Anatel

Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

Sistema de Acompanhamento de Consulta Pública - SACP

Relatório de Contribuições Recebidas

 Data: 10/08/2022 12:05:36
 Total de Contribuições:165

CONSULTA PÚBLICA Nº 39


 Item:  Consulta Pública nº 39, de 05 de outubro de 2018
Contribuição N°: 1
ID da Contribuição: 84755
Autor da Contribuição: EDGAR MORATO DA SILVA ARAUJO
Data da Contribuição: 31/10/2018 12:18:34
Contribuição:

Não aceito a limitação de banda para 2.7 khz

Isso prejudica muito a transmissão em fonia ficará muito estreita! 

Justificativa:

Em fonia 2.7khz é impossivel de operar!

Contribuição N°: 2
ID da Contribuição: 84758
Autor da Contribuição: Jose Antonio Gomes Ignacio Junior
Data da Contribuição: 02/11/2018 12:09:39
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Justificativa:

A proposta é inadequada em todos seus propostios, a exemplo os 6K em AM alem de ser uma tradição no radioamadorismo, é necessario se manter o minimo de qualidade da transmissão. Varios colegas trabalham em experiencias na melhroa da qualidade do audio em 6k, a redução alem de inibir esse trabalho, permitira que as emissoras comerciais, chinesas que trabalham em ate 15k acima de 7.200 Khz, impeçam os radioamadores de atuar. Tbme em 80 mts (3 Mhz) o estreitamento da banda de AM, ira restringir em muito a atuação desses experimentadores.

 

A proposta é inviavel. 

Contribuição N°: 3
ID da Contribuição: 84765
Autor da Contribuição: MILTON LOPES JUNIOR
Data da Contribuição: 02/11/2018 11:15:28
Contribuição:

Milton Lopes Jr.

 

pu2mlu

Justificativa:

"Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros."

 

Sem mais, Milton Lopes Junior pu2mlu Forte 73

Contribuição N°: 4
ID da Contribuição: 84766
Autor da Contribuição: HWIDGER LOURENCO FERREIRA
Data da Contribuição: 31/10/2018 13:41:42
Contribuição:

Contrário a tal limitação.

Justificativa:

A limitação, proposta pela LABRE sem o conhecimento dos radioamadores influi negativamente no desenvolvimento técnico. Tais questões operacionais dentro das bandas permitidas devem ser resolvidas pelos próprios radioamadores.

Contribuição N°: 5
ID da Contribuição: 84779
Autor da Contribuição: MARCELO ARTHUR MENDES WAECHTER
Data da Contribuição: 31/10/2018 19:55:31
Contribuição:

Nao aceito onestreitamento da bandas.

Justificativa:

Deve se designar faixa com  maior largura de x frequencia para cima ou para baixo. Mas nao proibir a todos.

Deixem assim de x a y frequencia..2.7k max. De y a z ai sim liberado qualquer largura.

Contribuição N°: 6
ID da Contribuição: 84782
Autor da Contribuição: JERONIMO PACHECO DA SILVA
Data da Contribuição: 31/10/2018 21:15:47
Contribuição:

sSo ate 2.7 khz

Justificativa:

è o necessario

Contribuição N°: 7
ID da Contribuição: 84785
Autor da Contribuição: GERALDO DE SOUZA NETTO
Data da Contribuição: 31/10/2018 22:07:00
Contribuição:

Aprovo as normas vigentes somente com um respaldo,  que deixem a largura de banda de transmissão em HF como está, não alterem para  2.7K,  pois quem faz experiencias com audio trabalhado vai sofrer as consequencias, e o pessoal do AM vai ficar com muitos problemas tb.

Justificativa:

Para o bem de todo hobby eu desejo manter para o nosso bem conviver como radioamaodores e podermos manter nossas experiencias.

Contribuição N°: 8
ID da Contribuição: 84787
Autor da Contribuição: ANDERSON RICARDO RAMALHO
Data da Contribuição: 31/10/2018 22:29:39
Contribuição:

Importante manter a legislação como está.

Justificativa:

Aderência às novas tecnologias de radiocomunicação que estão sendo lançadas a nível mundial.

Contribuição N°: 9
ID da Contribuição: 84793
Autor da Contribuição: Adalberto Ewerling
Data da Contribuição: 31/10/2018 22:37:15
Contribuição:

Não de acordo 

Justificativa:

Porque não é  a largura  de banda não influência no batimento de frequência 

Contribuição N°: 10
ID da Contribuição: 84794
Autor da Contribuição: ALESSANDRO RIBEIRO DE SOUZA
Data da Contribuição: 31/10/2018 23:51:59
Contribuição:

Sou contra a alteração do BW para 2.7khz.

Justificativa:

Sou contra, pois há muitos equipamentos que já estão homologados, que tem o tx acima de 2.7khz, então ficaria esses equipamentos fora da especificação, e todos os transmissores de am transmite acima de 2.7khz, e essa limitação não existe em lugar nenhum no mundo isso não existe é um absurdo! 

Contribuição N°: 11
ID da Contribuição: 84796
Autor da Contribuição: MARCIO ADIR SOARES CORREA
Data da Contribuição: 01/11/2018 00:46:02
Contribuição:

Entendo que deve manter-se como esta ate agora, pois prejudicara quem opera em AM.

Justificativa:

Não vai melhorar nada, ainda vai dificultar quem opera em AM.

Contribuição N°: 12
ID da Contribuição: 84797
Autor da Contribuição: ISMAEL DIAS GOMES
Data da Contribuição: 01/11/2018 01:24:12
Contribuição:

Eu contribuo com a taxa do FISTEL todos os anos, desde 1980.

Justificativa:

Eu, Ismael Dias Gomes não vejo utilidade alguma para essa limitação de BW nas faixas de Radioamadores.

Os radioamadores que reclamam da largura de banda que iria prejudicá-los, são os que só participam de contestes

ou fazen DX. Esses são raros na banda de radioamaores. Aparecem algumas vezes por ano no ar. Nós que falamos em radio

todos os dias somos a maioria, e gostamos de um audio mais "encorpado" para conversar várias horas sem estressar os ouvidos.

Essa limitação iria nos tirar do AR definitivamente, porque se houver a limitação de BW certamente haverá fiscalização e a nescessidade

de alterar os nosso tranceptores, isso demanda um bom técnico, dinheiro e depois todas a burocracia para ele ele ser

aprovado pela ANATEL, pois a maioria de nós Radioamadores não temos como comprar outro transceptor com banda estreita.

Além do que os transceptores novos à venda hoje em todo o mundo têm uma largura dos exemplos abaixo:

ICOM - DE 100 HZ A 2.900 KHZ.

YAESU VERTEX STANDARD - DE 100 HZ A 4.000 KHZ.

JVC KENWOOD - DE 30 HZ A 5.100 KHZ.

ELECRAFT K3 - DE 100 HZ A 4 kHz, AM 6 KHZ.

TEN-TEC Model 588AT OMNI VII - DE 100 HZ A 4000 KHZ.

Ora, se esses transceptores são aprovados pelo FCC Americano, que é quem dita as normas no mundo...

Nós tupiniquins não estamos querendo ser mais reais do que o Rei?

Isso sem contar as estações de AM que transmitem com 10kHz de BW ou mais e não estamos nem aí para isto.


 

 

Contribuição N°: 13
ID da Contribuição: 84800
Autor da Contribuição: EDUARDO DE SOUZA VAZ
Data da Contribuição: 01/11/2018 13:54:31
Contribuição:

Quanto a redução da largura de banda nas faixas de radioamador, sou totalmente contra.

Justificativa:

Ficará impossível construir um transmissor em AM que opere com faixa tão estreita, e sendo o radioamadorismo um hobbie que tem como base as experimentações cientificas, descaracterizara o proprio radioamadorismo, além de não trazer nenhum benefício ao mesmo.

Contribuição N°: 14
ID da Contribuição: 84808
Autor da Contribuição: Estevao Gouveia da Silva
Data da Contribuição: 01/11/2018 20:53:24
Contribuição:

Venho por meio desta consulta publica, da a minha opnião.

Sou contra, a limitação de BW para 2.7 khz

Grato

PY2ESG

Estevão Gouveia.

Justificativa:

O motivo que na maioria dos demais paises, perante o seu orgão fiscalizador.

Com o exemplo nos USA, o ministério das comunicações com FCC.

Os radios comercializados tem uma limitação de 3 khz de BW.

Aqui no nosso pais, teria que seguir tambêm os 3 khz da BW, como os demais paises.

E tambêm, a quantidade de radio amadores que fazem o uso de uma largua de BW, maior que 3 khz, são uma quantidade muito pouca de radio amadores.

E não atrapalha em nada, a nossa faixa de radio em HF.

Grato

PY2ESG

Estevão Gouveia

 

Contribuição N°: 15
ID da Contribuição: 84810
Autor da Contribuição: Carlos Alberto Junqueira de Carvalho
Data da Contribuição: 02/11/2018 10:38:03
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 16
ID da Contribuição: 84812
Autor da Contribuição: JOSE MARCOS DE VASCONCELOS
Data da Contribuição: 02/11/2018 10:48:15
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

Justificativa:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 17
ID da Contribuição: 84816
Autor da Contribuição: EDER ALVES CABRERA
Data da Contribuição: 02/11/2018 11:13:08
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

 

O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

 

O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

 

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

 

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

 

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

 

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

 

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

 

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

 

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

 

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

 

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 18
ID da Contribuição: 84818
Autor da Contribuição: CARLOS AUGUSTO CORREA SALES
Data da Contribuição: 02/11/2018 11:48:45
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

 

O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

 

O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

 

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

 

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

 

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

 

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

 

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

 

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

 

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

 

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

 

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 19
ID da Contribuição: 84823
Autor da Contribuição: THIAGO VALENCOELA COUTINHO
Data da Contribuição: 02/11/2018 14:31:38
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 20
ID da Contribuição: 84826
Autor da Contribuição:
Data da Contribuição: 14/11/2018 14:51:03
Contribuição:

 

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.


Justificativa :

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

 

O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

 

O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

 

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

 

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

 

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

 

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

 

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

 

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

 

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

 

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

 

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 21
ID da Contribuição: 84827
Autor da Contribuição: FABIO AUGUSTO CATHARIN
Data da Contribuição: 08/11/2018 15:16:47
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Justificativa:

Não é a Largura de Banda o Problema . E sim falta de Ética

Contribuição N°: 22
ID da Contribuição: 84831
Autor da Contribuição: ALEXANDRE CESAR BENEDITO
Data da Contribuição: 02/11/2018 16:02:36
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros. 

Justificativa:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta publica n 39,porque esse texto não representa a vontate de toda classe de radioamadorismo Brasileiro.

Contribuição N°: 23
ID da Contribuição: 84835
Autor da Contribuição: CARLOS ANTONIO CEZAR DE ANDRADE
Data da Contribuição: 02/11/2018 17:51:57
Contribuição:

eu pp1cn Cezar gostaria que o audio  BW ficasem em  ssb 3k

Justificativa:

ja a 10 anos que os radios saem com audio de fabrica com 3k 

Contribuição N°: 24
ID da Contribuição: 84838
Autor da Contribuição: EMILIO RAPOSO FERNANDEZ
Data da Contribuição: 02/11/2018 18:51:16
Contribuição:

Sou contra a Proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

Justificativa:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 25
ID da Contribuição: 84845
Autor da Contribuição: JOAO AFONSO ABEL JANKOVITZ
Data da Contribuição: 03/11/2018 08:56:50
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Justificativa:

seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 26
ID da Contribuição: 84846
Autor da Contribuição: ALEX IGINO DA SILVA
Data da Contribuição: 03/11/2018 09:04:34
Contribuição:

Ampliação da Banda Passante nas faixas de HF...

