHF, contra a permissão que se pretende dar para emissão de até 1 KW para o serviço a ser compartilhado. Não haverá compartilhamento, mas o final do uso das faixas propriamente ditas por radioamadores.
Deve-se ainda salientar o uso dessas frequências em experimentação, comunicação satelital e outras, que serão muito prejudicadas pelo compartilhamento. Tais faixas de frequência, exclusiva para radioamadores, já são bastante estreitas, em comparação ao passado ou outros países.
Dessa forma, salientamos a importância da manutenção dessas faixas como exclusivas ao serviço de radioamador, como forma de preservar e incentivar a participação efetiva de operadores voluntários aos serviços de emergência e atividades relacionadas às Defesas Civis Estaduais.

Contribuição N°: 71
ID da Contribuição: 91071
Autor da Contribuição: Lindomar Rigon
Data da Contribuição: 04/04/2020 13:12:26
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 72
ID da Contribuição: 91072
Autor da Contribuição: MATEUS HONORIO MOTA
Data da Contribuição: 04/04/2020 13:13:27
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública

Contribuição N°: 73
ID da Contribuição: 91073
Autor da Contribuição: MONICA PARENTE OINEGUE FULFARO
Data da Contribuição: 04/04/2020 14:18:17
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 74
ID da Contribuição: 91074
Autor da Contribuição: EDSON BERTOLDO ALVES
Data da Contribuição: 04/04/2020 15:11:16
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 75
ID da Contribuição: 91075
Autor da Contribuição: FABIO DE OLIVEIRA CONVERSO
Data da Contribuição: 04/04/2020 16:09:26
Contribuição:

Considerações da Faixa de UHF para atividades de Rádio Emergência dentro do espectro para utilização no Serviço de Radioamador conforme Consulta pública solicitada .

Justificativa:

   Tais faixas de  UHF são extremamente importantes para o radioamadorismo e seu  desenvolvimento educacional e emergencial  no Brasil.

        A faixa de 430-440 MHz é ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a opção para utilização da faixa de UHF . Tal segmento alem da utilização para o hobby , experimentações se torna uma grande opção para comunicados emergenciais no aspecto Nacional  através de  links disponiveis em Satélite para uso exclusivo de radioamadores ou através de entidades Estaduais  ligadas a Defesa Civil através de suas Redes de Emergência Estaduais de Radioamadores as chamadas REER , que integradas com a  suas respectivas instituições de Defesa Civil Estaduais como com a Secretaria Nacional de Defesa Civil.

 

                 As comunicações emergenciais através de radioamadores que muitas vezes  em situações catastróficas são o único meio de comunicação e atuam em conjunto com entidades municipais , estaduais  e federais  que  provem tais ações  utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas e digitais através de contatos locais  ou regionais em simplex seja em fonia ou dados , e muitas vezes através de contato  via  satélites de baixas altitude os cham,ados  (LEO) orbitas baixa ,  como  para  o próprio hobby e experimentação  em vários modos de emissão e estudos de rádio propagação  realizados  no espectro compreendido  na faixa de UHF  entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz através de  radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de utilização para sistemas de apoio a calamidades a atendimento a populações  de seus radioamadores voluntários vinculados  a Defesa Civis Estaduais  como outros fins na experimentação e educação com aspecto científico e desenvolvimento de tecnologias junto a universidades, centros de pesquisa

Com aspecto importante a utilização  para desenvolvimento de novas tecnologias .

 

             Sendo assim, com base a todos estes aspectos abordados, como integrantes  e representante de uma força de apoio emergencial como radioamadores voluntários atuantes , fica evidente a necessidade de manter e dar proteção   ao serviço ao Serviço de radioamadores no referido espectro entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz  seja para experimentação ou  emergenciais em serviço primário  diante do  potencial interferente dos radares cityados na consulta publica mencionada!

 

    PY5FOC  Fábio de Oliveira Converso Supervisor Geral da REER-PR

Contribuição N°: 76
ID da Contribuição: 91076
Autor da Contribuição: DHONES PAULO MENDES DOS SANTOS
Data da Contribuição: 24/04/2020 00:16:06
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 77
ID da Contribuição: 91077
Autor da Contribuição: JONATAN DA SILVA RIBEIRO
Data da Contribuição: 04/04/2020 16:41:03
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 78
ID da Contribuição: 91078
Autor da Contribuição: GEOVANI CARVALHO NEPOMUCENO
Data da Contribuição: 04/04/2020 17:48:40
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 79
ID da Contribuição: 91079
Autor da Contribuição: Paulo Sergio de Lima Melo
Data da Contribuição: 04/04/2020 18:03:17
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o serviço de radioamador.

Justificativa:

As faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 80
ID da Contribuição: 91080
Autor da Contribuição: EDUARDO BIZARRO CARDOSO
Data da Contribuição: 04/04/2020 18:17:40
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 81
ID da Contribuição: 91081
Autor da Contribuição: ALGIFREDO BEZERRA EVANGELISTA FILHO
Data da Contribuição: 04/04/2020 18:24:26
Contribuição:

Venho através dessa solicitação, sensibilizar a autoridade competente da Anatel, no tocante as faixas de frequências, para que permaneçam como estão.  Isto é, que não seja tirado nenhuma das faixas usadas  por nós  rádioamadores,  devido a grande  importância dessas faixas para  o nosso  serviço. Desde já agradeço a vossa  colaboração.

Justificativa:

A importância das frequências para nossos serviços de radioamadorismo.

Contribuição N°: 82
ID da Contribuição: 91082
Autor da Contribuição: ORLANDO SALDES CAMPOS
Data da Contribuição: 04/04/2020 18:57:55
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 83
ID da Contribuição: 91083
Autor da Contribuição: Alexandre Alferes Actis
Data da Contribuição: 04/04/2020 19:28:40
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 84
ID da Contribuição: 91084
Autor da Contribuição: FLAVIO DINIZ ROSSETTO
Data da Contribuição: 04/04/2020 20:05:36
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

 

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 85
ID da Contribuição: 91085
Autor da Contribuição: Luciano Sturaro
Data da Contribuição: 04/04/2020 20:33:02
Contribuição:

Solicito como toda comunidade radioamadoristica, reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil.

A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil.

As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex.

Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica.

A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc.

Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 86
ID da Contribuição: 91086
Autor da Contribuição: HOZANO TINO DA SILVA
Data da Contribuição: 04/04/2020 20:57:58
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 87
ID da Contribuição: 91087
Autor da Contribuição: PAULO ROBERIO PEREIRA DA SILVA
Data da Contribuição: 04/04/2020 21:56:10
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 88
ID da Contribuição: 91088
Autor da Contribuição: LUIZ FERNANDO PESCE
Data da Contribuição: 04/04/2020 22:02:05
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 89
ID da Contribuição: 91089
Autor da Contribuição: EMERSON SILVA DOS SANTOS
Data da Contribuição: 22/04/2020 13:38:14
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 

Nós, radioamadores pertencentes à Rede Nacional de Emergência de Radioamadores – RENER CE, temos ainda a seguinte contribuição ao tema:

O Serviço de Radioamador, especialmente nas bandas de UHF é estratégico em ações de manutenção ou substituição dos meios normais de comunicações, em casos de desastres. A RENER - CE, possui estrutura ativa em nosso Estado.

A RENER - CE está baseada principalmente em estações repetidoras analógicas ou digitais, principalmente nas bandas de VHF e UHF (144 a 148 MHz e 430 a 440 MHz). Também a banda de UHF, cuja atividade é ameaçada pela proposta em tela, é usada para acesso a estações repetidoras à distância, comunicação local ou mesmo tipo cross-band nos desastres simulados, apresentando eficácia, eficiência e efetividade. A comunicação em UHF proporcionada pelas redes de emergência de Radioamadores não se restringe a fonia analógica, mas modos digitais de fonia, transmissão de texto, e-mail e imagens.

O Serviço de Radioamador, especialmente de emergência, está crescendo em nosso meio principalmente com as atividades das Redes Estaduais de Emergência de Radioamadores, sob o comando das Defesas Civis Estaduais e Municipais. Qualquer atividade superveniente que venha a prejudicar o uso das bandas relacionadas ao projeto estará pondo em risco essa atividade.

