Anatel

Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

Sistema de Acompanhamento de Consulta Pública - SACP

Relatório de Contribuições Recebidas

 Data: 11/08/2022 18:41:59
 Total de Contribuições:7

CONSULTA PÚBLICA Nº 41


 Item:  1. OBJETIVO
Contribuição N°: 1
ID da Contribuição: 89839
Autor da Contribuição: Claudio de Almeida
Data da Contribuição: 13/09/2019 16:45:32
Contribuição:

Alterar para: Possuem pares metálicos compostos por condutores sólidos de cobre puro 

Justificativa:

Cabos de RF não precisam ser de cobre puro pois, devido ao Skin Effect, nas altas frequências em que trabalham esses cabos, os elétrons não trafegam pela área interna do condutor, permitindo que cabos coaxiais para uso em RF sejam de aço ou alumínio cobreado e até ocos, para cabos de maior diâmetro.

Já o sinal de vídeo enviado pelas câmeras de CFTV não é modulado, tendo sua resposta de frequência começando em poucos Hertz e indo até 50 MHz. Ou até um pouco mais, no caso das câmeras 4K.

Portanto para aplicações em CFTV, os elétrons utilizam toda a área do cabo, não apenas a sua superfície. Sendo assim, um cabo de aço ou alumínio cobreado compromete bastante a performance e o alcance de um sistema de CFTV.

Por esse motivo, qualquer tipo de cabo utilizado para aplicações em CFTV, seja ele de par trançado ou coaxial, deve ser de cobre puro, pois nas baixas frequências, aquelas que usam a área interna do cabo para trafegarem, estão componentes importantes do sinal, como a luminância, por exemplo.

Pude constatar isso na prática quando testei e certifiquei alguns cabos de par trançado do mercado como, por exemplo, o  BetaNet, da Beta Cavi, o UC Home da Prysmian e o Flexseg HD da Legrand, todos de cobre puro. Em todos esses testes, a performance dos cabos foi comparada com um cabo par trançado CCA, onde pude facilmente perceber como esse último teve uma performance bem inferior.

Os cabos foram testados para as 3 tecnologias de CFTV analógico (AHD, HD-TVI e HD-CVI) e para as resoluções de 720p e 1080p. Os resultados podem ser visto nestes links e comprovam a superioridade de um cabo de cobre puro sobre um cabo CCA:

 http://www.institutocftv.com.br/beta-cavi-teste-cabo-utp-com-video-hd.html

http://www.institutocftv.com.br/prysmian--testes-video-hd-4-em-1.html

http://www.institutocftv.com.br/legrand-testes-video-hd-4-em-1-em-cabo-utp.html

 

 

Contribuição N°: 2
ID da Contribuição: 89867
Autor da Contribuição: ALEXSON DE OLIVEIRA PALMA
Data da Contribuição: 13/09/2019 21:54:57
Contribuição:

Substituir "liga metálica cobreada" por " liga metálica com revestimento de cobre"

Justificativa:

Deixa mais claro que a liga metálica será envolvida por uma camada de cobre.

 Item:  2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS

2.1 ABNT NBR 14703:2005 - Cabos de telemática de 100 ohms para redes internas estruturadas - Especificação;

2.2 ABNT NBR 6810 - Fios e cabos elétricos – Tração à ruptura em componentes metálicos;

2.3 ABNT NBR 9148:1998 - Cabos ópticos e fios e cabos telefônicos - Ensaio de envelhecimento acelerado - Método de ensaio.

2.4 ABNT NBR 14705:2006 - Cabos internos para telecomunicações - Classificação quanto ao comportamento frente à chama.

2.5 ABNT NBR 9141:1998 - Cabos ópticos e fios e cabos telefônicos - Ensaio de tração e alongamento à ruptura - Método de ensaio;

2.6 ABNT NBR 9130:2009 - Fios e cabos telefônicos - Ensaio de desequilíbrio resistivo - Método de ensaio;

2.7 ABNT NBR 9145:2008 - Fios e cabos telefônicos - Ensaio de resistência de isolamento;

2.8 ABNT NBR 9146:2012 - Fios e cabos para telecomunicações — Tensão elétrica aplicada — Método de ensaio;

2.9 ASTM D 3349:1999 - Test Method for Abcorption on Coefficient of Ethylene Polymer Material Pigmented with Carbon Black;

2.10 ASTM G155:2005 - Practice for Operating Xenon Arc Light Apparatus for Exposure of Non-metallic Materials;

2.11 ASTM D 4566:2005 - Standard Test Methods for Electrical Performance Properties of Insulations and Jackets for Telecommunications Wire and Cable.