SSB - até 4K

AM - Até 6K

Extinção da obrigatoriedade do CW.

 

Justificativa:

Sou radioamador e profissional da área. Entendo que o mundo esta progredindo e é aconselhavel que acompanhemos esta evolução. Os equipamentos de rádio de HF mais modernos permitem largura de banda em SSB até 4Khz e em AM até 6Khz em alguns casos.

Sou 100% a favor de nova adequação aos equipamentos mais novos, mesmo porque, se tornaria inviável a homologação destes equipamentos, e por consequencia, a queda da arrecadação desta entidade (ANATEL) em novas homologações. 

Sou a favor de extinção da obrigatoriedade do modo de transmissão em CW...Mantem-se a faixa entre bandas aos que buscam a modalidade, mas se finda sua obrigatoriedade para promoção de Classe, que se busque outra alternativas para a promoção de Classe. A falta de tempo e de interesse dos mais jovens, afasta novas filiações, e por consequencia, acaba por findar novas experiencias e com tecnologias mais recentes e & 39;Cabeças" mais novas e abertas a evolução normal do ser humano.

Contribuição N°: 27
ID da Contribuição: 84852
Autor da Contribuição: alexandre louro
Data da Contribuição: 03/11/2018 11:15:37
Contribuição:

rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros

Justificativa:

CONSULTA PÚBLICA Nº 39

Introdução

Consulta Pública nº 39, de 05 de outubro de 2018

O SUPERINTENDENTE DE OUTORGA E RECURSOS À PRESTAÇÃO - ANATEL, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 59 do Regimento Interno da Anatel – aprovado pela Resolução n.º 612, de 29 de abril de 2013, deliberou submeter a comentários e sugestões do público em geral a proposta de Ato com as características básicas de emissão, os planos de faixas para as estações e as canalizações para estações repetidoras de fonia e IVG do serviço de Radioamador, processo nº 53500.026094/2016-48.

 

 

 

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

 

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

 

O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

 

O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

 

O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

 

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

 

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

 

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

 

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

 

Na mesma situação, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

 

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

 

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

 

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

 

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros

Contribuição N°: 28
ID da Contribuição: 84854
Autor da Contribuição: HENRIQUE ESTEHLING DE OLIVEIRA
Data da Contribuição: 03/11/2018 15:33:35
Contribuição:

Não concordo e sou totamelnte contra ao que foi  descrito na consulta publica n°39,  foi opinião de uma pessoa sem informação que não representa a classe dos radioamadores brasileiros.

Justificativa:

Nos Radioamadores compramos rádios de varias marcas que cada um tem seu RX e TX  com largura diferentes variando até 2.4 até 6khz de banda passante, rádios muitos eles comprado com muito suor, nossa voz para ser audível no rádios velhos e novos temos que usar filtros na equalização do mic ptt para que outra pessoa que está do outro lado entenda melhor a nossa voz, quanto mais estreitar pior vai ficar, a propagação de radio freqüência cada vez piora mais, temos varias interferências de lâmpadas, rede de energia que as concessionárias nos prestão que são péssimas, equipamentos como PLC ( POWER LINE COMUNICATION ) que cada vez mais entrão no mercado brasileiro clandestino sem qualquer tipo de HOMOLOGAÇÃO, isso causa uma interferência com alto nível de ruído, o estreitando a largura de banda ficará difícil a escuta, por isso não concordo com o texto da consulta publica nº39, nos temos é que melhorar nossos recursos e não voltar ao passado.

Contribuição N°: 29
ID da Contribuição: 84855
Autor da Contribuição: LUIZ CEZAR CAVAZZANI
Data da Contribuição: 03/11/2018 16:24:59
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 30
ID da Contribuição: 84863
Autor da Contribuição: CHRISTIAN MARCELO CAMARGO
Data da Contribuição: 03/11/2018 20:39:22
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 31
ID da Contribuição: 84867
Autor da Contribuição: MARCOS ADRIANO DO CARMO
Data da Contribuição: 04/11/2018 10:36:13
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 32
ID da Contribuição: 84868
Autor da Contribuição: CAETANO SPERA NETO
Data da Contribuição: 04/11/2018 11:25:44
Contribuição:

NÃO sou favoravel utilizar acima de 2.7k

Justificativa:

Tem radioamadores que estam UTILIZANDO e ABUSANDO acima de 2.7k e atrapalham os QSOs que estam na sua lateral.

Contribuição N°: 33
ID da Contribuição: 84871
Autor da Contribuição: EDSON ALMEIDA DA SILVA JUNIOR
Data da Contribuição: 04/11/2018 13:17:24
Contribuição:

SOU TOTALMENTE CONTRA ESSA LIMITAÇÃO DE 2700 Hz .

DIREITO É IGUAL PARA TODO E QUALQUER RADIOAMADOR , DESDE  NÃO SE PREJUDIQUE A OUTREM.

Justificativa:

CONSULTA PÚBLICA 39

Campinas 04 de novembro de 2018

Bom Dia Srs, gostaria de deixar minha opinião e posicionamento no tocante a limitação de 2.7 Hz em transmissão no modo TX SSB(J3E).

Infelizmente o radioamadorismo esta em plena decadência a algum tempo , isso é fato.

Nossas faixas , na maioria delas , estão as moscas .. Pouca gente usa o espectro a nós concedido ;somente vemos um movimento maior nas datas de competições ou contestes. Mesmo assim comparado a outros países , nosso uso da faixa tem sido pequeno.

Existem três princípios básicos , e estes devem nortear o radioamadorismo. São eles :

1 - Técnica / Ética Operacional

2 – Educação

3- Bom Senso

Se estamos operando em determinada frequência e alguém gentilmente nos solicita subir ou descer um pouquinho a frequência de operação pois esta atrapalhando ; a ética , a Educação e o Bom Senso nos leva a assim agir. Se estamos com emitindo com 2 700 Hz ou 4000 Hz de largura de tx , a atitude e conduta deve ser a mesma. SEMPRE !!!

Com 2700 Hz e 1000 w daremos batimento também se estivermos próximos de qualquer estação. O Bom Senso , Ética e Educação é o que vai mandar nesses casos e não limitar a 2700 Hz.

Existe uma diferença muito grande entre Sugestão e Limitação.

A IARU sugere que a faixa de tx SSB (J3E )seja de 2700 Hz e para modo AM( A3E ) a limitação de Banda Passante seja de 6000 Hz , portanto a IARU SUGERE MAS NÃO LIMITA.

Partindo de qual princípio ou motivo esta sendo IMPOSTA essa limitação ?? Baseado em que ?? Qual o fundamento legal ou operacional para tal imposição ???. Seria por alguém ou por alguns não gostarem dessa nova modalidade ( não tão nova assim )

Ora, muitos não gostam de CW , RTTY,PSK31,AM e nem por isso isso esta sendo cogitado de limitações. Cada qual com seu gosto , desde que não se prejudiquem a outrem.

A maioria dos rádios modernos com FCC ID( e portanto autorizados a operar assim ) tem largura de tx superiores a 2700 Hz... chegando os FLEX RADIO até 7000Hz ( com FCC D e CE ) portanto autorizados a operar assim , e sendo inclusive homologados pela ANATEL .

Como a Anatel homologa então e envia um certificado ( que nos autoriza a usar ) e agora quer limitar ???? Gostaria de uma orientação de como devemos proceder . A homologação pela ANATEL emitida é valida ??

Se é válida , então podemos utilizar o equipamento homologado e certificado , mas estão limitando ... e ai ???

Repensem e analisem bem , pois , uma proposta sempre é melhor do que a imposição sem fundamento e coerência.

Somos poucos e apaixonados por este vicio chamado radioamadorismo, devemos nos unir e não nos fragmentar mais ainda . Bom senso , e aceitação por parte daqueles que não gostam deste segmento do radioamadorismo ( HIFI SSB ) deveria existir, assim como muitos não gostam de outros modos seria um absurdo um pedido de exclusão de qualquer que seja o modo .

CADA UM NO SEU QUADRADO !!

Ou vocês abriram um precedente para que a qualquer QRM surjam pedidos de limitações.

Sou totalmente contra essa IMPOSIÇÃO , ou no pior dos mundos, vocês com bom senso que lhes é peculiar designem uma faixa no espectro para que possamos continuar com nossos experimentos e nossa diversão , pois temos os mesmos direitos de quem não quer por este ou por aquele motivo que continuemos com nosso HI FI SSB.

Edson Almeida da Silva Junior

PY2 COI

Radioamador e acima de tudo apaixonado por radio .

Contribuição N°: 34
ID da Contribuição: 84876
Autor da Contribuição: EDUARDO TONON DE ALMEIDA
Data da Contribuição: 04/11/2018 16:58:56
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

 

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

 

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

 

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

 

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

 

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

 

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

 

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

 

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

 

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

 

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

 

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 35
ID da Contribuição: 84877
Autor da Contribuição: CLAUDIA TORRES
Data da Contribuição: 04/11/2018 17:24:15
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

 

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

 

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

 

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

 

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

 

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

 

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

 

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

 

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

 

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

 

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

 

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

 

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 36
ID da Contribuição: 84879
Autor da Contribuição: Marcelo Carlos Richter
Data da Contribuição: 04/11/2018 21:03:02
Contribuição:

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores e microfones  sem a ajuda de laboratórios especializados que estão disponíveis apenas para os fabricantes de equipamentos. 

Os equipamentos antigos de Amplitude Modulada sejam caseiros ou comerciais transmitem em 6 KHZ aproximadamente e não são adaptaveis para 2.7 KHZ. tecnicamente impossiveis de serem modificados no ambito amadorístico, estes são a maioria  de quem ainda utiliza esta modalidade.

 

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor de produtos importados que tenham regulagem de largura de banda,  são equipamentos caros e difíceis de serem obtidos no Brasil, ou seja financeiramente inviaveis a maioria.

Espero ter colaborado, 

Agradeço a oportunidade de opinar e manifestar.

 

 

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores e microfones  sem a ajuda de laboratórios especializados que estão disponíveis apenas para os fabricantes de equipamentos. 

Os equipamentos antigos de Amplitude Modulada sejam caseiros ou comerciais transmitem em 6 KHZ aproximadamente e não são adaptaveis para 2.7 KHZ. tecnicamente impossiveis de serem modificados no ambito amadorístico, estes são a maioria  de quem ainda utiliza esta modalidade.

 

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor de produtos importados que tenham regulagem de largura de banda,  são equipamentos caros e difíceis de serem obtidos no Brasil, ou seja financeiramente inviaveis a maioria.

Espero ter colaborado, 

Agradeço a oportunidade de opinar e manifestar.

 

Contribuição N°: 37
ID da Contribuição: 84880
Autor da Contribuição: ANTONIO EDINEI COSTA DA SILVA
Data da Contribuição: 04/11/2018 21:54:54
Contribuição:

Assim como Milhares de Radioamadores somos contra a percs de quaisquer Direito.

Ja que si nos não usarmos quem ira usar??

Justificativa:

Sou Presidente de Uma associação de Radioamadores e aqui nem um sócio aceita

Essa proposta Que ao nosso ver e uma grande Tolice que na verdade todos

Gostamos do jeito que esta!!!e nao deve ser mexido em nada

Contribuição N°: 38
ID da Contribuição: 84883
Autor da Contribuição: mauricio bisso de mello
Data da Contribuição: 05/11/2018 00:11:13
Contribuição:

A proposta de redução da largura máxima de banda (BW) para a utilização do serviço de radioamador nos modos AM e SSB, conforme consta nos anexos B3.1 até B3.10 não se justifica. 