O prejuízo potencial fica mais evidente quando se analisa a baixa potência dos equipamentos de radioamador, entre 5 e 50 W, em sua maioria, nas bandas de UHF, contra a permissão que se pretende dar para emissão de até 1 KW para o serviço a ser compartilhado. Não haverá compartilhamento, mas o final do uso das faixas propriamente ditas por radioamadores.

Deve-se ainda salientar o uso dessas frequências em experimentação, comunicação satelital e outras, que serão muito prejudicadas pelo compartilhamento. Tais faixas de frequência, exclusiva para radioamadores, já são bastante estreitas, em comparação ao passado ou outros países.

Dessa forma, salientamos a importância da manutenção dessas faixas como exclusivas ao serviço de radioamador, como forma de preservar e incentivar a participação efetiva de operadores voluntários aos serviços de emergência e atividades relacionadas às Defesas Civis Estaduais.

Contribuição N°: 90
ID da Contribuição: 91090
Autor da Contribuição: ROBERIO DA SILVA SOUTO
Data da Contribuição: 04/04/2020 23:04:45
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 91
ID da Contribuição: 91091
Autor da Contribuição: Arnaldo Soares de Novaes Jr
Data da Contribuição: 05/04/2020 00:16:09
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 92
ID da Contribuição: 91092
Autor da Contribuição: PEDRO LUIZ MORGADO
Data da Contribuição: 05/04/2020 02:26:28
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 93
ID da Contribuição: 91093
Autor da Contribuição: FRANCISCO HELSING ABRANTES SOUSA
Data da Contribuição: 05/04/2020 09:42:26
Contribuição:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Justificativa:

Compartilho com todos os radioamadores e associações que nós representa, qualquer situação que vem a acrescentar e somar junto as faixas disponível para o radioamadorismo e a educação e a Rede Nacional de Emergência (RENER).

 

Contribuição N°: 94
ID da Contribuição: 91094
Autor da Contribuição: RAIMUNDO NONATO DA SILVA
Data da Contribuição: 05/04/2020 10:04:03
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 95
ID da Contribuição: 91095
Autor da Contribuição: JOSE MARIA CAVALCANTE FILHO
Data da Contribuição: 05/04/2020 10:50:31
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 96
ID da Contribuição: 91096
Autor da Contribuição: Fernando Paulo Nogueira Brito Bastos
Data da Contribuição: 16/04/2020 10:52:18
Contribuição:

Quero contribuir na CP nº14 para conservação aos radioamadores das frequencias

Justificativa:

Bom Dia, PT7FB Fernando Brito

Nós, radioamadores pertencentes à Rede Nacional de Emergência de Radioamadores – RENER CE, temos ainda a seguinte contribuição ao tema:
O Serviço de Radioamador, especialmente nas bandas de UHF é estratégico em ações de manutenção ou substituição dos meios normais de comunicações, em casos de desastres. A RENER - CE, possui estrutura ativa em nosso Estado.
A RENER - CE está baseada principalmente em estações repetidoras analógicas ou digitais, principalmente nas bandas de VHF e UHF (144 a 148 MHz e 430 a 440 MHz). Também a banda de UHF, cuja atividade é ameaçada pela proposta em tela, é usada para acesso a estações repetidoras à distância, comunicação local ou mesmo tipo cross-band nos desastres simulados, apresentando eficácia, eficiência e efetividade. A comunicação em UHF proporcionada pelas redes de emergência de Radioamadores não se restringe a fonia analógica, mas modos digitais de fonia, transmissão de texto, e-mail e imagens.
O Serviço de Radioamador, especialmente de emergência, está crescendo em nosso meio principalmente com as atividades das Redes Estaduais de Emergência de Radioamadores, sob o comando das Defesas Civis Estaduais e Municipais. Qualquer atividade superveniente que venha a prejudicar o uso das bandas relacionadas ao projeto estará pondo em risco essa atividade.
O prejuízo potencial fica mais evidente quando se analisa a baixa potência dos equipamentos de radioamador, entre 5 e 50 W, em sua maioria, nas bandas de UHF, contra a permissão que se pretende dar para emissão de até 1 KW para o serviço a ser compartilhado. Não haverá compartilhamento, mas o final do uso das faixas propriamente ditas por radioamadores.
Deve-se ainda salientar o uso dessas frequências em experimentação, comunicação satelital e outras, que serão muito prejudicadas pelo compartilhamento. Tais faixas de frequência, exclusiva para radioamadores, já são bastante estreitas, em comparação ao passado ou outros países.
Dessa forma, salientamos a importância da manutenção dessas faixas como exclusivas ao serviço de radioamador, como forma de preservar e incentivar a participação efetiva de operadores voluntários aos serviços de emergência e atividades relacionadas às Defesas Civis Estaduais.

Contribuição N°: 97
ID da Contribuição: 91097
Autor da Contribuição: CARLOS UGULINO DE ALMEIDA
Data da Contribuição: 05/04/2020 11:05:12
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 98
ID da Contribuição: 91098
Autor da Contribuição: LUIS JUNIOR DE SOUSA SILVA
Data da Contribuição: 05/04/2020 11:16:17
Contribuição:

Contribuição Reconsiderar a consulta publica em questão no sentido de proteger o serviço de radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 99
ID da Contribuição: 91099
Autor da Contribuição: FRANCISCO FRAGA PEREIRA
Data da Contribuição: 05/04/2020 11:39:59
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 100
ID da Contribuição: 91100
Autor da Contribuição: ROBERTO BATISTA PEREIRA
Data da Contribuição: 05/04/2020 11:54:24
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

As faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil.

A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF.

Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil.

As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex.

Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica.

A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos.

A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc.

Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 101
ID da Contribuição: 91101
Autor da Contribuição: FRANCISCO NAPOLEAO XIMENES NETO
Data da Contribuição: 05/04/2020 12:29:10
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 102
ID da Contribuição: 91102
Autor da Contribuição: Emanuel Daleth Duarte Lessa
Data da Contribuição: 05/04/2020 12:29:54
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 

LABRE

LABRE – Radioamadorismo Brasileiro

 

Orientações para participar da Consulta Pública 14/2020

03/04/2020 Alisson, PR7GAGDELegislação

src=

Por LABRE/GDE

ATUALIZADO EM 03/04/2020 às 23:30

A Anatel publicou no último dia 23 de março no Diário Oficial da União a proposta de Consulta Pública n. 14/2020 sobre requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz, por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização.

Trata-se do segundo passo regulatório após a aprovação da Resolução 681 (de 21 de agosto de 2017), que autorizou estas aplicações em faixas do UHF e SHF. A comunidade de radioamadores está preocupada com a possível ocorrência de interferências, especialmente na faixa de 70 cm, e esse texto visa auxiliar aquele que deseja contribuir diretamente e individualmente na consulta pública.

Como enviar minha contribuição?

A Anatel dispõe de um sistema eletrônico para envio de sugestões e manifestações para as consulta públicas. Ele se chama SACP, Sistema de Acompanhamento de Consulta Pública. Neste link você será direcionado para a consulta pública em questão:

https://tinyurl.com/cp14-2020

Clique no link “Contribuir”, logo após o título “Minuta de Ato”.

A partir deste momento será aberta uma página pedindo para você inserir sua identificação de usuário (caso ainda não esteja cadastrado, clique na mesma página em “Ainda não sou cadastrado”).

Ao ingressar no sistema através do link “Contribuir”, será aberta uma página com dois grandes campos de preenchimento chamados “Digite aqui sua contribuição” e “Digite aqui sua justificativa”, ou seja, os espaços aos quais você poderá escrever sua manifestação.

Caso ainda tenha problemas com login ou envio de contribuições, a ECRA (Escola e Casa de Radioamadores de Campina Grande) desenvolveu um excelente tutorial em vídeo sobre como entrar no sistema da Anatel na época da consulta pública sobre homologação (2019). Como os passos de ingresso no site são os mesmos, as orientações poderão ser úteis, apenas com atenção que agora a consulta pública é outra e sua contribuição deverá versar sobre o que estamos tratando neste presente texto.

 

Link para o vídeo: https://tinyurl.com/ecra-cp

As contribuições deverão ser enviadas até o dia 06 de maio de 2020.