Contribuição N°: 3
ID da Contribuição: 89862
Autor da Contribuição: ALEXSON DE OLIVEIRA PALMA
Data da Contribuição: 13/09/2019 21:34:34
Contribuição:

As Normas relacionadas não deveriam ter anos de edição. Os requisitos deveriam se basear em Normas sempre atualizadas.

Justificativa:

Se é fixado o ano da Norma qualquer atualização da mesma não poderá ser considerada. Além disso Normas obsoletadas devido à revisões saem de circulação e não é possivel mais adquiri-las na ABNT e ASTM.

 Item:  3. ORIENTAÇÕES GERAIS

3.1.Na embalagem externa do produto deve constar as seguintes frases:


a) “Este cabo é destinado ao uso em sistemas de Circuito Fechado de TV - CFTV”.

b) “Este cabo não é indicado para utilização em redes locais de computadores”.

3.2. Deve estar impresso de maneira legível ao longo do comprimento cabo, em sua capa externa, a seguinte frase: “Cabo para aplicação em CFTV”.

3.3.A quantidade de pares, a aplicação (interna e/ou externa), o material do condutor e o diâmetro do condutor nu (sem isolamento) devem ser informados pelo interessado na homologação, devendo tais informações serem inseridas nos relatórios de ensaio emitido pelo laboratório e no certificado de conformidade técnica emitido pelo OCD.

3.4.Para efeito de Certificação, os ensaios realizados em uma amostra de cabo para aplicação em uso interno são válidos para o cabo destinado ao uso externo com a mesma quantidade de pares e mesmo material do condutor, desde que o interessado apresente duas amostras do mesmo cabo:


a) Uma amostra com capa externa para aplicação em uso interno, que deve ser submetida a todos os ensaios;

b) Uma amostra com capa externa para aplicação em uso externo, que deve ser submetida aos ensaios da capa: Alongamento à ruptura e Resistência à Tração (original e após envelhecimento) e Coeficiente de Absorção ou Intemperismo.

3.5.Para efeito de Certificação, os ensaios realizados em uma amostra de cabo para aplicação em uso externo são válidos para o cabo destinado ao uso interno com a mesma quantidade de pares e mesmo material do condutor, desde que o interessado apresente duas amostras do mesmo cabo:

a)  Uma amostra com capa externa para aplicação em uso externo, que deve ser submetida a todos os ensaios;

b) Uma amostra com capa externa para aplicação em uso interno, que deve ser submetida aos ensaios do revestimento externo: alongamento à ruptura e resistência à tração (original e após envelhecimento) e retardância à chama.


3.6.Para efeito de Certificação, caso um determinado cabo para aplicação em uso interno possua capa externa de cores distintas, o interessado deve declarar, formalmente, que o material base (sem corante) utilizado na fabricação da amostra submetida a ensaio será mantido, assim como suas características frente à chama.

3.7.Para efeito de Certificação, caso um determinado cabo possua capa externa de cores distintas, excetuando a cor preta, para aplicação em uso externo, o interessado deve declarar formalmente que o material base (sem corante) utilizado na fabricação da amostra submetida a ensaio será mantido, assim como suas características frente ao intemperismo.

3.8.Os cabos com capa externa de cor preta devem ser submetidos ao ensaio de Coeficiente de Absorção.

3.9.É permitido apresentar para certificação um cabo com uma única capa externa para as duas aplicações (uso interno e externo) desde que o interessado apresente uma amostra do cabo para ser submetida a todos os ensaios exigidos para aplicação em uso interno e em uso externo.

3.10.O cabo para aplicação em uso externo deve possuir capa externa resistente a UV.

3.11.O cabo para aplicação em uso interno deve possuir capa externa com material retardante à chama.

3.12.O cabo para aplicação em uso externo e interno, mesmo que parcial, deve possuir capa externa com material retardante à chama e resistente a UV ou intemperismo.