Justificativa:

Não há razão alguma que justifique essa medida, que em última análise só traria transtornos aos usuários e à fiscalização

O texto da Consulta Pública 39, além de um vago comentário de que as modificações propostas estariam atendendo a um alinhamento com a International Amateur Radio Union  – IARU e que teriam sido avaliadas por "notáveis" da LABRE,   em nenhum documento acessível ao usuário,  cita as razões para essa medida e antes de tudo,  como usuário considero condição básica  essa explicação.

A única razão técnica plausível seria que a proposta visaria aumentar o número de canais nas bandas disponíveis para os radioamadores, tomando como referência que essas  bandas não estão sendo modificadas. 

Mas essa explicação seria ridícula pois hoje, todos nós sabemos que as bandas destinadas ao radiomadorismo,  independente do ponto do espectro estão praticamente desertas a maior parte do tempo.

Estaria sendo previsto uma situação especial? Um cenário caótico de emergência total em que não hovesse nenhuma comunicação tradicional/comercial disponível  e  os radioamadores teriam que que auxiliar?

Ou essa decisão seria motivada por algum "terceiro"  interesse em inviabilizar o uso de equipamentos antigos, forçando o usuário do serviço a adquirir novos modelos?

Contribuição N°: 39
ID da Contribuição: 84885
Autor da Contribuição: cleri mendes camargo
Data da Contribuição: 05/11/2018 11:33:00
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

Justificativa:

O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 40
ID da Contribuição: 84887
Autor da Contribuição: Fabio Franceschini
Data da Contribuição: 05/11/2018 13:26:20
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Justificativa:

As justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

Contribuição N°: 41
ID da Contribuição: 84889
Autor da Contribuição: LUCAS HENRIQUE MELLON MIRANDA
Data da Contribuição: 05/11/2018 14:30:10
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a 
vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  
RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

Justificativa:

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, 
transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de 
analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de 
equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem 
quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, 
sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores 
destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, 
uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz 
para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  
inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a 
limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é 
inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes 
de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será 
impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem 
caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência 
mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e 
inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 
2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM 
(A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os 
autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações 
licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e 
suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 
2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade 
de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), 
impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas 
modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à 
realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas 
citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM 
(A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores 
Brasileiros.

Contribuição N°: 42
ID da Contribuição: 84891
Autor da Contribuição: ENRIQUE MARTIN SCHEUER
Data da Contribuição: 05/11/2018 19:49:16
Contribuição:

Assim como em outros Paises os excesssos de Largura de Banda de Transmissão devem ser evitados pois limitam sobremaneira a ocupação da faixa assim como a inteligibilidade de estações vizinhas. O fato de se polularizar a utilização de equalizadores com transmissão com altas laguras de banda, muitas vezes acima de 6K,  não se justifica em detrimento dos demais companheiros . Como forma de já mantermos a legislação atualizada, recomendo apenas que acompanhem a largura de banda de 2.9K , seguindo a tendencia dos equipamentos de transmissão de ultima geração 

Talvez uma excessão deva ocorrer para as operações de AM , cuja largura de banda de 2.7K não seja suficiente e orientando os seus praticantes a fazerem suas transmissões em espaço de fixa pre-destinado.

 

Saudações neste Dia do Radioamador  

 

73 de Enrique Martin Scheuer

PY2CP 

Justificativa:

Os motivos acima estão justificados pela necessidade de isonomia no acesso as faixas de transmissão e da boa pratica do Radioamdorismo e pela oredenção do espectro.

Contribuição N°: 43
ID da Contribuição: 84892
Autor da Contribuição: SERGIO BENEDITO
Data da Contribuição: 05/11/2018 20:57:32
Contribuição:

Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros. 

Justificativa:

 Eu sou contra a esta resolução onde descrimina um BW máximo  pois este item ira impossibilitar de que os radioamadores possam fazer   treinamento próprio, à intercomunicação e a investigações levadas a efeito por amadores devidamente autorizados, interessados na radiotécnica a título pessoal, que não visam qualquer objetivo pecuniário ou comercial Direito adiquirido pela Norma n 31/94 artigo 2 paragrafo 2.1.

Contribuição N°: 44
ID da Contribuição: 84897
Autor da Contribuição: LUCAS TESKE
Data da Contribuição: 06/11/2018 13:30:45
Contribuição:

Mudança da nota 2 para

Nota 2: A potência média EIRP para a faixa de 13 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

Justificativa:

O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres, defendo que o limite de 100W EIRP seja aplicado somente para enlaces terrestres.

Contribuição N°: 45
ID da Contribuição: 84911
Autor da Contribuição: Artur Moreira
Data da Contribuição: 06/11/2018 21:02:06
Contribuição:

Os equipamentos fabricados nos USA E JAPÃO SAI DE FÁBRICA COM 4 K DE BANDA OASANTE DE ÁUDIO  !!

Justificativa:

sou contra o estreitamento das frequências de áudio para SSB  temos que  ter  no mínimo 4K para SSB e 12 k para AM fora isso  impossível  usar equipamentos que são fabricados com banda PASANTE de ÁUDIO DE 4 K ESPERO QUE NÃO SEJA APROVADA ESTAS RESTRIÇÕES DE LARGURA DA BANDA ..GRATO 

Contribuição N°: 46
ID da Contribuição: 84922
Autor da Contribuição: JAIME DORNELES
Data da Contribuição: 07/11/2018 23:15:12
Contribuição:

Trata-se da faixa de 13cm.

B.3.19. Faixa dos 13 centímetros

O limite estabelecido de 100watts, inviabilizará enlaces por reflexão lunar(EME). Defendo que o limite de 100watts seja apenas para enlaces terrestres.

Sugiro o seguinte texto na Nota 2: A potencia média EIRP para a faixa de 13centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

 

 

Justificativa:

B.3.19. Faixa dos 13 centímetros

O limite estabelecido de 100watts, inviabilizará enlaces por reflexão lunar(EME). Defendo que o limite de 100watts seja apenas para enlaces terrestres.

Contribuição N°: 47
ID da Contribuição: 84943
Autor da Contribuição: FERNANDO LOURENCO DA CUNHA
Data da Contribuição: 10/11/2018 21:21:56
Contribuição:

1. SUGESTIONO EM VISTA A CONTRIBUIÇÃO A CONSULTA PUBLICA N.39 DE 5/10/18 QUE A FAIXA QUE COMPREENDE ENTRE 7040 A 7047 QUE CONSTA PARA TODAS AS CLASSES, QUE SEJA LIBERADA PARA FONIA SSB CONFORME TABELA ABAIXO.

B.3.6. Faixa dos 40 metros

Frequência (kHz)

BW (Hz)

CW

Fonia

 

 

Modos

Digitais

Demais

Modos

Aplicações e observações

Inicial

Final

(máxima)

 

SSB

AM

FM

DV

 

7000

7025

200

x

 

 

 

 

 

 

DX

7025

7040

200

x

 

 

 

 

 

 

 

7040

7047

500

x

x

 

 

 

x

 

 

7047

7050

500

x

 

 

 

 

x

 

ACDS

7050

7053

2700

x

x

 

 

x

x

x

ACDS

7053

7100

2700

x

x

 

 

x

x

x

 

7100

7300

2700

x

x

x

 

x

x

x

 

 

2. SEGUINDO COM A CONTRIBUIÇÃO, SUJESTIONO A EXISTENCIA DE FAIXAS DESTINADAS PARA IVG, AFIM DE EXPANDIR AS POSSIBILIDADES DE EXPLORAÇÕES E ESPERIMENTOS DE CUNHO PESSOAL, O QUAL SE PROPOE O SERVIÇO

  • ANEXO D

    RADIOFREQUÊNCIAS DE ESTAÇÕES IVG DO SERVIÇO DE RADIOAMADOR

     

    Tabela D.1

    Faixa de 50 MHz a 54 MHz

     

    FREQUÊNCIAS (MHz)

    52,015

    52,030

    52,045

    52,060

    52,075

    52,090

     

     

    Tabela D.2

    Faixa de 144 MHz a 148 MHz

     

    FREQUÊNCIAS (MHz)

    145,015

    145,030

    145,045

    145,060

    145,075

    145,090

    145,105

    145,120

    145,135

    145,150

    145,165

    145,180

    145,195

     

     

    Tabela D.3

    Faixa de 220 MHz a 225 MHz

     

    FREQUÊNCIAS (MHz)

    223,715

    223,730

    223,745

     

     

    Tabela D.4

    Faixa de 430 MHz a 440 MHz

     

    FREQUÊNCIAS (MHz)

    433,065

    433,080

    433,095

    433,110

    433,125

    433,140

     

  • Justificativa:

    EM RELAÇÃO AO ITÉM 1 E 2 DESCRITOS PELO CONTRIBUINTE DESTA CONSULTA PUBLICA, AFIRMO QUE TAIS MEDIDAS COMUMENTE COM AS DEMAIS JÁ PRESENTES NA CP, SERTÃO MOTIVADORAS PARA OS INTERESSADOSM E ASSIM, FORTALECENDO O PAÍS DE CIDADÕES QUE EM DESASTRES SE COLOCAM A DISPOSIÇÃO DAS AUTORIDADES PARA APOIO NAS COMUNICAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

    Contribuição N°: 48
    ID da Contribuição: 84954
    Autor da Contribuição: MARCIO VOLPATO DOS SANTOS
    Data da Contribuição: 13/11/2018 01:05:51
    Contribuição:

    Cara Agência Nacional de Telecomunicações,

    gostaria de contribuir com a seguinte sugestãoÇ

     

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Nota 2.

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres, defendo que o limite de 100W EIRP seja aplicado somente para enlaces terrestres. Desta forma, sugiro que o texto da Nota 2 seja mudado para:

    Nota 2: A potência média EIRP para a faixa de 13 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

    Justificativa:

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres, defendo que o limite de 100W EIRP seja aplicado somente para enlaces terrestres.

    Desde já agradeço o espaço para manifestação de minha contribuição.

    Marcio Volpato.

    Contribuição N°: 49
    ID da Contribuição: 84955
    Autor da Contribuição: ARTUR BAUM KRUSE
    Data da Contribuição: 13/11/2018 08:48:07
    Contribuição:

    Prezados,

    A respeito da consulta pública nº39, a qual sugere a mudança da largura de banda dos atuais 3,0 à 4,0 khz, para 2,7khz em SSB, venho respeitosamente discordar da proposta para o estreitamento de banda.

     

    Justificativa:

    Prezados,

    A respeito da consulta pública nº39, a qual sugere a mudança da largura de banda dos atuais 3,0 à 4,0 khz, para 2,7khz em SSB, venho respeitosamente discordar da proposta para o estreitamento de banda.

    É fato que na tecnologia digital a construção de filtros e de moduladores seja tecnicamente possível transmitir utilizando a nova largura de faixa proposta, resultando em grande eficiência espectral, no entanto em modulação analógica, onde se enquadram a quase totalidade dos equipamentos dos verdadeiros praticantes do radioamadorismo, é inviável a operação dos equipamentos em tão reduzida largura de banda.

    A essência do radioamadorismo está na construção, conservação e recuperação de equipamentos, com o desenvolvimento de novas tecnologias e dispositivos em convivência harmônica com os antigos, onde o apego em cada transmissor ou receptor é de inexplicável carinho, não sendo possível a comparação com o uso e descarte de eletrônicos domésticos comuns do dia a dia.

    A adoção de tal mudança, será um grande passo na extinção do radioamadorismo, ou na transformação de sua finalidade e perfil de seus aficionados.

    Espero que tal mudança seja reconsiderada, em nome de um importante serviço, onde seus usuários são credenciados, responsáveis e cumpridores das normas, com total dedicação e zelo pelo espectro.