Sugestão de texto

Abaixo temos sugestão de um texto de contribuição para a Consulta Pública 14/2020, que segue várias manifestações já realizadas anteriormente por mais radioamadores. Apresentamos com intuito de orientação ou auxílio, já que poderá ser alterado por cada um que deseje fazer a sua colaboração, a seu próprio modo, de acordo com o seu entendimento sobre o tema.

Segue, portanto, o texto sugerido para contribuição em azul e a justificativa em vermelho. Copie e cole o texto no site da Anatel, nos respectivos campos indicados, podendo o conteúdo ser alterado ou adaptado conforme seu entendimento.

É importante a participação de todos os radioamadores. Incentive seu clube, associação e grupo de rádio para também enviar suas contribuições.

Vale lembrar que não apenas radioamadores, mas radioescutas, familiares, conhecidos, interessados em radioamadorismo, desde que portadores de CPF, poderão democraticamente participar das consultas públicas. A LABRE também enviará uma contribuição de natureza institucional.

_

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 103
ID da Contribuição: 91103
Autor da Contribuição: Dayane Dionisio Carvalho Santana
Data da Contribuição: 05/04/2020 12:37:59
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 104
ID da Contribuição: 91104
Autor da Contribuição: Samuel Carvalho Sant'Ana
Data da Contribuição: 05/04/2020 13:06:08
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública

Contribuição N°: 105
ID da Contribuição: 91105
Autor da Contribuição: Marcos Clayton Fernandes Pessoa
Data da Contribuição: 05/04/2020 13:21:16
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 106
ID da Contribuição: 91106
Autor da Contribuição: PAULO COSTA LEITE
Data da Contribuição: 05/04/2020 13:43:59
Contribuição:

Art. 1º NÂO Aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240MHz a 1300 MHz por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionadas.

Justificativa:

 As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.
 

 

 Proteja o radioamadorismo brasileiro!

Contribuição N°: 107
ID da Contribuição: 91107
Autor da Contribuição: ALEJANDRO CAMILO CANAL ZARAGOZA
Data da Contribuição: 05/04/2020 13:39:31
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 108
ID da Contribuição: 91108
Autor da Contribuição: JOSUE CARVALHO SANT ANA
Data da Contribuição: 05/04/2020 13:42:32
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 109
ID da Contribuição: 91109
Autor da Contribuição: JULIA ISABELLY CARVALHO SANT ANA
Data da Contribuição: 05/04/2020 14:10:26
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 110
ID da Contribuição: 91110
Autor da Contribuição: HENRIQUE MOTA DE AGUIAR
Data da Contribuição: 05/04/2020 14:38:16
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 111
ID da Contribuição: 91111
Autor da Contribuição: JOAO BOSCO PONTE DE AGUIAR
Data da Contribuição: 05/04/2020 14:41:10
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 112
ID da Contribuição: 91112
Autor da Contribuição: ANTONIO MARCOS TEIXEIRA DE AZEVEDO
Data da Contribuição: 05/04/2020 14:58:12
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 113
ID da Contribuição: 91113
Autor da Contribuição: MAURICI ALBERTO FRANCO
Data da Contribuição: 05/04/2020 15:25:01
Contribuição:

Contribuiçao:Reconsiderar a consulta publica em questao no sentido de proteger o serviço de Radioamador

Justificativa:

Inestimavel valor para a sociedade,seja utizando a rede de repetidoras radioamadoras,tanto analogicas como digitais,bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex.Contatos por Reflexao lunar experimentais,aproveitando e descobrindo enlaces de longa distancia por modos especificos de emisao e radio propogacao,sao realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300MHzpor radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes proporcionando um campo privilegiado de experimentacao e educacao de vertente cientifica.A operacao e desenvolvimento de satelites de radioamador junto a universidades , centros de pesquisas e agencias espaciais e bastante significativa ,especialmente cubesats em orbitas baixas(LEO).Todos esses comunicados envolvem sistema bem sensiveis,sendo que o aumento no ruido pode prejudicar e obliterar os contatos .A comunicacao satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas ,filtros,diplexers,tracking etc.Diante dessas caracteristicas e evidente a necessidade de protecao do servico de Radioamador considerando o pontencial interferente dos radares ,ainda mais diante das potencias que foram citadas na consulta publica (da ordem de kw) e regularidade de emisao,conforme exposto no referente processo,especificacoes que poderao inviabilizar o exercicio do servico nas faixas citadas na consulta publica.

Contribuição N°: 114
ID da Contribuição: 91114
Autor da Contribuição: MANOEL ADRIANO DOS SANTOS FERREIRA
Data da Contribuição: 05/04/2020 16:29:38
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 115
ID da Contribuição: 91115
Autor da Contribuição: FABER ANTONIO PORTELA BARROSO
Data da Contribuição: 05/04/2020 16:55:55
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 116
ID da Contribuição: 91116
Autor da Contribuição: ARTUR CHAMIS
Data da Contribuição: 05/04/2020 18:22:14
Contribuição:

Manter a alocação para os serviços nas faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz inalteradas. Realizando estudos para que sejam alocadas exclusivamente e em caráter primário ao serviço de radioamador.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

 

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.

 

 

Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.

 

 

Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.

 

 

Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.

 

 

A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.

Estudos e experimentos rádio-astronômicos, incluindo comunicações através de reflexão lunar. Instituições de ensino em conjunto com radioamadores utilizam essas faixas de frequências para desenvolvimento e estudo técnico-científico, exemplos: https://www.ariss.org/ , https://floripasat.ufsc.br/pt/home-br/ , https://www.youtube.com/watch?v=XCo6mV5InNA , https://www.youtube.com/watch?v=wrsBUt2n1Vg. Atualmente a maior parte de desenvolvimento de amadores envolvendo transmissores, receptores, conversores de frequência, antenas, etc. são feitos nestas faixas de frequência.

 

 Os sinais transmitidos e recebidos pelo serviço de radioamador são de características oscilantes e de baixa intensidade, permitir utilização de serviços comerciais com esses níveis de potência e cobertura irá praticamente extinguir a possibilidade do uso dessas faixas de frequências pelos radioamadores brasileiros.

 

Contribuição N°: 117
ID da Contribuição: 91117
Autor da Contribuição: MARIANA ROSA DIOGENES CAVALCANTE
Data da Contribuição: 05/04/2020 18:49:55
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 118
ID da Contribuição: 91118
Autor da Contribuição: FRANCISCO WELLINGTON DANTAS
Data da Contribuição: 05/04/2020 19:20:45
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 119
ID da Contribuição: 91119
Autor da Contribuição: FRANCISCO DOUGLAS VERISSIMO DE ANDRADE
Data da Contribuição: 05/04/2020 19:38:31
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 120
ID da Contribuição: 91120
Autor da Contribuição: JUAN DANTAS LANDIM
Data da Contribuição: 05/04/2020 20:46:58
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 121
ID da Contribuição: 91121
Autor da Contribuição: WANDERSON OLIVEIRA SALES CARVALHO
Data da Contribuição: 05/04/2020 22:12:21
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 122
ID da Contribuição: 91122
Autor da Contribuição: RENATO PANTOJO DE OLIVEIRA
Data da Contribuição: 06/04/2020 07:03:29
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 123
ID da Contribuição: 91123
Autor da Contribuição: LUIZ ACCIOLY PEREIRA JUNIOR
Data da Contribuição: 06/04/2020 07:34:47
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 124
ID da Contribuição: 91124
Autor da Contribuição: Thiago Parreira Marcilio Favilla Baratella
Data da Contribuição: 06/04/2020 08:06:44
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 125
ID da Contribuição: 91125
Autor da Contribuição: JOSE ARIMATEIA RIBEIRO
Data da Contribuição: 06/04/2020 08:52:31
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 126
ID da Contribuição: 91126
Autor da Contribuição: Carlos Henrique Aragão Patriota
Data da Contribuição: 06/04/2020 09:55:02
Contribuição:

Reconsiderar a consulta publica em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 127
ID da Contribuição: 91127
Autor da Contribuição: TONIGLEITOM ORIEL DA SILVA
Data da Contribuição: 06/04/2020 09:59:03
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 128
ID da Contribuição: 91128
Autor da Contribuição: HILTON TELLES LIBANORI
Data da Contribuição: 06/04/2020 09:55:36
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública para preservar a contribuição voluntária das Redes de Emergências de Radioamadores às Defesas Civis Estaduais.