3.13.Para efeito de Certificação de cabos em regime de O&M, só serão certificados os cabos efetivamente ensaiados.

3.14.A amostra de cabo a ser submetida aos ensaios para avaliação da conformidade técnica deve possuir, no mínimo, 100 metros de comprimento.

Contribuição N°: 4
ID da Contribuição: 89863
Autor da Contribuição: ALEXSON DE OLIVEIRA PALMA
Data da Contribuição: 13/09/2019 21:39:37
Contribuição:

Para aplicação em uso externo não se aplicam ensaios de Coeficiente de Absorção ou Intemperismo.

Justificativa:

Este tipo de cabo utiliza eletrodutos e calhas nas aplicações externas. Não são expostos ao tempo. Daí não se aplica os ensaios citados.

 Item:  4.7.Coeficiente de absorção de radiação ultravioleta

4.7.1.Requisito:

4.7.1.1.Aplicável somente a cabos destinados ao uso externo e com revestimento externo na cor preta;

4.7.1.2.O coeficiente de absorção do revestimento, quando exposto à radiação ultravioleta, deve atender aos seguintes valores mínimos, conforme material:

a) PVC = 2800 absorções/cm;

b) PE = 4000 absorções/cm.

4.7.2.Procedimento de ensaio:

4.7.2.1.Adotar os procedimentos definidos na norma ASTM D 3349:1999.

4.7.2.2.Quando houver duas capas, somente a externa deve ser ensaiada.

Contribuição N°: 5
ID da Contribuição: 89864
Autor da Contribuição: ALEXSON DE OLIVEIRA PALMA
Data da Contribuição: 13/09/2019 21:42:59
Contribuição:

O ensaio de Coeficiente de absorção não se aplica a este produto.

Justificativa:

Não há exposição do cabo ao ambiente, visto que para aplicação externa utiliza eletrodutos e calhas.

 Item:  4.8.Intemperismo

4.8.1.1.Aplicável somente a cabos destinados ao uso externo e com revestimento externo na cor não preta;

4.8.1.2.Após o ensaio, com duração de 720 horas, conforme especificado na norma NBR 9141, devem ser verificados o alongamento à ruptura e a resistência à tração do revestimento externo.

4.8.1.3.Os valores obtidos não devem diferir em mais de 25% dos valores originais da capa externa.

4.8.2.Procedimento de ensaio:

4.8.2.1.Adotar os procedimentos definidos nas normas: ASTM G155:2005 (Ciclo 1), ABNT NBR 9141:1998 e ABNT NBR 9148:1998.

4.8.2.2.Quando houver duas capas, ambas devem ser ensaiadas.

Contribuição N°: 6
ID da Contribuição: 89865
Autor da Contribuição: ALEXSON DE OLIVEIRA PALMA
Data da Contribuição: 13/09/2019 21:44:33
Contribuição:

O ensaio de Intemperismo não se aplica a este produto.

Justificativa:

Para aplicação externa, o cabo não fica exposto ao ambiente, visto que caminha dentro de eletrodutos e calhas.

 Item:  4.13.NEXT (Paradiafonia)

4.13.1.Requisito:

4.13.1.1.Para qualquer combinação entre pares do cabo, a atenuação de paradiafonia mínima, medida conforme a norma ASTM D 4566:2005 nas frequências compreendidas entre 1 MHz e 100 MHz, deve atender aos valores da seguinte equação:

NEXT ≥ 32 – 15log(f/100)

f: frequência em MHz.

4.13.2.Procedimento de ensaio:

4.13.2.1.Adotar os procedimentos definidos na norma ASTM D 4566:2005.

4.13.2.2.A medida deve ser realizada nos 2 sentidos de transmissão, ou seja, nas duas extremidades do cabo.

4.13.2.3.Devem ser medidos, no mínimo, 201 pontos de frequência entre 1 MHz e 100 MHz.

Contribuição N°: 7
ID da Contribuição: 89866
Autor da Contribuição: ALEXSON DE OLIVEIRA PALMA
Data da Contribuição: 13/09/2019 21:47:48
Contribuição:

O ensaio de NEXT não se aplica a este produto.

Justificativa:

O ensaio de NEXT é especifico para Cabos para Trasmissão de Dados para aplicação em redes de computadores. Como a aplicação é para CFTV, o ensaio não se aplica.