    Contribuição N°: 50
    ID da Contribuição: 84956
    Autor da Contribuição: JOAO RIDEO YOKOYAMA
    Data da Contribuição: 13/11/2018 09:09:03
    Contribuição:

    Nas atribuições de modos de transmissão e larguras de bandas (BW), a ANATEL seguirá o disposto nas convenções e acordos internacionais e,

    o disposto no capitulo I § 1°, II e III da res. 671 de 03/11/2017, Regulamento de Uso do espectro de Radiofrequencias.

    Justificativa:

    Apesar de ser para o uso do Serviço de Radioamador, visando a racionalização de uso das faixas de maneira adequada, é interessante nortear por legislação aplicável a todos os serviços.

    No patamar de desenvolvimento da técnica, mesmo a titulo investigativo como o Serviço de Radioamador devem ser aplicados as regras de economicidade, racionalidade e adequada ocupação, evitando ocupações de largura de banda que não atendam às modernas técnicas de modulação.

    Hoje a premissa, pela quantidade de estações, caso não haja adequeação nos parÂmetros de largura de banda (BW) em pouco tempo as estações estarão se interferindo mutuamente pela ocupação excessiva de banda por modos adulterados como o SSB HIFI, que ocupam mais de 8 KHz de largura de banda (BW).

    Há que se observar também que desde a década de 70, equipamentos da faixa do cidadão já possuem limitação de BW em 2,7 KHz para SSB e 6KHz para AM.

    Essa BW é perfeitamente aplicável ao Serviço de radioamador, sendo que em competições internacionais e DX se utiliza adequadamente BW de até 1,8KHz.

    Contribuição N°: 51
    ID da Contribuição: 84960
    Autor da Contribuição: LUCIANO PROVAZIO ALVES
    Data da Contribuição: 13/11/2018 14:10:11
    Contribuição:

    eu não concordo , a  opinião de 1 ou 2  não nos representa todo nos radioamadores brasileiros, a largura de banda em mais de 20 anos de radioamadorismo nunca foi problema é sim a ética operacional de cada indivíduo. 

    Justificativa:

    eu não concordo 

    Contribuição N°: 52
    ID da Contribuição: 84961
    Autor da Contribuição: JOSE ROBERTO BENKE TASSINARI
    Data da Contribuição: 13/11/2018 18:31:39
    Contribuição:

    Sou contra

    Justificativa:

    O radioamadorismo, e praticado principalmente por experimentadores, e a limitação de banda vem contra os nossos experimentos, o pessoal que opera em AM e em SSB, vai ficar com um áudio horrível, com grande possibilidade de não superar o qrm. Vai dificultar e muito os DX e também a participação de contesrs. Por isso sou contra!!

    Contribuição N°: 53
    ID da Contribuição: 84962
    Autor da Contribuição: ENOS MARCOS DA MOTA BASTOS
    Data da Contribuição: 13/11/2018 23:29:54
    Contribuição:
  • Conquistar harmonia pela utilização espectral entre Nações e Continentes é vantajoso e saudável para todos uma vez que se otimiza e ao mesmo tempo minimiza-se interferências;
  •  

  • Os Radio Amadores Brasileiros que são “Rádio Operadores” se beneficiam de equipamentos sofisticados no tocante à estabilidade de frequências, definição rígidas de largura de banda de áudio, processadores especiais no canal de áudio, supressão suficientes em decibéis de sinais harmônicos e sinais espúrios, filtros de frequência intermediarias altamente seletivos, potencias médias e de picos Super definidas etc... ;
  •  

  • Os Radio Amadores Brasileiros que são “Rádio Experimentadores” são aqueles que ainda se valem da eletrônica básica e montam seus equipamentos receptores, transmissores, transistorizados, valvulados, experimentam vários tipos de microfones, sem ferramental adequado como realmente o Rádio Amador é em sua essência! A essência de experimentar! ;
  •  

  • É natural que o Rádio Amador não deve interferir em absolutamente nada e em absolutamente em nenhum outro tipo serviço de comunicação eletrônica. Cremos que o Rádio Amador Brasileiro é um Cidadão consciente quanto ao uso das faixas, sub faixas e suas modalidades de modulação que na sua maioria harmoniza-se muito bem!;
  •  

  • Sabemos que a atual proposta é Super - fundamentada na apresentada pela IARU (União Internacional de Radioamadores) -  Região 2. apoiada pela Labre Central (DF – Brasília) ;
  • Justificativa:

     

    Eu, Enos Marcos , sugiro uma revisão mais consistente desta proposta contida nesta Consulta Pública 39 uma vez que está “incompatível com a cultura radio amadorística” Brasileira!

     

    Por que:

  • Por que sabemos que que o SSB é AM Sem Portadora e Sem Uma Banda Lateral;
  • Por que definir uma banda de 2,7 KHZ requer um filtro bem projetado (com fase linear - preferencialmente!) e exclui naturalmente a maioria dos “Rádios Experimentadores”;
  • 2,7 KHz é definido como SSB de faixa estreita com uma inteligibilidade inferior ao  e-ssb ( extended single sideband ) presente em muitos equipamentos importados ;
  • A reserva para cada serviço ( modo de transmissão )  dentro de cada sub-banda desconsiderando o AM (Completo = Portadora + Duas Bandas Laterais) prejudica aos colegas Rádio Amadores e Experimentadores! Observo claramente no documento oficial da IARU um BW definido em menos de 3 KHz , ou seja , BW = 2,7 KHz só poderá ser para SSB Faixa Estreita e nunca para AM - DSB  !
     
  •  

    Enfim, sugiro que esta coluna que define largura de banda (BW = 2,7 KHz) seja excluída pois sepultaria de forma legal o Rádio Amadorismo Brasileiro! E, considerando este fato onde da dupla interpretação de BW para AM – DSB e AM – SSB, onde um DSB tem - se o dobro da largura de banda!

     

    Poderia sim, definir bandas sub bandas sem deixar o usuário radio amador enclausurado e escravizados aos parâmetros de alguns fabricantes em detrimento doutros e excluindo-se os experimentadores!

     

     Item:  Minuta de Ato

    AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

    Minuta de Ato

    O SUPERINTENDENTE DE OUTORGA E RECURSOS À PRESTAÇÃO - ANATEL, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 156 do Regimento Interno da Anatel, aprovado pela Resolução nº 612, de 29 de abril de 2013, e

    CONSIDERANDO a competência dada pelo Inciso VIII do art. 19 da Lei n.º 9.472/97 – Lei Geral de Telecomunicações;

    CONSIDERANDO a competência da Anatel de regular o uso eficiente e adequado do espectro, consoante o interesse público, de acordo com o disposto no art. 160 da Lei nº 9.472, de 1997;

    CONSIDERANDO o benefício para os radioamadores brasileiros em viabilizar a rádio experimentação e a operação em faixas de radiofrequência padronizadas internacionalmente;

    CONSIDERANDO o disposto no parágrafo único do art. 4º, combinado com o art. 7º do Regulamento Anexo a Resolução nº 697, de 28 de Agosto de 2018, que prevê que a Superintendência responsável pela administração do uso do espectro de radiofrequências emitirá Ato com as características básicas de emissão, as limitações específicas de potência, os planos de faixas com aplicações e demais especificações técnicas complementares;

    CONSIDERANDO o constante dos autos do processo nº 53500.026094/2016-48;

    R E S O L V E :

    Art. 1º Publicar a lista de características básicas de emissão para o Serviço de Radioamador, conforme o Anexo A deste Ato.

    Art. 2º Publicar o plano de faixas com aplicações do Serviço de Radioamador, conforme o Anexo B deste Ato.

    Art. 3º Publicar a canalização de radiofrequências para estações repetidoras de fonia do Serviço de Radioamador, conforme o Anexo C deste Ato.

    Art. 4º Publicar a canalização de radiofrequências para estações IVG do Serviço de Radioamador, conforme o Anexo D deste Ato.

    Art. 5º Este Ato entra em vigor na data de publicação de seu extrato no Diário Oficial da União.

    Contribuição N°: 54
    ID da Contribuição: 84778
    Autor da Contribuição: MARCELO RICARDO BOY
    Data da Contribuição: 31/10/2018 19:30:47
    Contribuição:

    Sou contra 

    Justificativa:

    Porque sou radiamador

    Contribuição N°: 55
    ID da Contribuição: 84780
    Autor da Contribuição: JERONIMO PACHECO DA SILVA
    Data da Contribuição: 31/10/2018 21:08:19
    Contribuição:

    faixa de espestro maxima 2.7khz

    Justificativa:

    Acima de 2.7khz  prejudica em muito quem esta proximo a frequencia

    Contribuição N°: 56
    ID da Contribuição: 84788
    Autor da Contribuição: ANDERSON RICARDO RAMALHO
    Data da Contribuição: 31/10/2018 22:29:39
    Contribuição:
    Justificativa:
    Contribuição N°: 57
    ID da Contribuição: 84820
    Autor da Contribuição: INALDO PEIXOTO COSTA
    Data da Contribuição: 02/11/2018 12:35:17
    Contribuição:

    Largura de banda somente 2,7khz de sinal em SSB.

    Justificativa:

    Esta largura impossibilita uma transmissão de boa qualidade e também desqualifica muitos equipamentos de uso do radioamador que utilizam larguras de 3,0khz a 4,0khz, 

    Contribuição N°: 58
    ID da Contribuição: 84842
    Autor da Contribuição: LUIZ ANTONIO LOPES
    Data da Contribuição: 02/11/2018 22:17:06
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque, esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.
     

    Justificativa:

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

     A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    Contribuição N°: 59
    ID da Contribuição: 84862
    Autor da Contribuição: JOSE ATHAIR MARQUES DO AMARAL
    Data da Contribuição: 03/11/2018 19:47:50
    Contribuição:

    A  não alteração da largura de banda conforme está informada de 2,7khz de sinal em SSB

    Justificativa:

    Porque esta largura impossibilitara uma transmissão de boa qualidade e também acabara desqualificando muitos equipamentos de uso radioamador que utilizam larguras de 3,0khz a 4,0khz pelo fato de ser produzidos ha alguns anos atraz.

    Contribuição N°: 60
    ID da Contribuição: 84888
    Autor da Contribuição: Fabio Franceschini
    Data da Contribuição: 05/11/2018 13:26:20
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Justificativa:

    As justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

     Item:  ANEXO A

    Características básicas de emissão para o Serviço de Radioamador

    Encontram-se, a seguir, as aplicações específicas do Serviço de Radioamador e suas respectivas características básicas de emissão:

     

    A.1. Teste – emissões que não contêm informação, cujas características básicas são:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    N0N

    Portadora pura sem modulação

    Ausência de modulação.