Preservar o Serviço de Radioamador como importante voluntariado às Defesas Civis em situações de Desastre.

Visão de Oficial Superior da Defesa Civil do Estado de São Paulo.

Justificativa:

O Serviço de Radioamador, especialmente nas bandas de UHF são estratégicos em ações de manutenção ou substituição dos meios normais de comunicações, em casos de desastres. O Governo do Estado de São Paulo, através do Decreto nº 64.569 de 05/11/2019, criou a Rede Estadual de Emergência de Radioamadores, com esse objetivo. Temos trabalhado conjuntamente com radioamadores voluntários nos exercícios simulados da Defesa Civil, com resultado muito positivo. A REER-SP está baseada principalmente em estações repetidoras analógicas ou digitais, principalmente nas bandas de VHF e UHF (430 a 440 MHz). Também a banda de UHF, cuja atividade é ameaçada pela presente proposta, é usada para acesso a repetidoras a distência, comunicação local ou mesmo cross-band em comunicações nos desastres simulados, com grande eficácia, eficiência e efetividade.

O Serviço de Radioamador, especialmente de emergência, está crescendo em nosso meio principalmente com as atividades das Redes Estaduais de Emergência de Radioamadores, sob o comando das Defesas Civis Estaduais. Qualquer atividade superveniente que venha a prejudicar o uso das bandas relacionadas ao projeto, estará pondo em risco essa atividade. Fica mais evidente quando se analisa a baixa potência dos equipamentos de radioamador, entre 5 e 50 W em sua maioria nas bandas de UHF, contra a permissão que se pretende dar para emissão de até 1 KW para o serviço a ser compartilhado. Não haverá compartilhamento, mas o final do uso das faixas propriamente ditas por radioamadores.

Deve-se ainda salientar o uso dessas frequências em experimentação, comunicação satelital e outras, que serão muito prejudicadas pelo compartilhamento. Tais faixas de frequência, exclusiva para radioamadores, já são bastante estreitas, em comparação ao passado ou outros países.

Dessa forma, salientamos a importência da manutenção dessas faixas como exclusivas ao serviço de radioamador, como forma de preservar e incentivar a participação efetiva de radioamadores voluntários aos serviço de emergência e atividades relacionadas às Defesas Civis Estaduais.

Ten Cel Med PM Hilton Telles Libanori, oficial da Casa Militar e Defesa Civil do Estado de São Paulo e Coordenador Geral da Rede Estadual de Emergência de Radioamadores de São Paulo.

Contribuição N°: 129
ID da Contribuição: 91129
Autor da Contribuição: RODRIGO CACAU RODRIGUES
Data da Contribuição: 06/04/2020 09:58:37
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 130
ID da Contribuição: 91130
Autor da Contribuição: FRANCISCO EUDO RODRIGUES GOMES
Data da Contribuição: 06/04/2020 10:12:48
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 131
ID da Contribuição: 91131
Autor da Contribuição: FABIO BARROSO BRITO
Data da Contribuição: 06/04/2020 10:31:40
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 132
ID da Contribuição: 91132
Autor da Contribuição: MASAHIRO HIRAMATSU
Data da Contribuição: 06/04/2020 10:42:05
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

 

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 133
ID da Contribuição: 91133
Autor da Contribuição: JOSEMAR CRUZ ROLIM ESMERALDO
Data da Contribuição: 06/04/2020 10:55:31
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 134
ID da Contribuição: 91134
Autor da Contribuição: ALEXANDRE CESAR BENEDITO
Data da Contribuição: 06/04/2020 11:03:11
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador. 

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública. 

Contribuição N°: 135
ID da Contribuição: 91135
Autor da Contribuição: JOSE ROLIM ESMERALDO
Data da Contribuição: 06/04/2020 11:33:02
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 136
ID da Contribuição: 91136
Autor da Contribuição: ANDERSON ASSIS DA SILVA
Data da Contribuição: 06/04/2020 11:56:30
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 137
ID da Contribuição: 91137
Autor da Contribuição: DEMILSON DE ASSIS QUINTAO
Data da Contribuição: 06/04/2020 12:08:09
Contribuição:

Essa consulta pública é feita sem mencionar os usuários que são devidamente licenciados para execução do Serviço de Radioamador. A impressão que se tem é que "se esqueceram" deste serviço reconhecido internacionalmente.

Justificativa:

Considerando:

1-"O avanço tecnológico": muitos dispositivos eletrônicos que utilizam RF tem sido modificados facilmente para o uso de radioamadores na faixa de UHF de 70cm. Essencialmente é através do conceito de SDRs (radio definido por software) tanto para a recepção como para a transmissão. Essa modificação possibilita um aprendizado por parte do radioamador e, ao mesmo tempo, possibilita ter equipamentos de formas alternativas que possam ser usados no fomento tecnológico e educacional no Brasil, com um baixíssimo custo, incentivando o ensino nas áreas STEM (ciências, tecnologia, engenharia e matemática). A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. O avanço tecnológico no sentido do "radio digital", com está possibilitando a muitos radioamadores a retornarem ao hobby por haver, neste sistema, uma maior segurança nas comunicações, pelo fato de haver a identificação automática de cada estação que entra no ar, o que inibe usos inapropriados por pessoas má intencionadas. Estão se criando redes de comunicação de emergência, citando os estados de SP e PR como exemplo, baseadas nestes sistemas de comunicação digital. O acesso à essas redes pelos radioamadores são feitos a partir de algumas repetidoras em VHF e em UHF, e massivamente, através de hotspots em UHF, justamente na banda de 70cm.

2-"Operacões Espaciais": contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação direcionada à ciência. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais tem aumentado de forma significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar as respectivas operações. As comunicações espaciais propiciam aos radioamadores ter acesso a  um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, rastreamento de objetos em órbita, etc.


Tendo os itens acimas expostos, é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública que, já na sua concepção, coloca "em escanteio" o Serviço de Radioamador por não ser contemplado nesta CP14.

Contribuição N°: 138
ID da Contribuição: 91138
Autor da Contribuição: FRANCISCO PAULO JARDIM ARAUJO
Data da Contribuição: 06/04/2020 14:04:21
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 139
ID da Contribuição: 91139
Autor da Contribuição: VALDINEI QUARESMA DOS SANTOS
Data da Contribuição: 06/04/2020 14:12:45
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 140
ID da Contribuição: 91140
Autor da Contribuição: FÉLIX DE OLIVEIRA
Data da Contribuição: 06/04/2020 14:26:01
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 141
ID da Contribuição: 91141
Autor da Contribuição: NILTON DALPIAZ
Data da Contribuição: 06/04/2020 14:30:22
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 142
ID da Contribuição: 91142
Autor da Contribuição: ERLON CHRISTIAN RIBEIRO
Data da Contribuição: 06/04/2020 14:41:11
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 143
ID da Contribuição: 91143
Autor da Contribuição: ANTONIO GONCALVES DA COSTA NETO
Data da Contribuição: 12/04/2020 20:17:43
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

As faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 144
ID da Contribuição: 91144
Autor da Contribuição: THIAGO RODRIGUES DOS SANTOS
Data da Contribuição: 06/04/2020 15:12:47
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 145
ID da Contribuição: 91145
Autor da Contribuição: GIL FALEIRO GONCALVES
Data da Contribuição: 06/04/2020 15:13:54
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador e seus fins para desenvolvimento de novas tecnlogia.

Justificativa:

 A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 146
ID da Contribuição: 91146
Autor da Contribuição: BRUNO FELIPE NASCIMENTO SILVA
Data da Contribuição: 06/04/2020 15:14:08
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 147
ID da Contribuição: 91147
Autor da Contribuição: ARTHUR LIMA DE MELO
Data da Contribuição: 06/04/2020 15:30:47
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 148
ID da Contribuição: 91148
Autor da Contribuição: AGUINALDO CARREIRA ROTTA
Data da Contribuição: 06/04/2020 15:32:46
Contribuição:

Boa tarde. 

Solicito consideração para não utilizar a área reservada à faixa do cidadão.
Somos muitos usuários.

Justificativa:

Minha justificativa fica basea-se na utilidade pública caso seja necessária; gostamos de falar muito, o que inviabiliza outro meio de comunicação; Podemos falar com várias pessoas ao mesmo tempo; inumeros grupos são usuários deste meio, como jeepeiros, aqueles que fazem atividades ao ar livre, caminhoneiros, empresas dos mais variados ramos, barcos, entre outros.

Contribuição N°: 149
ID da Contribuição: 91149
Autor da Contribuição: DIORGENES GARCIA DE CARVALHO
Data da Contribuição: 06/04/2020 15:42:39
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 150
ID da Contribuição: 91150
Autor da Contribuição: WEIBER THIAGO LOPES FAGUNDES
Data da Contribuição: 06/04/2020 16:02:23
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 151
ID da Contribuição: 91151
Autor da Contribuição: LISNIK WOLACE FILGUEIRAS BERRIEL
Data da Contribuição: 06/04/2020 16:03:47
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 152
ID da Contribuição: 91152
Autor da Contribuição: HELIO ALVES MACHADO JUNIOR
Data da Contribuição: 06/04/2020 16:04:55
Contribuição:

Contribuição Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 153
ID da Contribuição: 91153
Autor da Contribuição: ODIVAM CAVALCANTE DE LIMA
Data da Contribuição: 16/04/2020 08:14:29
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 

Nós, radioamadores pertencentes à Rede Nacional de Emergência de Radioamadores – RENER CE, temos ainda a seguinte contribuição ao tema:
O Serviço de Radioamador, especialmente nas bandas de UHF é estratégico em ações de manutenção ou substituição dos meios normais de comunicações, em casos de desastres. A RENER - CE, possui estrutura ativa em nosso Estado.
A RENER - CE está baseada principalmente em estações repetidoras analógicas ou digitais, principalmente nas bandas de VHF e UHF (144 a 148 MHz e 430 a 440 MHz). Também a banda de UHF, cuja atividade é ameaçada pela proposta em tela, é usada para acesso a estações repetidoras à distância, comunicação local ou mesmo tipo cross-band nos desastres simulados, apresentando eficácia, eficiência e efetividade. A comunicação em UHF proporcionada pelas redes de emergência de Radioamadores não se restringe a fonia analógica, mas modos digitais de fonia, transmissão de texto, e-mail e imagens.
O Serviço de Radioamador, especialmente de emergência, está crescendo em nosso meio principalmente com as atividades das Redes Estaduais de Emergência de Radioamadores, sob o comando das Defesas Civis Estaduais e Municipais. Qualquer atividade superveniente que venha a prejudicar o uso das bandas relacionadas ao projeto estará pondo em risco essa atividade.
O prejuízo potencial fica mais evidente quando se analisa a baixa potência dos equipamentos de radioamador, entre 5 e 50 W, em sua maioria, nas bandas de UHF, contra a permissão que se pretende dar para emissão de até 1 KW para o serviço a ser compartilhado. Não haverá compartilhamento, mas o final do uso das faixas propriamente ditas por radioamadores.
Deve-se ainda salientar o uso dessas frequências em experimentação, comunicação satelital e outras, que serão muito prejudicadas pelo compartilhamento. Tais faixas de frequência, exclusiva para radioamadores, já são bastante estreitas, em comparação ao passado ou outros países.
Dessa forma, salientamos a importância da manutenção dessas faixas como exclusivas ao serviço de radioamador, como forma de preservar e incentivar a participação efetiva de operadores voluntários aos serviços de emergência e atividades relacionadas às Defesas Civis Estaduais.

Contribuição N°: 154
ID da Contribuição: 91154
Autor da Contribuição: EDUARDO DE SOUZA VAZ
Data da Contribuição: 06/04/2020 16:09:09
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 155
ID da Contribuição: 91155
Autor da Contribuição: RODRIGO DE SOUZA MARTINS
Data da Contribuição: 06/04/2020 16:13:25
Contribuição:

Reconsiderar e não aprovar o "Art. 1º  Aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240 MHz a 1300 MHz, por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionadas."

Justificativa:

UHF é de suma importância ao desenvolvimento e continuidade do Serviço Radioamador em suas melhores facetas de desenvolvimento e fomento tecnológico no Brasil e no mundo. Operações via satélite naturais, lua, ou artificiis, todos satelites do sistema AMSAT e Estações Espaciais, serão comprometidas. Repetidoras em UHF serão comprometidas. Ações de defesa civil através da RENER e REER Estaduais terão o espaço de comunicação em UHF comprometidos. Ações de resgate de sondas metereológicas e comunicações bilaterais atráves de pacotes APRS com georeferenciamento estarão comprometidos. Os enlaces multibanda por sistema de repetição crossbanda estarão comprometidos. Em suma, o contexto da aprovação do Art. 1 desta consulta pública precisa ser resonsiderado e não aprovado. Uma implemantação de serviço não pode ser em face e sob contexto do prejuízo de desenas de outras atividades já implantadas, sedimentadas e com lastro mundial. Estamos em linha com as operações e recomendações da IARU e temos como obrigação de membro de um mundo globalizado de estar em linha com as diretrizes do mundo livre.

Contribuição N°: 156
ID da Contribuição: 91156
Autor da Contribuição: ISRAEL DAVID LINDNER VITOR
Data da Contribuição: 06/04/2020 16:19:41
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública

Contribuição N°: 157
ID da Contribuição: 91157
Autor da Contribuição: DECIO ALENCAR PEREIRA
Data da Contribuição: 06/04/2020 16:27:09
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 158
ID da Contribuição: 91158
Autor da Contribuição: Savio Augusto Torres de Miranda
Data da Contribuição: 06/04/2020 16:33:26
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 159
ID da Contribuição: 91159
Autor da Contribuição: ANTONIO MARCONI LEANDRO DA SILVA
Data da Contribuição: 06/04/2020 16:44:49
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública no sentido de proteger as características e contribuições do Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 160
ID da Contribuição: 91160
Autor da Contribuição: ROGERIO KANEGUSUKU
Data da Contribuição: 06/04/2020 17:02:03
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 161
ID da Contribuição: 91161
Autor da Contribuição: ALDIR CHAGAS HOMOBONO JUNIOR
Data da Contribuição: 06/04/2020 17:15:27
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 162
ID da Contribuição: 91162
Autor da Contribuição: MAURICIO ROGERIO FALSARELLA
Data da Contribuição: 06/04/2020 17:21:09
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 163
ID da Contribuição: 91163
Autor da Contribuição: Osvaldo Gomes Terra Junior
Data da Contribuição: 06/04/2020 17:22:04
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 164
ID da Contribuição: 91164
Autor da Contribuição: PAULO SERGIO MUNHOZ
Data da Contribuição: 06/04/2020 17:30:42
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador. 

Justificativa:

 A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública. 

Contribuição N°: 165
ID da Contribuição: 91165
Autor da Contribuição: Luiz Arthur Grosso de Oliveira Filho
Data da Contribuição: 06/04/2020 17:37:36
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 166
ID da Contribuição: 91166
Autor da Contribuição: Artur Alves Fontes Teixeira
Data da Contribuição: 06/04/2020 17:43:26
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 167
ID da Contribuição: 91167
Autor da Contribuição: Luciano Carlos da Silva
Data da Contribuição: 06/04/2020 17:51:35
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 168
ID da Contribuição: 91168
Autor da Contribuição: ORLANDO DOS SANTOS DOURADO
Data da Contribuição: 06/04/2020 17:52:14
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 169
ID da Contribuição: 91169
Autor da Contribuição: RENAN JOSE SPRENGER DE OLIVEIRA
Data da Contribuição: 06/04/2020 18:10:13
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 170
ID da Contribuição: 91170
Autor da Contribuição: NORTON CANHESTRO REAL
Data da Contribuição: 06/04/2020 18:11:15
Contribuição:

Reconsiderar a consulta publica em questão no sentido de proteger o serviço de redioamador.