    Ausência de modulação

     

    A.2. CW – transmissões telegráficas do código internacional Morse com interrupção de portadora com as seguintes características básicas:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    A1A

    Faixa lateral dupla

    Canal único. Informação quantificada ou digital sem subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção auditiva

    J2A

    Faixa Lateral Única portadora suprimida

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção auditiva

     

    A.3. Teletipo AM – Transmissão de telegrafia para recepção automática em modulação por amplitude:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    A1C

    Faixa lateral dupla

    Canal único. Informação quantificada ou digital sem subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção automática

    A2B

    Faixa lateral dupla

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção automática

     

    A.4. Teletipo FM ou PM - Transmissão de telegrafia para recepção automática em modulação por frequência ou fase:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    G1B

    Fase

    Canal único. Informação quantificada ou digital sem subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção automática

    G2B

    Fase

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção automática

    F1B

    Frequência

    Canal único. Informação quantificada ou digital sem subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção automática

    F2B

    Frequência

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção automática

     

    A.5. Teletipo SSB - Transmissão de telegrafia para recepção automática em modulação por amplitude banda lateral única:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    J2B

    Faixa Lateral Única portadora suprimida

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção automática

     

    A.6. Fonia AM – Transmissão de telefonia em modulação de amplitude:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    A3E

    Faixa lateral dupla

    Canal único. Informação analógica

    Telefonia

    H3E

    Faixa Lateral Única portadora completa

    Canal único. Informação analógica

    Telefonia

    R3E

    Faixa lateral única portadora reduzida ou de nível variável

    Canal único. Informação analógica

    Telefonia

     

    A.7. Fonia FM / PM - Transmissão de telefonia em modulação de fase ou frequência:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    G3E

    Fase

    Canal único. Informação analógica

    Telefonia

    F3E

    Frequência

    Canal único. Informação analógica

    Telefonia

     

    A.8. Fonia SSB - Transmissão de telefonia em modulação de amplitude faixa lateral única:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    J3E

    Faixa Lateral Única portadora suprimida

    Canal único. Informação analógica

    Telefonia

     

    A.9. Morse AM - Morse em modulação AM com a finalidade de identificação da estação ou prática de telegrafia, é tratado como Fonia AM:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    A2A

    Faixa lateral dupla

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção auditiva

     

    A.10. Morse FM ou PM – Morse em modulação FM ou PM com a finalidade de identificação da estação ou prática de telegrafia, é tratado como Fonia FM ou PM. Transmissões telegráficas do código internacional Morse em modulação de fase ou frequência:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    G2A

    Fase

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção auditiva

    F2A

    Frequência

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Telegrafia para recepção auditiva

     

    A.11. Fonia digital – Transmissão de telefonia digital em modulação de fase ou frequência, cujos tipos de emissão são:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    G7E

    Fase

    Dois ou mais canais com informação quantificada ou digital

     

    Telefonia

    F7E

    Frequência

    Dois ou mais canais com informação quantificada ou digital

     

    Telefonia

    J2E

    Faixa Lateral Única portadora suprimida

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Telefonia

     

    A.12. Dados AM – Transmissão de dados em modulação de amplitude, cujo tipo de emissão é:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    A2D

    Faixa lateral dupla

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Dados

     

    A.13. Dados FM ou PM - Transmissão de dados em modulação de frequência ou fase, cujos tipos de emissão são:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    F1D

    Frequência

    Canal único. Informação quantificada ou digital sem subportadora moduladora.

    Dados

    F2D

    Frequência

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Dados

    G1D

    Fase

    Canal único. Informação quantificada ou digital sem subportadora moduladora.

    Dados

    G2D

    Fase

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Dados

     

    A.14. Dados SSB - Transmissão de dados em modulação de amplitude faixa lateral única portadora suprimida, cujo tipo de emissão é:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    J2D

    Faixa Lateral Única portadora suprimida

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Dados

     

    A.15. Fac símile AM - Transmissão de Fac-símile em modulação de amplitude, cujo tipo de emissão é:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    A2C

    Faixa lateral dupla

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Fac-símile

     

    A.16. Fac-símile FM ou PM - Transmissão de Fac-símile em modulação de amplitude, cujos tipos de emissão são:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    G1C

    Fase

    Canal único. Informação quantificada ou digital sem subportadora moduladora.

    Fac-símile

    G2C

    Fase

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Fac-símile

    G3C

    Fase

    Canal único. Informação analógica

    Fac-símile

    F1C

    Frequência

    Canal único. Informação quantificada ou digital sem subportadora moduladora.

    Fac-símile

    F2C

    Frequência

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Fac-símile

    F3C

    Frequência

    Canal único. Informação analógica

    Fac-símile

     

    A.17. Fac-símile SSB – Transmissão de Fac-símile em modulação de amplitude faixa lateral única portadora suprimida, cujos tipos de emissão são:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    R3C

    Faixa lateral única portadora reduzida ou de nível variável

    Canal único. Informação analógica

    Fac-símile

    J2C

    Faixa Lateral Única portadora suprimida

    Canal único. Informação quantificada ou digital com subportadora moduladora.

    Fac-símile

    J3C

    Faixa Lateral Única portadora suprimida

    Canal único. Informação analógica

    Fac-símile

     

    A.18. SSTV SSB – Transmissão de televisão de varredura lenta em modulação de amplitude faixa lateral única, cujos tipos de emissão são:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    R3F

    Faixa lateral única portadora reduzida ou de nível variável

    Canal único. Informação analógica

    Vídeo

    J3F

    Faixa Lateral Única portadora suprimida

    Canal único. Informação analógica

    Vídeo

     

    A.19. FSTV AM – Transmissão de televisão de varredura rápida em modulação de amplitude, cujo tipo de emissão é:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    A3F

    Faixa lateral dupla

    Canal único. Informação analógica

    Vídeo

     

    A.20. FSTV FM – Transmissão de televisão de varredura rápida em modulação de frequência, cujo tipo de emissão é:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    F3F

    Frequência

    Canal único. Informação analógica

    Vídeo

     

    A.21. FSTV SSB – Transmissão de televisão de varredura rápida em modulação de amplitude banda lateral única, cujo tipo de emissão é:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    C3F

    Faixa Lateral Vestigial

    Canal único. Informação analógica

    Vídeo

     

    A.22. Modos Experimentais – Transmissão em modos experimentais, cujos tipos de emissão são:

    Emissão

    Tipo de Modulação

    Natureza do Sinal

    Tipo de Informação

    W7D

    Combinação de modos, amplitude ângulo ou pulso

    Dois canais. Informação quantificada ou digital

    Dados

    C3W

    Faixa Lateral Vestigial

    Canal único. Informação analógica

    Combinação de procedimentos diversos

    X9D

    Casos não previstos nas denominações anteriores

    Sistema composto com um ou mais canais contendo informação digital ou quantizada, junto com um ou mais canais contendo informação analógica

    Transmissão de dados, telemetria e telecomando

     

    Contribuição N°: 61
    ID da Contribuição: 84748
    Autor da Contribuição: ROBERTO DE LIMA VIEIRA COSTA
    Data da Contribuição: 31/10/2018 12:01:45
    Contribuição:

    Escrito abaixo

    Justificativa:

    Sou operador assíduo de amplitude modulada,a nata do radioamadorismo se encontra no AM,pessoas que gostam das montagens e experimentos.
    Com a banda reduzida para 2,7 khz

    Sou operador assíduo de amplitude modulada,a nata do radioamadorismo se encontra no AM,pessoas que gostam das montagens e experimentos.
    Com a banda reduzida para 2,7 khz é impossível fazer um transmissor em AM,vamos lá pessoal,vamos entender um pouco sobre largura de banda pra não cometer injustiça com nós radioamadores.

    Sem mais,Roberto de lima vieira costa PY2RV

     

    Contribuição N°: 62
    ID da Contribuição: 84781
    Autor da Contribuição: JERONIMO PACHECO DA SILVA
    Data da Contribuição: 31/10/2018 21:10:45
    Contribuição:

    Minha opiniao é que nunca ultrapasse  a 2.7 khz

    Justificativa:

    Acima de 2.7 khz so vai atrapalhar outras estações proximas

    Contribuição N°: 63
    ID da Contribuição: 84789
    Autor da Contribuição: ANDERSON RICARDO RAMALHO
    Data da Contribuição: 31/10/2018 22:29:39
    Contribuição:

    Deve se manter a atual largura de banda máxima permitida para todos os modos de emissão.

    Justificativa:

    Aderência às novas tecnologias de radiocomunicação que estão sendo lançadas a nível mundial.

    Contribuição N°: 64
    ID da Contribuição: 84799
    Autor da Contribuição: CARLOS ALBERTO DE OLIVEIRA
    Data da Contribuição: 01/11/2018 12:35:56
    Contribuição:

    Não concordo com a nova legislação.

    Justificativa:

    Ficar do geito que está.

    Contribuição N°: 65
    ID da Contribuição: 84841
    Autor da Contribuição: AUGUSTO CESAR PAIM FERREIRA
    Data da Contribuição: 02/11/2018 20:30:29
    Contribuição:

    Gostaria de sugerir que a BW seja permitida numa faixa mínima de 4 ou 5 kHz, e não de 2,7 kHz conforme sugestão da ANATEL, para o uso da modaliade hi-fi no radioamadorismo brasileiro.

    Justificativa:

    Minha sugestão é no sentido de que a BW, sugerida pela ANATEL em 2,7 kHz, seja liberada para um patamar maior, algo entre 4 e 5 kHz pois, atualmente, uma das modalidades do radioamadorismo é justamente a transmissão em "HI-FI", onde utilizamos microfones de estúdio, mesas de som, módulos para tratamento de áudio, equalizadores, etc. e, com uma faixa de apenas 2,7 kHz, isso fica absolutamente inviabilizado.

    Levando-se em consideração a baixa utilização das faixas atualmente, este aumento não traria nenhum tipo de problema no sentido de uma estação espalhar sinais em cima de outras.

    Obrigado

    Contribuição N°: 66
    ID da Contribuição: 84951
    Autor da Contribuição: JULIBIO DAVID ARDIGO
    Data da Contribuição: 12/11/2018 21:34:07
    Contribuição:

    Supressão do anexo A

    Justificativa:

    A destinação de aplicações e largura de banda (Anexo B) já é suficiente para atender a padronização internacional e permitir a experimentação, como explicitado nos “Considerandos da Resolução nº 697, de 28 de agosto de 2018”. O Anexo A, embora bem elaborado, detalha de forma excessiva os modos de transmissão, gerando demanda de fiscalização e dificultando a rádio experimentação.

     Item:  ANEXO B

    Plano de Faixas com Aplicações do Serviço de Radioamador

     

    B.1. Definições

    1. ACDS (Automatic Controlled Data Stations): Estações de operação automática em Modos Digitais. ACDS, quando citadas no Plano de Faixas, não se aplicam às Repetidoras de Voz Digital e IVG. Exemplos de ACDS: Digipeaters, Nodes, Gateways, APRS, WSPR, ALE, AMTOR, PACTOR.

    2. AM (Amplitude Modulada): Modo de emissão que representa comunicação em Fonia AM analógica. Suas características estão elencadas no Item A.6 do Anexo A. O modo AM, conforme citado no Plano de Faixas, não é válido para Modos Digitais e Voz Digital.

    3. Aplicação: Utilização prioritária da subfaixa, respeitando a máxima faixa passante e modo de emissão destinado à subfaixa. As aplicações especificadas de uso “exclusivo” restringem o uso da subfaixa apenas à aplicação citada.

    4. Aplicações de Banda Larga: Exemplos SS (Spread Spectrum), HSMM (High Speed Multimedia), Protocolos 802.11.

    5. BW (Bandwidth): Faixa ou banda passante máxima que determina a máxima ocupação espectral dos modos de emissão autorizados na subfaixa (baseado nos pontos do decaimento da portadora em -6 dB). Sua especificação é Hz, exceto quando discriminada diferentemente (em kHz ou MHz) no campo “BW” da respectiva subfaixa.

    6. CW (Continuous Wave): Modo de emissão telegráfica do código internacional Morse com interrupção de portadora, sendo suas características técnicas as elencadas no Item A.2 do Anexo A. O modo CW, conforme citado no Plano de Faixas, não é válido para Morse AM ou Morse FM/PM.

    7. Demais Modos: Modos de emissão destinados a Morse AM, Morse FM/PM, modos experimentais e modos para transmissão de imagem analógica ou digital (exemplos: FSTV, ATV, SSTV, FAX). Suas características técnicas estão elencadas nos itens A.9. A.10, A.15, A.16, A.17, A.18, A.19, A.20, A.21, A.22 do Anexo A.