Justificativa:

 

 

As faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como, por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 171
ID da Contribuição: 91171
Autor da Contribuição: JOSE ANTUNES SERRA LOPES
Data da Contribuição: 06/04/2020 18:27:20
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 172
ID da Contribuição: 91172
Autor da Contribuição: FRANCISCO ALEX ARAUJO DA SILVA
Data da Contribuição: 06/04/2020 18:47:42
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 173
ID da Contribuição: 91173
Autor da Contribuição: ANDRE LUIS ROCHA BATISTA
Data da Contribuição: 06/04/2020 19:11:03
Contribuição:

Resumindo a exclusão dessas faixas para o Rádioamadores Brasileiro, não são só os Rádioamadores que sofrerá com a exclusão mais sim o desenvolvimento de novas tecnologias para radiocomunicação e a ciência ,pois os Rádioamadores não só do Brasil mais sim do mundo inteiro tem contribuído de uma forma importantíssima para a ciência e tecnologia ao meu ponto de vista com a exclusão dessas faixas para os Rádioamadores,isso significa mais atrasos no desenvolvimento do nosso país em ciências e tecnologia em telecomunicações.

Justificativa:

Atrasos em inovação de novas tecnologias e telecomunicações e ciências.

Contribuição N°: 174
ID da Contribuição: 91174
Autor da Contribuição: WALDOMIRO NOGUEIRA DE PAULA
Data da Contribuição: 06/04/2020 20:21:03
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador, de cuja classe honrosamente faço parte, desde 1989 - com indicativo de chamada PY2GW.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil.

As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex.

Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por Radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica.

A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao Radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc.

Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

 

Contribuição N°: 175
ID da Contribuição: 91175
Autor da Contribuição: FRANCISCO IGLESIAS MARQUES
Data da Contribuição: 06/04/2020 20:27:49
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 176
ID da Contribuição: 91176
Autor da Contribuição: WILSON TADEU MEDEIROS E SILVA
Data da Contribuição: 06/04/2020 20:42:28
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 177
ID da Contribuição: 91177
Autor da Contribuição: RAFAEL MALAGUTTI SILVA
Data da Contribuição: 06/04/2020 20:46:36
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 178
ID da Contribuição: 91178
Autor da Contribuição: Leandro Cesar Correa Mendes
Data da Contribuição: 06/04/2020 21:17:14
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 179
ID da Contribuição: 91184
Autor da Contribuição: Italo Pereira da Silva
Data da Contribuição: 06/04/2020 21:30:07
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão, no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

 

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 180
ID da Contribuição: 91185
Autor da Contribuição: ANTONIO ORLANDO SILVA LIMA
Data da Contribuição: 06/04/2020 21:31:37
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 181
ID da Contribuição: 91186
Autor da Contribuição: DOUGLAS SANTA CRUZ
Data da Contribuição: 06/04/2020 21:56:58
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

 

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 182
ID da Contribuição: 91187
Autor da Contribuição: FREDERICO ANTONIO PESSOA DA SILVA FILHO
Data da Contribuição: 06/04/2020 21:59:49
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública

Contribuição N°: 183
ID da Contribuição: 91188
Autor da Contribuição: LEANDRO RODRIGO BAPTISTA MARCON
Data da Contribuição: 06/04/2020 22:12:52
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 184
ID da Contribuição: 91189
Autor da Contribuição: VITOR CHOI FEITOSA
Data da Contribuição: 06/04/2020 22:44:40
Contribuição:

Solicito que seja reconsiderada a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 185
ID da Contribuição: 91190
Autor da Contribuição: Larise Pereira da Silva
Data da Contribuição: 06/04/2020 22:47:21
Contribuição:

 

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

 

Justificativa:

 Faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 186
ID da Contribuição: 91191
Autor da Contribuição: DAVID PICARELLI GONCALVES
Data da Contribuição: 07/04/2020 00:33:42
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 187
ID da Contribuição: 91192
Autor da Contribuição: JOAO PAULO DE CAMPOS
Data da Contribuição: 07/04/2020 06:13:53
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 188
ID da Contribuição: 91193
Autor da Contribuição: FERNANDO PEREIRA DE CARVALHO
Data da Contribuição: 11/04/2020 16:04:35
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 189
ID da Contribuição: 91194
Autor da Contribuição: VALTER ORICO DE MATOS
Data da Contribuição: 07/04/2020 16:10:51
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 190
ID da Contribuição: 91195
Autor da Contribuição: MARCONE DOS REIS CERQUEIRA
Data da Contribuição: 07/04/2020 16:25:28
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 191
ID da Contribuição: 91196
Autor da Contribuição: LUIZ CARLOS ZANON
Data da Contribuição: 07/04/2020 17:00:09
Contribuição:

Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 192
ID da Contribuição: 91199
Autor da Contribuição: MAIKEL SPERANDIO DA SILVA
Data da Contribuição: 07/04/2020 18:13:05
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 193
ID da Contribuição: 91201
Autor da Contribuição: Jackson Oliveira de Goes Junior
Data da Contribuição: 07/04/2020 20:18:34
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 194
ID da Contribuição: 91202
Autor da Contribuição: CLAUDIO DE SOUZA FILHO
Data da Contribuição: 07/04/2020 20:38:59
Contribuição:

É de suma importância para nós radioamadores.

Justificativa:

Não concordo .

Contribuição N°: 195
ID da Contribuição: 91203
Autor da Contribuição: WILLIAM JACOB DE SOUZA MARTINS
Data da Contribuição: 07/04/2020 21:08:13
Contribuição:

 As faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Justificativa:

As faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 196
ID da Contribuição: 91204
Autor da Contribuição: FERNANDO FLAVIO PEREIRA TROIAN
Data da Contribuição: 07/04/2020 21:14:02
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 197
ID da Contribuição: 91205
Autor da Contribuição: EDSON DOS SANTOS NAGY
Data da Contribuição: 07/04/2020 21:58:28
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 198
ID da Contribuição: 91206
Autor da Contribuição: WIMERSON DANTAS SOUZA
Data da Contribuição: 07/04/2020 22:24:39
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 199
ID da Contribuição: 91207
Autor da Contribuição: Alexandre Costa
Data da Contribuição: 07/04/2020 22:24:49
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 200
ID da Contribuição: 91208
Autor da Contribuição: ENRIQUE MARTIN SCHEUER
Data da Contribuição: 07/04/2020 22:25:15
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

 

Contribuição N°: 201
ID da Contribuição: 91209
Autor da Contribuição: ALEX PINHEIRO MACHADO RODRIGUES
Data da Contribuição: 07/04/2020 22:26:08
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 202
ID da Contribuição: 91210
Autor da Contribuição: MARCIO AUGUSTO BELUCCI
Data da Contribuição: 07/04/2020 22:39:32
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 203
ID da Contribuição: 91211
Autor da Contribuição: GUSTAVO DE AQUINO MARQUES
Data da Contribuição: 07/04/2020 22:44:49
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 204
ID da Contribuição: 91212
Autor da Contribuição: Andrea Said Valadao
Data da Contribuição: 07/04/2020 23:04:09
Contribuição:

Art. 1º NÂO Aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240MHz a 1300 MHz por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionadas.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.


Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.


Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.


Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.


A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.


Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 205
ID da Contribuição: 91213
Autor da Contribuição: DANIEL GÊDA RIBEIRO LIMA
Data da Contribuição: 07/04/2020 23:10:14
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador. 

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 206
ID da Contribuição: 91214
Autor da Contribuição: Cid de Araujo Alberto Nascimento
Data da Contribuição: 07/04/2020 23:12:17
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 207
ID da Contribuição: 91215
Autor da Contribuição: JOSE ROBERTO DE TOLEDO
Data da Contribuição: 07/04/2020 23:10:53
Contribuição:

Prezados;

Estas faixas são destinadas a radioamadores no mundo todo..

Equipamentos saem de fabrica usando está faixas.

Experimentos científicos importantes acontecem nestas faixas.

E ainda, trata-se de direito adquirido.

Num país como o Brasil, onde a ciência luta diariamente para dar sofridos passos, tal ação iria destruir projetos importantes rumo ao desenvolvimento tecnológico desta nação.

Ainda é preciso dizer que tal ação iria desestimular as crianças e jovens rumo a ciência.

Espero que sejam conscientes e não permitam que o radioamadorismo brasileiro sofra este revés.

Grato, por permitir que nós radioamadores possamos participar desta consulta pública.

Justificativa:

Pelo bem da ciência e estímulo do desenvolvimento tecnológico brasileiro, peço:

Protejam os Radioamadores!

Contribuição N°: 208
ID da Contribuição: 91216
Autor da Contribuição: LEONARDO RODRIGUES BRAGA
Data da Contribuição: 11/04/2020 18:07:27
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 209
ID da Contribuição: 91217
Autor da Contribuição: MARIO AUGUSTO DE OLIVEIRA
Data da Contribuição: 08/04/2020 00:14:40
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 210
ID da Contribuição: 91218
Autor da Contribuição: FERNANDO FERNANDES
Data da Contribuição: 08/04/2020 01:44:34
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Print

Contribuição N°: 211
ID da Contribuição: 91219
Autor da Contribuição: SIDNEI ROBERTO DOLCI
Data da Contribuição: 08/04/2020 06:31:07
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

 

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta públic

Contribuição N°: 212
ID da Contribuição: 91220
Autor da Contribuição: MARCELO CARVALHO CARRIJO
Data da Contribuição: 08/04/2020 07:37:32
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF bem como a de 1,2 GHz são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. Por exemplo a faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 213
ID da Contribuição: 91221
Autor da Contribuição: FABIO STEFANINI DA SILVEIRA
Data da Contribuição: 08/04/2020 07:52:33
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 214
ID da Contribuição: 91222
Autor da Contribuição: FABRICIO SECAMILE VIEIRA
Data da Contribuição: 08/04/2020 08:22:07
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 215
ID da Contribuição: 91223
Autor da Contribuição: ISABELLE FERREIRA ABREGO
Data da Contribuição: 08/04/2020 08:52:01
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 216
ID da Contribuição: 91224
Autor da Contribuição: MARCELO CORREIA RUTZEN
Data da Contribuição: 08/04/2020 09:08:04
Contribuição:

Reconsiderar a consulta publica em questao no sentido de protegervo servico de radioamador

Justificativa:

Justificativa: afaixa de uhf são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico no Brasil. A faixa de 430-440MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessivel do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergencias da RENER, a Rede NAcional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional da defesa Civel. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simples. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissao e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente cientifica. A operação e desenvolvimento de sátelites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastantes significativa, especialmente cubesats em órbita baixas (LEO). Todos esses comunicaods envolvem sistema bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente procsso, especificações qie poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 217
ID da Contribuição: 91225
Autor da Contribuição: ILIONIDAS GOMES DE ARAUJO
Data da Contribuição: 08/04/2020 09:17:44
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 218
ID da Contribuição: 91226
Autor da Contribuição: RAFAEL VINICIUS TRENTIN
Data da Contribuição: 08/04/2020 09:20:50
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública, no sentido de proteção do serviço de radioamador.

Justificativa:

Restringindo as faixas para um serviço homologado, onde os radioamadores se capacitam para tal.

 

obrigado

Contribuição N°: 219
ID da Contribuição: 91227
Autor da Contribuição: EDUARDO WITHERS DOURADO
Data da Contribuição: 08/04/2020 09:27:46
Contribuição:

Possuímos poucas bandas de radioamador para operação, não acho justo tirar este pequeno espaço que temos.

Justificativa:

Não acho justo perdemos este espaço para outros serviços.

Contribuição N°: 220
ID da Contribuição: 91228
Autor da Contribuição: ALEX NICOLAU LIMA
Data da Contribuição: 08/04/2020 10:08:51
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

 

Contribuição N°: 221
ID da Contribuição: 91229
Autor da Contribuição: Itauri Chagas Sousa
Data da Contribuição: 08/04/2020 11:24:35
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 222
ID da Contribuição: 91230
Autor da Contribuição: RAIMUNDO BARROSO NETO
Data da Contribuição: 08/04/2020 11:27:06
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 223
ID da Contribuição: 91231
Autor da Contribuição: CARLOS ALBERTO LAIMGRUBER
Data da Contribuição: 08/04/2020 12:35:08
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 224
ID da Contribuição: 91232
Autor da Contribuição: ALEXANDRE SELL
Data da Contribuição: 08/04/2020 12:48:31
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 225
ID da Contribuição: 91233
Autor da Contribuição: MARCONI DE ARRUDA PEREIRA
Data da Contribuição: 08/04/2020 13:17:18
Contribuição:

Sugiro, respeitosamente, que não sejam removidas nenhuma das faixas hoje dedicadas ao Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 226
ID da Contribuição: 91234
Autor da Contribuição: CARLOS JOSE RODRIGUES JUNIOR
Data da Contribuição: 08/04/2020 13:40:34
Contribuição:

Sou Rádioamador classe C, uso muito a faixa de UHF 430/440 onde temos frequências atuantes em minha região. Tenho 2 equipamentos que uso para operação em tal frequência. O que faremos com o custo de equipamentos que nada poderemos fazer após a determinação da proibição para o uso de radioamadores??

Justificativa:

Acredito que existam outras frequências que poderão ser usar para tal finalidade. Já usamos essa faixa há muito tempo, investindo trabalho, tempo e dinheiro na aquisição de matérias  e equipamentose. Acredito que falompor todos os operadores de Radioamadores, por favor não nos tire a faixa de UHF 430/440, usem outra banda como por exemplo a banda de VHF 220 MHz ou acima do espectro permitido para nós!!! Obrigado

Contribuição N°: 227
ID da Contribuição: 91235
Autor da Contribuição: AMARILDO RODRIGUES DA SILVA
Data da Contribuição: 08/04/2020 13:50:03
Contribuição:

Art. 1º NÂO Aprovar os requisitos técnicos e operacionais para uso das faixas de frequências de 430 MHz a 440 MHz e de 1240MHz a 1300 MHz por estações do Serviço Limitado Privado (SLP) para aplicações de radiolocalização, de acordo com as características a seguir mencionadas.

Justificativa:

As bandas de amador compreendidas no espectro entre 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz são de importância estratégica para o radioamadorismo brasileiro e mundial, devido as suas características de comprimento de onda, nas quais, suas antenas de dimensões reduzidas, facilitam os contatos entre nossas estações base e em operações portáteis.

Nessas bandas, os contatos são realizados com grande clareza de áudio, sendo de grande importância para o dia a dia nos contatos entre nós radioamadores e nos casos de apoio às comunicações de emergência, onde esses valorosos voluntários, auxiliam as autoridades governamentais nos episódios de desastres naturais, grandes acidentes e calamidade pública. Cito as recentes inundações na região sul do país e região sudeste e catástrofes como o rompimento de barragens de Mariana e Brumadinho. Nesses eventos os meios de comunicações tradicionais entram em sobrecarga e até em colapso, e o radioamadorismo é vital para que pessoas em locais isolados e remotos sejam salvas.

Destaco que essas bandas são de extrema importância, pois temos equipamentos portáteis alimentados por baterias, que proporcionam comunicação tanto na zona urbana como na zona rural, bem como podem ter seu alcance ampliado com o uso de estações repetidoras, promovendo a comunicação de emergência e suprindo os órgãos de segurança pública, de comunicação estratégica sem nenhum ônus ao Estado.

Destarte, utilizamos as bandas acima citadas em comunicações diárias entre estações brasileiras e de outros países através de contatos diretos, via satélite, contatos via repetidoras, rebote lunar (EME), modos digitais, DSTAR, DMR, Meteor Scatter, DX via troposfera, e demais modalidades.

 

Temos uma ampla gama de rádios portáteis disponíveis que operam nessas bandas, possibilitando ao radioamador equipamentos tipo “handie talkie” baratos, democratizando o acesso a esse espectro.

A International Amateur Radio Union (IARU) padroniza as frequências das bandas de amador em todo o mundo para que se tenha as bandas com as mesmas frequências em todos os países, pois as ondas de rádio não respeitam fronteiras. Desta forma, é imperioso que se mantenha as bandas acima citadas, em consonância com o restante do mundo, pois os satélites de amador por exemplo, continuaram a passar sobre nosso país transmitindo suas mensagens nessas frequências. Não podemos nos privar de operar nessas bandas com os demais países.

Dada a extrema importância dessas bandas para o radioamadorismo, sugiro que os demais usuários do Serviço Limitado Privado utilizem frequências acima ou abaixo das bandas de 430 a 440MHz e 1.240 a 1.300MHz preservando o radioamadorismo brasileiro.