    8. DV (Digital Voice): Modos de emissão que representam comunicações de Fonia Digital, Item A.11 do Anexo A.

    9. FM (Frequência Modulada): Modo de emissão que representa comunicação em Fonia FM analógica. Suas características estão elencadas no Item A.7 do Anexo A. O modo FM, conforme citado no Plano de Faixas, não é válido para Modos Digitais e Voz Digital.

    10. IBP (International Beacon Project): Subfaixa específica para operação das estações participantes do Projeto Internacional de Emissões Piloto.

    11. IVG (Internet Voice Gateway): Estação que viabiliza transmissão de voz pela Internet por meio de VoIP e sistemas correlatos em frequência simplex.

    12. Modos Digitais: Modos de emissão que representam comunicações de Dados e Teletipos Digitais, Itens A.3, A.4, A.5, A.12, A.13 e A.14 do Anexo A. Exemplos de Modos Digitais: RTTY, PSK, FSK.

    13. SSB (Single Side Band): Modo de emissão que representa comunicação em Fonia SSB analógica. Suas características estão elencadas no Item A.8 do Anexo A. O modo SSB, conforme citado no Plano de Faixas, não é válido para Modos Digitais e Voz Digital.

     

    B.2. Observações

    1. São autorizados enlaces ponto a ponto em todas as faixas do plano do Serviço de Radioamador, exceto nas bandas de guarda e subfaixas com aplicação exclusiva, desde que respeitados os modos de emissão e a máxima largura de faixa (BW) previstos nos respectivos segmentos e frequências, sem causar interferências nas aplicações prioritárias.

    2. Quando o modo AM for autorizado numa subfaixa com BW menor que 6 kHz, é permitida como exceção a utilização deste modo de emissão com no máximo 6 kHz de BW.

    3. Para as operações em Fonia SSB em faixas acima de 10 MHz é indicada operação em faixa lateral suprimida superior (USB), e abaixo de 10 MHz é indicada operação em faixa lateral suprimida inferior (LSB). Exceção: Em 60 m (5,3 MHz) é indicada operação em faixa lateral suprimida superior (USB).

    4. As comunicações emergenciais desenvolvidas pelas estações do Serviço de Radioamador são prioritárias sobre as demais aplicações do serviço.

    5. As Emissões Piloto terrestres deverão operar somente nas subfaixas especificadas para esta aplicação, respeitando as especificações das respectivas subfaixas.

    6. As estações brasileiras participantes de redes internacionais de modos digitais voltadas para estudos de rádio propagação em frequência nominal única deverão seguir orientações referentes a ACDS.

    7. As estações ACDS, em faixas abaixo dos 5 GHz, poderão operar somente nas subfaixas especificadas no Plano de Bandas para esta aplicação, enquanto que, em faixas acima dos 5 GHz, poderão operar em todas as subfaixas, exceto naquelas definidas com aplicação exclusiva, frequências de chamada e bandas de guarda, desde que respeitados os modos de emissão e a máxima largura de faixa (BW), sem causar interferências nas aplicações prioritárias e enlaces ponto a ponto.

    8. As estações ACDS, quando alocadas no mesmo segmento de Emissão Piloto, deverão operar apenas como emissão piloto digitais.

    9. Repetidoras de Fonia e Estações IVG deverão, além de operar somente nas subfaixas especificadas no Plano de Bandas para estas aplicações, seguir as canalizações de frequências dos Anexos C e D, respectivamente.

    10. Nos Modos Digitais e Voz Digital não é permitida a criptografia.

    11. A técnica de salto em frequência ou de espalhamento espectral não é permitida em faixas abaixo de 440 MHz.

    12. As estações temporárias localizadas no espaço próximo (Near Space Station, por exemplo, equipamentos em balões estratosféricos) poderão transmitir em todas as faixas, exceto naquelas definidas com aplicação exclusiva, frequências de chamada e bandas de guarda, desde que respeitados os modos de emissão e a máxima largura de faixa (BW), sem causar interferências nas aplicações prioritárias e enlaces ponto a ponto.

     

    B.3. Plano de Faixas

     

    B.3.1. Faixa dos 2200 metros

     

    Frequências (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    135,7

    137,8

    200

    x

     

     

     

     

    x

     

    (Nota 1)

     

    Nota 1: ACDS pode ser utilizado com cautela desde que não exceda a máxima faixa passante especificada para o segmento e não cause interferências em comunicações ponto a ponto e DX.

     

    B.3.2. Faixa dos 630 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    472

    479

     500

    x

     

     

     

     

    x

     

    (Nota 1)

     

    Nota 1: ACDS pode ser utilizado com cautela desde que não exceda a máxima faixa passante especificada para o segmento e não cause interferências em comunicações ponto a ponto e DX.

     

    B.3.3. Faixa dos 160 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    1800

    1810

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    1810

    1830

    200

    x

     

     

     

     

     

     

     

    1830

    1839

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    DX

    1839

    1840

    200

    x

     

     

     

     

    x

     

    DX (Nota 1)

    1840

    1843

    2700

    x

    x

     

     

     

    x

     

    DX (Nota 2)

    1843

    1850

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    DX

    1850

    2000

    2700

    x

    x

    x

     

    x

    x

    x

     

     

    Nota 1: ACDS pode ser utilizado com cautela desde que não exceda a máxima faixa passante especificada para o segmento e não cause interferências em comunicações ponto a ponto e DX.

     

    Nota 2: Neste segmento em Modos Digitais utilizar máximo BW de 200 Hz.

     

    B.3.4. Faixa dos 80 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    3500

    3510

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    DX

    3510

    3570

    200

    x

     

     

     

     

     

     

     

    3570

    3580

    200

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    3580

    3590

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    3590

    3600

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    3600

    3625

    2700

    x

    x

    x

     

    x

    x

    x

    ACDS

    3625

    3775

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

    3775

    3800

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    DX

    3800

    3875

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

    3875

    3900

    2700

    x

    x

    x

     

    x

    x

    x

     

    3900

    4000

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

     

    B.3.5. Faixa dos 60 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    5351,5

    5354

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    5354

    5366

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    DX

    5366

    5366,5

    20

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

     

    B.3.6. Faixa dos 40 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    7000

    7025

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    DX

    7025

    7040

    200

    x

     

     

     

     

     

     

     

    7040

    7047

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    7047

    7050

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    7050

    7053

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    ACDS

    7053

    7100

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

    7100

    7300

    2700

    x

    x

    x

     

    x

    x

    x

     

     

    B.3.7. Faixa dos 30 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    10100

    10130

    200

    x

     

     

     

     

     

     

     

    10130

    10140

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    10140

    10150

    2700

    x

     

     

     

     

    x

     

     

     

    B.3.8. Faixa dos 20 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    14000

    14025

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    DX

    14025

    14070

    200

    x

     

     

     

     

     

     

     

    14070

    14089

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    14089

    14099

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    14099

    14101

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    IBP (exclusivo)

    14101

    14112

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    ACDS

    14112

    14190

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

    14190

    14200

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    DX em SSB

    14200

    14285

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

    14285

    14300

    2700

    x

    x

    x

     

    x

    x

    x

     

    14300

    14350

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

     

    B.3.9. Faixa dos 17 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    18068

    18095

    200

    x

     

     

     

     

     

     

     

    18095

    18105

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    18105

    18190

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    18190

    18111

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    IBP (exclusivo)

    18111

    18120

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    ACDS

    18120

    18168

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

     

    B.3.10. Faixa dos 15 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    21000

    21070

    200

    x

     

     

     

     

     

     

     

    21070

    21090

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    21090

    21110

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    21110

    21120

    2700

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    21120

    21149

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    21149

    21151

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    IBP (exclusivo)

    21151

    21380

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

    21380

    21450

    2700

    x

    x

    x

     

    x

    x

    x

     

     

    B.3.11. Faixa dos 12 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    24890

    24915

    200

    x

     

     

     

     

     

     

     

    24915

    24925

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    24925

    24929

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    24929

    24931

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    IBP (exclusivo)

    24931

    24940

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    ACDS

    24940

    24990

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

     

    B.3.12. Faixa dos 10 metros

     

    Frequência (kHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    28000

    28070

    200

    x

     

     

     

     

     

     

     

    28070

    28120

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    28120

    28150

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    28150

    28190

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    28190

    28199

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    Emissões Piloto

    28199

    28201

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    IBP (exclusivo)

    28201

    28225

    200

    x

     

     

     

     

     

     

    Emissões Piloto

    28225

    28300

    2700

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto

    28300

    28320

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    ACDS

    28320

    29000

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

     

    29000

    29200

    6000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    AM

    29200

    29300

    6000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    ACDS

    29300

    29510

    6000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites

    29510

    29520

     

     

     

     

     

     

     

     

    Banda de guarda

    29520

    29590

    6000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Entradas de repetidoras (saídas +100 kHz) (exclusivo)

    29590

    29620

    6000

    x

     

     

    x

    x

     

     

    Frequência de chamada FM: 29600 kHz

    29620

    29700

    6000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Saídas de repetidoras (entradas -100 kHz) (exclusivo)

     

    B.3.13. Faixa dos 6 metros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    50,000

    50,100

    500

    x

     

     

     

     

     

     

    Emissões Piloto

    50,100

    50,125

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    DX. Frequência de chamada: 50,110 MHz

    50,125

    50,400

    2700

    x

    x

     

     

     

    x

     

     

    50,400

    50,500

    2700

    x

    x

    x

     

    x

    x

    x

    Emissões Piloto, ACDS

    50,500

    50,600

    2700

    x

    x

    x

     

    x

    x

    x

    ACDS

    50,600

    50,800

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    ACDS

    50,800

    51,000

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    51,000

    51,110

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    DX

    51,110

    51,500

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Entradas de repetidoras (saídas +500 kHz) (exclusivo)

    51,500

    51,610

    12000

    x

     

     

    x

    x

     

     

     

    51,610

    52,000

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Saídas de repetidoras (entradas -500 kHz) (exclusivo)

    52,000

    52,100

    12000

    x

     

     

    x

    x

     

     

    IVG

    52,100

    54,000

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

     

    B.3.14. Faixa dos 2 metros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Demais

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

    Digitais

    Modos

     

    144,000

    144,025

    2700

    x

     

     

     

     

     

     

    Satélites (Nota 1)

    144,025

    144,110

    500

    x

     

     

     

     

     

     

    Reflexão Lunar, DX

    144,110

    144,150

    2700

    x

     

     

     

     

    x

     

    Reflexão Lunar, DX

    144,150

    144,180

    2700

    x

    x

     

     

     

    x

     

    DX

    144,180

    144,275

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    DX. Frequência de chamada: 144,2 MHz

    144,275

    144,300

    500

    x

     

     

     

     

     

     

    Emissões Piloto

    144,300

    144,360

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    Frequência de chamada: 144,3 MHz

    144,360

    144,400

    12000

    x

    x

     

     

     

    x

     

    ACDS

    144,400

    144,500

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto, ACDS (Nota 2)

    144,500

    144,600

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     x

     

    144,600

    144,900

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Entradas de Repetidoras (saídas +600 kHz) (exclusivo)

    144,900

    145,000

    12000

    x

     

     

    x

    x

     

     

    DX

    145,000

    145,100

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    ACDS, IVG

    145,100

    145,200

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    IVG

    145,200

    145,500

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Saídas de Repetidoras (entradas -600 kHz) (exclusivo)

    145,500

    145,565

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    145,565

    145,575

    12000

     

     

     

     

     

    x

     

    ACDS (APRS)

    145,575

    145,790

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    145,790

    145,800

     

     

     

     

     

     

     

     

    Banda de guarda

    145,800

    146,000

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites (exclusivo)

    146,000

    146,390

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Entradas de Repetidoras (saídas +600 kHz) (exclusivo)

    146,390

    146,600

    12000

    x

     

     

    x

    x

     

     

    Frequência de chamada FM: 146,520 MHz

    146,600

    146,990

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Saídas de Repetidoras (entradas -600 kHz) (exclusivo)

    146,990

    147,400

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Saídas de Repetidoras (entradas +600 kHz) (exclusivo)

    147,400

    147,590

    12000

    x

     

     

    x

    x

     

     

     

    147,590

    148,000

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Entradas de Repetidoras (saídas -600 kHz) (exclusivo)

     

    Nota 1: São autorizados todos os modos e faixas passantes exigidos para estabelecimento da comunicação espacial nesta subfaixa. Desenvolvedores e operadores de satélites devem evitar transmissão abaixo de 144,0025 MHz.