Contribuição N°: 228
ID da Contribuição: 91236
Autor da Contribuição: JOSE ACIR CARDOSO RIBEIRO PINTO
Data da Contribuição: 08/04/2020 13:58:51
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 229
ID da Contribuição: 91237
Autor da Contribuição: ERNESTO AUGUSTO STAFFA TIRONI
Data da Contribuição: 08/04/2020 14:15:34
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 230
ID da Contribuição: 91238
Autor da Contribuição: SERGIO EDUARDO MARTINS DE FREITAS
Data da Contribuição: 08/04/2020 14:32:33
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 231
ID da Contribuição: 91239
Autor da Contribuição: FRANCISCO JOSE PINTO FERNANDES
Data da Contribuição: 08/04/2020 15:01:06
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 232
ID da Contribuição: 91240
Autor da Contribuição: ALEXANDRE DE OLIVEIRA BARROS
Data da Contribuição: 08/04/2020 15:04:41
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

 

Contribuição N°: 233
ID da Contribuição: 91241
Autor da Contribuição: ROGERIO RAMPAZZO BOMFIM
Data da Contribuição: 08/04/2020 15:18:57
Contribuição:

Nós radioamador  já perdemos no passado a faixa de 440 a 450 MHZ, portanto sou contra a esse compartilhamento de serviço, com o serviço de radioamador.

Peço uma revisão dessa proposta, para frequências abaixo ou acima das frequências destinadas ao serviço de radioamador.

Justificativa:

Como somos radioamadores, e temos que obedecer criteriosamente , onde podemos transmitir, não sendo permitido ao radioamador, transmitir fora da faixa destinado ao serviço de radioamador, sou contra essa proposta, do compartilhamento da faixa de radioamador, com esse serviço, ou qualquer outro serviço, que não tenha, fins ou vinculo vinculo com o serviço de radioamador.

Por esse motivo, para não interferir no nosso serviço de radioamador, e também, nós não interferir no serviço em questão que ,está em consulta publica, sou contra essa proposta.

Contribuição N°: 234
ID da Contribuição: 91242
Autor da Contribuição: Leandro de Oliveira
Data da Contribuição: 08/04/2020 15:21:42
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública

Contribuição N°: 235
ID da Contribuição: 91243
Autor da Contribuição: MARCELO GONCALVES
Data da Contribuição: 08/04/2020 15:24:57
Contribuição:

OK

Justificativa:

OK

Contribuição N°: 236
ID da Contribuição: 91244
Autor da Contribuição: ADRIANO AMADOR DA SILVA
Data da Contribuição: 08/04/2020 15:49:18
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 237
ID da Contribuição: 91245
Autor da Contribuição: ISMAEL DE SOUZA IGNACIO
Data da Contribuição: 08/04/2020 15:53:56
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

As faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 238
ID da Contribuição: 91246
Autor da Contribuição: ADEMIR GOULART
Data da Contribuição: 08/04/2020 16:09:30
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 239
ID da Contribuição: 91247
Autor da Contribuição: JOAO BATISTA DA ROSA
Data da Contribuição: 08/04/2020 16:14:21
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 240
ID da Contribuição: 91248
Autor da Contribuição: BRUNO COSTA MOREIRA
Data da Contribuição: 08/04/2020 16:22:02
Contribuição:

Não concordo com o leilão por motivos simples, é uma faixa destinada a nós rádioamadores que com muita luta   nos foram destinadas, sempre alerta a contribuir com a sociedade. 

Justificativa:

São faixas de curta distância com uso de simples tHTs  e rádios portáteis. facilitando os contatos locais em casos de catástrofe ou qualquer fenômeno adverso que possa ocorrer. sempre pronto a contribuir com a sociedade. Grato pelo espaço. 

Contribuição N°: 241
ID da Contribuição: 91249
Autor da Contribuição: ALDORI SOUSA
Data da Contribuição: 08/04/2020 16:27:45
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública

Contribuição N°: 242
ID da Contribuição: 91250
Autor da Contribuição: Aurelio Zito Schwartz Nicoladeli
Data da Contribuição: 08/04/2020 17:12:42
Contribuição:

Reconsiderar a consulta publica em questão, no sentido de proteger o serviço de radioamador

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 243
ID da Contribuição: 91251
Autor da Contribuição: RAFAEL ROZENDO ARCILLO
Data da Contribuição: 08/04/2020 17:12:45
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 244
ID da Contribuição: 91252
Autor da Contribuição: Carlos Alberto Junqueira de Carvalho
Data da Contribuição: 08/04/2020 17:19:49
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 245
ID da Contribuição: 91253
Autor da Contribuição: ALEX SANDRO SOUSA ALFENAS
Data da Contribuição: 08/04/2020 17:25:35
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

 

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 246
ID da Contribuição: 91254
Autor da Contribuição: JOSENIAS RENATO CABRAL DE SOUZA
Data da Contribuição: 08/04/2020 17:34:11
Contribuição:

Contribuição: Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 247
ID da Contribuição: 91255
Autor da Contribuição: NYLSON EDUARDO DOS GUIMARAES PEIXOTO
Data da Contribuição: 17/04/2020 23:32:50
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador que é de suma importância e utilidade pública para o nosso País. 

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 248
ID da Contribuição: 91256
Autor da Contribuição: RODRIGO AUGUSTO BARBOSA FREIRE
Data da Contribuição: 08/04/2020 18:05:45
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixa de UHF é extremamente importante para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 249
ID da Contribuição: 91257
Autor da Contribuição: DANIEL ERNESTO HERNANDEZ SCHROTT
Data da Contribuição: 08/04/2020 18:05:56
Contribuição:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública

Justificativa:

Justificativa: A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública

Contribuição N°: 250
ID da Contribuição: 91259
Autor da Contribuição: ITAMAR ANTUNES DA SILVA
Data da Contribuição: 08/04/2020 19:18:58
Contribuição:

 Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

 As faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública

Contribuição N°: 251
ID da Contribuição: 91260
Autor da Contribuição: JOSE CLAUDIO SERAFIM PENNA
Data da Contribuição: 08/04/2020 19:27:17
Contribuição:

Reconsiderar a consulta pública em questão no sentido de proteger o Serviço de Radioamador.

Justificativa:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente científica. A operação e desenvolvimento de satélites de radioamador junto a universidades, centros de pesquisas e agências espaciais é bastante significativa, especialmente cubesats em órbitas baixas (LEO). Todos esses comunicados envolvem sistemas bem sensíveis, sendo que o aumento no ruído pode prejudicar e obliterar os contatos. A comunicação satelital propicia ao radioamador um conjunto de atividades com antenas especializadas, filtros, diplexers, tracking etc. Diante dessas características é evidente a necessidade de proteção do Serviço de Radioamador considerando o potencial interferente dos radares, ainda mais diante das potências que foram citadas na consulta pública (da ordem de kW) e regularidade de emissão, conforme exposto no referente processo, especificações que poderão inviabilizar o exercício do serviço nas faixas citadas na consulta pública.

Contribuição N°: 252
ID da Contribuição: 91261
Autor da Contribuição: ELISEU PEREIRA
Data da Contribuição: 08/04/2020 19:33:58
Contribuição:

A faixas de UHF são extremamente importantes para o desenvolvimento do Radioamadorismo e o fomento tecnológico e educacional no Brasil. A faixa de 430-440 MHz é tradicionalmente ocupada pelo Serviço de Radioamador e representa para muitos radioamadores brasileiros a porção mais acessível do UHF. Este é um dos segmentos reconhecidos para comunicações emergenciais da RENER, a Rede Nacional de Emergência dos Radioamadores, integrada com a Secretaria Nacional de Defesa Civil. As comunicações emergenciais dos radioamadores integradas com autoridades federais, estaduais e locais são de inestimável valor para a sociedade, seja utilizando a rede de repetidoras radioamadoras, tanto analógicas como digitais, bem como por meio de contatos locais e regionais em simplex. Contatos por Reflexão Lunar e experimentais, aproveitando e descobrindo enlaces de longa distância por modos específicos de emissão e rádio propagação, são realizados tanto entre 430-440 MHz como 1240-1300 MHz por radioamadores brasileiros com sistemas irradiantes compactos e eficientes, proporcionando um campo privilegiado de experimentação e educação de vertente ci