    Nota 2: A frequência de 144,490 MHz poderá ser eventualmente utilizada para uplink com a Estação Espacial Internacional (ISS). São autorizados todos os modos e faixas passantes exigidos para estabelecimento desta comunicação espacial.

     

    B.3.15. Faixa de 1,3 metro

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Demais

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

    Digitais

    Modos

     

    220,000

    222,000

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    ACDS

    222,000

    222,050

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    Reflexão Lunar, DX

    222,050

    222,060

    500

    x

     

     

     

     

     

     

    Emissões Piloto

    222,060

    222,070

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto, ACDS

    222,070

    222,100

    2700

    x

    x

     

     

     

    x

     

    DX. Frequência de chamada: 222,100 MHz

    222,100

    222,150

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    DX

    222,150

    222,250

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

     

    222,250

    223,400

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Entradas de Repetidoras (saídas +1600 kHz) (exclusivo)

    223,400

    223,520

    12000

    x

     

     

    x

    x

     

     

     

    223,520

    223,640

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    ACDS

    223,640

    223,700

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    ACDS, links e controles auxiliares de repetidoras.

    223,700

    223,750

    12000

    x

     

     

    x

    x

    x

     

    ACDS, IVG

    223,750

    223,850

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    223,850

    225,000

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Saídas de Repetidoras (entradas -16600 kHz) (exclusivo)

     

    B.3.16. Faixa de 70 centímetros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    430,000

    432,000

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    432,000

    432,025

    500

    x

     

     

     

     

     

     

    Reflexão Lunar

    432,025

    432,100

    2700

    x

     

     

     

     

    x

     

    Reflexão Lunar, DX

    432,100

    432,300

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    DX. Frequência de chamada: 432,100 MHz

    432,300

    432,400

    500

    x

     

     

     

     

     

     

    Emissões Piloto

    432,400

    432,420

    2700

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto, ACDS

    432,420

    433,000

    2700

    x

    x

     

     

     

    x

     

     

    433,000

    433,050

    12000

    x

     

     

     

     

    x

     

    ACDS

    433,050

    433,150

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    IVG

    433,150

    434,000

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    434,000

    435,000

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Entradas de Repetidoras (saídas +5 MHz) (exclusivo)

    435,000

    438,000

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites (exclusivo)

    438,000

    439,000

    12000

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    439,000

    440,000

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Saídas de Repetidoras (entradas -5 MHz) (exclusivo)

     

    B.3.17. Faixa dos 33 centímetros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    902,000

    902,075

    2700

    x

     

     

     

     

     

     

    Reflexão Lunar

    902,075

    902,125

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    DX. Frequência de Chamada: 902,1 MHz

    902,125

    903,000

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Entradas de Repetidoras (saídas +25 MHz) (exclusivo)

    903,000

    903,100

    2700

    x

    x

     

     

     

    x

     

    DX, Emissões Piloto, ACDS

    903,100

    903,400

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    DX. Frequência de Chamada: 903,1 MHz

    903,400

    907,500

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    915,000

    927,000

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Banda Larga, ATV, DAT, SS

    927,000

    927,125

    12000

    x

     

     

    x

    x

     

     

     

    927,125

    928,000

    12000

     

     

     

    x

    x

     

     

    Saídas de Repetidoras (entradas -25 MHz) (exclusivo)

     

    B.3.18. Faixa dos 23 centímetros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    1240

    1246

     

    x

     

     

     

     

     

    x

    FSTV, ATV Canal 1

    1246

    1248

    20 kHz

     

     

     

    x

    x

     

     

    Links pareados com o segmento de 1258-1260 MHz

    1248

    1252

    20 kHz

    x

     

     

     

     

    x

     

     

    1252

    1258

     

    x

     

     

     

     

     

    x

    FSTV, ATV Canal 2

    1258

    1260

    20 kHz

     

     

     

    x

    x

     

     

    Links pareados com segmento de 1246-1248 MHz

    1260

    1270

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites, Experimentais, simplex ATV

    1270

    1276

    20 kHz

     

     

     

    x

    x

     

     

    Entradas de Repetidoras (saídas +12 kHz) (exclusivo)

    1276

    1282

     

    x

     

     

     

     

     

    x

    FSTV, ATV Canal 3

    1282

    1288

    20 kHz

     

     

     

    x

    x

     

     

    Saídas de Repetidoras (entradas -12 kHz) (exclusivo)

    1288

    1294

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Banda Larga, Experimentais, ATV Simplex

    1294

    1295

    20 kHz

    x

     

     

    x

    x

     

     

    Frequência de Chamada FM: 1294,5 MHz

    1295

    1295,8

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Imagem de Banda Estreita, Experimentais.

    1295,800

    1296,080

    2700

    x

    x

     

     

     

    x

     

    DX, Reflexão Lunar

    1296,080

    1296,200

    2700

    x

    x

     

     

     

     

     

    DX. Frequência de Chamada: 1296,1 MHz

    1296,2

    1296,4

    500

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto, ACDS

    1296,4

    1297

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    Banda Estreita

    1297

    1300

    150 kHz

    x

     

     

     

     

    x

     

     

     

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    2300

    2303

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, inclusive Full Duplex, pareado com 2390-2393 MHz. Nota 2.

    2303

    2303,75

    50 kHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, pareado com 2393-2393,75 MHz. Nota 2.

    2303,75

    2304

    3000

    x

    x

     

     

     

    x

     

    DX

    2304

    2304,1

    3000

    x

    x

     

     

     

    x

     

    Reflexão Lunar, DX, Nota 2.

    2304,1

    2304,3

    3000

    x

     

     

     

     

    x

     

    DX. Frequência de Chamada: 2304,1 MHz. Nota 2.

    2304,3

    2304,4

    3000

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto, ACDS, Nota 2.

    2304,4

    2304,75

    6000

    x

    x

     

    x

     

    x

     

    DX

    2304,75

    2305

    50 kHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, pareado com 2394,75-2395 MHz. Nota 2.

    2305

    2310

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, pareado com 2395-2400 MHz. Nota 2.

    2310

    2390

    20 kHz

    x

     

     

    x

    x

     

     

     Nota 2.

    2390

    2393

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, inclusive Full Duplex, pareado com 2300-2303 MHz. Nota 2.

    2393

    2393,75

    50 kHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, pareado com 2303-2303,75 MHz. Nota 2.

    2393,75

    2394,75

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Experimentais. Nota 2.

    2394,75

    2395

    50 kHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, pareado com 2304,75-2305 MHz. Nota 2.

    2395

    2400

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, pareado com 2305-2310 MHz. Nota 2.

    2400

    2450

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites. (Nota 1 e Nota 2)

     

    Nota 1: O segmento entre 2410-2450 MHz poderá ser utilizado também para aplicações de banda larga com máximo de 22 MHz de faixa passante (BW) desde que não cause interferências nas comunicações espaciais.

    Nota 2: A potência média na saída do transmissor e a EIRP para a faixa de 13 centímetros ficam limitadas a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

     

    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    3300

    3309

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, inclusive Full Duplex, pareado com 3430-3439 MHz (Split de 130 MHz)

    3309

    3310

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Experimentais

    3310

    3330

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, inclusive Full Duplex, pareado com 3410-3430 MHz (Split de 100 MHz)

    3330

    3332

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Experimentais

    3332

    3339

     

     

     

     

     

     

     

     

    Banda de guarda

    3339

    3345,8

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, inclusive Full Duplex, pareado com 3439-3445,8 MHz (Split de 100 MHz)

    3345,8

    3352,5

     

     

     

     

     

     

     

     

    Banda de guarda

    3352,5

    3355

    200 kHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, inclusive Full Duplex, pareado com 3452,5-3445 MHz (Split de 100 MHz)

    3355

    3357

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Experimentais

    3357

    3360

    50 kHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógico e digital, inclusive Full Duplex, pareado com 3457-3460 MHz

    3360

    3400

    22 MHz

    x

     

     

     

     

    x

    x

    Aplicações de Banda Larga, ATV (3360-3380 MHz)

    3400

    3400,3

    3000

    x

    x

     

     

     

    x

     

    Reflexão Lunar, Satélites. (Notas 1 e 2).

    3400,3

    3401

    3000

    x

    x

     

     

     

    x

     

    DX, Satélites. (Notas 1 e 2)

    3401

    3410

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites. (Nota 2)

    3410

    3430

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógicos e digitais, incluindo Full Duplex, pareado com 3310-3333 MHz (Split de 100 MHz). (Nota 2)

    3430

    3439

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógicos e digitais, incluindo Full Duplex, pareado com 3300-3309 MHz (Split de 130 MHz). (Nota 2)

    3439

    3445,8

    1 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógicos e digitais, incluindo Full Duplex, pareado com 3339-3345,8 MHz (Split de 100 MHz). (Nota 2)

    3445,8

    3452,5

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Experimentais. (Nota 2)

    3452,5

    3455

    200 kHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógicos e digitais, incluindo Full Duplex, pareado com 3352,5-3355 MHz (Split de 100 MHz). (Nota 2)

    3455

    3455,5

    100 kHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Transponder linear de banda cruzada (entrada ou saída). (Nota 2)

    3455,5

    3456,3

    6000

    x

    x

     

    x

     

    x

     

    DX. Frequência de Chamada: 3456,1 MHz. (Nota 2)

    3456,3

    3457

    1000

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto, ACDS. (Nota 2)

    3457

    3460

    50 kHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Analógicos e digitais, incluindo Full Duplex, pareado com 3357-3360 MHz (Split 100 MHz). (Nota 2)

    3460

    3500

    22 MHz

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Aplicações de Banda Larga, ATV (3460-3480 MHz). (Nota 2)

     

    Nota 1: São autorizados todos os modos e faixas passantes exigidos para estabelecimento da comunicação espacial nesta subfaixa.

    Nota 2: A potência média na saída do transmissor e a EIRP para a faixa de 9 centímetros ficam limitadas a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

     

     

    B.3.21. Faixa dos 5 centímetros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais 

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    5650

    5670

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites (subida)

    5670

    5760

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    5760

    5760,3

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    Reflexão Lunar, DX. Frequência de Chamada: 5760,1 MHz

    5760,3

    5761

    2700

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto

    5761

    5765

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    DX

    5765

    5830

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    5830

    5850

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites (descida)

    5850

    5925

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

     

    B.3.22. Faixa dos 3 centímetros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    10000

    10368

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Frequência de Chamada: 10364 MHz. (Nota 1)

    10368

    10368,3

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    DX. Frequência de Chamada Banda Estreita: 10368,1 MHz

    10368,3

    10368,4

     

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto

    10368,4

    10450

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    (Nota 1)

    10450

    10500

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites. (Nota 2)

     

    Nota 1: As operações nesses segmentos não devem causar interferências nas operações com modos de banda estreita nas proximidades de 10,368 GHz.

    Nota 2: O segmento entre 10,450-10,452 GHz poderá ser utilizado também para modos de banda estreita e Reflexão Lunar para comunicações com países onde as frequências usuais de Reflexão Lunar e DX próximas de 10,368 GHz não estiverem autorizadas.

     

    B.3.23. Faixa dos 1,2 centímetros

     

    Frequência (MHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    24000

    24048

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    24048

    24048,75

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    Centro de atividade para modos com banda estreita: 24,0482 GHz. Satélites. (Nota 1)

    24048,75

    24049

    2700

    x

     

     

     

     

    x

     

    Emissões Piloto

    24049

    24050

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    Modos de banda estreita. Satélites. (Nota 1)

    24050

    24250

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Frequência preferencial para operação em banda larga: 24,125 GHz.  (Nota 2)

     

    Nota 1: São autorizados todos os modos e faixas passantes exigidos para estabelecimento da comunicação espacial nesta subfaixa.

    Nota 2: Utilizar preferencialmente segmento compreendido entre 24 GHz e 24,050 GHz.

     

    B.3.24. Faixa dos 6 milímetros

     

    Frequência (GHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    47,000

    47,088

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     (Nota 2)

    47,088

    47,090

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    Centro de atividade para modos com banda estreita: 47,0882 GHz. Satélites. (Notas 1 e 2)

    47,090

    47,200

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     (Nota 2)

     

    Nota 1: São autorizados todos os modos e faixas passantes exigidos para estabelecimento da comunicação espacial nesta subfaixa

    Nota 2: A potência média na saída do transmissor e a EIRP para a faixa de 6 milímetros ficam limitadas a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

     

    B.3.25. Faixa dos 4 milímetros

     

    Frequência (GHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Digitais

    Demais

    Modos

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

     

    76,000

    77,500

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    Centro de atividade para modos com banda estreita: 76,0322 GHz

    77,500

    77,501

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    Centro de atividade para modos com banda estreita: 77,5002 GHz. Satélites. (Nota 1)

    77,501

    78,000

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    78,000

    81,000

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    (Nota 2)

     

    Nota 1: São autorizados todos os modos e faixas passantes exigidos para estabelecimento da comunicação espacial nesta subfaixa.

    Nota 2: Utilizar preferencialmente segmento compreendido entre 77,5 GHz e 78 GHz.

     

    B.3.26. Faixa dos 2,5 milímetros

     

    Frequência (GHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Demais

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

    Digitais

    Modos

     

    122,250

    122,251

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    Modos de banda estreita

    122,251

    123,000

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

     

    B.3.27. Faixa dos 2 milímetros

     

    Frequência (GHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Demais

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

    Digitais

    Modos

     

    134,000

    134,928

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites

    134,928

    134,930

    2700

    x

    x

     

     

    x

    x

    x

    Centro de atividade para modos com banda estreita: 134,930 GHz.

    134,930

    136,000

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

    136,000

    141,000

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    (Nota1)

     

    Nota 1: Utilizar preferencialmente segmento compreendido entre 134 GHz e 136 GHz.

     

    B.3.28. Faixa do 1 milímetro

     

    Frequência (GHz)

    BW (Hz)

    CW

    Fonia

     

     

    Modos

    Demais

    Aplicações e observações

    Inicial

    Final

    (máxima)

     

    SSB

    AM

    FM

    DV

    Digitais

    Modos

     

    241,000

    248,000

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    (Nota 1)

    248,000

    248,001

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    Satélites e modos com banda estreita

    248,001

    250,000

     

    x

    x

    x

    x

    x

    x

    x

     

     

    Nota 1: Utilizar preferencialmente segmento compreendidos entre 248 GHz e 250 GHz.

     

    Contribuição N°: 67
    ID da Contribuição: 84729
    Autor da Contribuição: PAULO HENRIQUE PROCOPIO DA SILVA
    Data da Contribuição: 30/10/2018 21:47:35
    Contribuição:

    poderia ceder um espaço nos 40 metros(100 Hz fonia)

    poderia ceder um espaço nos 60 metros toda a faixa

    permitir que o transceptor possa ser vendido de fabrica sem restrições de frequência

    Justificativa:

    para o classe C devido ao espaço reduzido necessário para usar antena e sendo que não há aplicadores de cw em todas as regiões do Brasil na Anatel como no rio de janeiro por exemplo
    e referente a reclamações dos classe B e A há frequências que aqui no Brasil e fonia que nos EUA e CW

    normalmente para comunicação de emergência com helicópteros se usa 136mhz (que e fora da frequência de R.A)
    mesma coisa é válida para bombeiro e polícia militar

    Contribuição N°: 68
    ID da Contribuição: 84731
    Autor da Contribuição: Mauricio Beraldo
    Data da Contribuição: 13/11/2018 18:13:23
    Contribuição:

    As adequações das frequencias às normas internacionais são muito bem esperadas por todos nós Radioamadores brasileiros pois tivemos a ampliação de algumas frequencias.

    Acredito que nas faixas de 40 e 80 metros deveria ser autoriada a utilização de uma banda maior que 2.7 khz (BW) em SSB pois essa limitação de utilização de banda acabará com uma modalidade conhecida como Hi Fi que utilizza uma banda mais ampla de frequencia em SSB e é uma modalidade de experimento de audio nas ondas de rádio utilizada em todo o mundo.  

    Uma faixa de ocupação de 4 khz (BW) em SSB, como o modo AM, seria uma solução simples que auxiliaria nós radioamadores nos testes de audio e testes com microfones externos. 

    A sub-faixa de 80 metros é utilizada para comunicações em CW e no modo AM. Como essa faixa foi ampliada de 3.800 khz para 4.000 khz essas frequencias poderiam ser utilizadas para essa modalidade Hi Fi. 

    Na faixa de 40 metros os radioamadores utilizam as frequencias acima de 7150 khz para comunicações no modo AM e também poderia-se adequar-se algumas frequencias acima para utilização da modalidade HI FI com largura de banda máxima de 4 khz (BW), largura essa utilizada pelos radioamadores no modo AM. 

    Lembrando que essa largura de banda (BW) somente seria autorizada nas faixas de 80 e 40 metros e nas demais faixas de frequencia a largura de banda respeitaria os 2.7 khz (BW). 

    Também, como a faixa de 80 metros foi ampliada de 3.800 khz para 4.000 khz, acredito que essa ampliação de frequencias poderia ser liberada também para radioamadores iniciantes da classe C pois essa ampliação foi liberada somente para radioamadores da classe A. 

    Radioamadores da classe C já possuem várias restrições de utilização de frequencias e acredito que a lberação de utilização das frequencias de 3.800 khz a 4.000 khz não prejudicaria o bom andamento do hobby e fomentaria mais ainda o radioamadorismo pois os radioamadores da classe C teriam mais possibilidades de contatos com essa ampliação de frequencias.  

    Lendo mais sobre as mudanças e ampliação de frequencias observei também que a faixa de 160 metros, com a nova legislação, será ampliada de 1850 a 2000 khz. 

    No entendimento de todos nós Radioamadores sabemos que operadores da Classe C são iniciantes e no entendimento da Anatel esta ampliação de frequencias na faixa de 160 metros será liberada, no inicio, somente para Radioamadores da Classe A. 

    Como citei acima a ampliação da faixa de 80 metros, também solicito que. nessa ampliação da faixa de 160 metros, seja liberada para todas as classes porque o Radioamador Classe C já utiliza essa faixa e acredito que essa restrição, somente para a classe A, não seja necessária porque os Radioamadores da Classe C já possuem muitas restrições, em relação a utilização de outras faixas, e essa liberação de utilização para todas as classes seria benéfica para o Radioamadorismo brasileiro porque restringindo a participação de Radioamadores da Classe C nessa ampliação das faixas de 160 e 80 metros os mesmos se sentirão excluidos do hobby e isso prejudicaria muito o andamento do Radioamadorismo. 

    E lembrando novamente que todos nós Radioamadores Brasileiros sabemos que Radioamadores da Classe C são iniciantes e talvez, pelo entendimento da Anatel, seria melhor liberar a ampliação das faixas de 160 e 80 metros somente para Radioamadores mais experientes da classe A. 

    Todos nós entendemos isso mas no meu entendimento acredito que essas frequencias, quando liberadas para utilizar-mos, já poderiam ser utilizadas por todas as classes porque essa restrição logo não será respeitada e isso causará constrangimento, sendo que se fossem liberadas, fomentariam as atividades nas duas faixas.

    Obrigado

    Também observei que foram retiradas das faixas de 160, 80 e 40 metros as frequencias destinadas ao projeto internacional de emissões piloto (IBP) Internacional Beacon Project. 

    Muitos acreditam que esses sinais piloto, utilizando sinais de código morse para fins de localização e conferencia de propagação, não são mais utilizados ou foram substituidos pelos conhecidos Beacons inteligentes que utilizam as ondas de rádio e a internet conhecidos como WSPR (ACDS). 

    Acredito, para fins de conhecimento que, não devem ser retiradas as frequencias destinadas para emissões piloto nestas frequencias citadas porque isso desistimulará os radioamadores que criam dispositivos, utilizando as ondas de rádio, que fomentam a utilização das faixas de 160, 80 e 40 metros. 

    Beacons inteligentes como o WSPR para conferencia de propagação são ótimos mas vivemos no terceiro mundo e para utilizar um beacon inteligente necessita-se de um radio, um computador conectado a internet e sabemos que muitos não possuem condições financeiras para adquirir um equipamento desses e também não sáo todos os municipios e lugares do nosso pais que possuem uma internet de qualidade. 

    Já o IBP ( International Beacon Project) emiite sinais de código morse e não necessita da internet sendo, no pais em que vivemos, mais eficiente e mais barato também. 

     

    Justificativa:

    Acredito que essas pequenas adequações serão bem vindas e fomentarão o Radioamadorismo e também auxiliarão a todos que queiram utilizar, de forma experimental, os modos HI FI e auxiliarão também na ampliação de utilização da faixa de 80 e 160 metros para os radioamadores da classe C. 

    O IBP ( Internacional Beacon Project ) são frequencias destinadas para análise de propagação e acredito que não deveriam ser retiradas das faixas de 160, 80 e 40 metros por auxiliarem no fomento do hobby e mostrarem que naquela frequencia existem sinais de Codigo Morse, mostrando que essa modalidade de transmissão resiste as tecnologias e são eficientes e principalmente acredito que nada deve ser retirado, proibido de utilizar. O que deve ser feito é adequar as frequencias e auxiliar, com essas mudanças, no melhor andamento do hobby. 

    Obrigado  

    Contribuição N°: 69
    ID da Contribuição: 84740
    Autor da Contribuição: FARIS CALAHANI FELICIO
    Data da Contribuição: 04/11/2018 07:13:30
    Contribuição:

    1  -  nenhuma limitação para largura de banda

     

    2 - Distribuição das modalidades por seguimentos nas faixas:

    80 metros: de 3550 a 3660 - Fonia em AM 

                     de 3660 a 3900 - Fonia em SSB

    40 metros de 7000 a 7040 - CW exclusivo

                        7040 a 7050 - Fonia SSB para DX - exclusivo

                        7050 a 7150 - Fonia SSB (prioritário ) e fonia AM

                        7150 a 7200 - Fonia AM (prioritário) e fonia SSB

                        7200 a 7300 - Fonia AM

     

    Justificativa:

    1 -  Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, pois p texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    2 - Com relação aos modos por faixa, justifico dizendo que desde a resolução 452 de 11/12/2006 a faixa esta assim distribuida e funcionando muito bem não havendo necessidade de alterações que tanto em 40m como  em 80m em AM e SSB caso seja adotado como está descrito na consulta,  haverão muitos problemas.

    Contribuição N°: 70
    ID da Contribuição: 84750
    Autor da Contribuição: JEBER WILKER COLARES
    Data da Contribuição: 04/11/2018 16:46:00
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

     

    Contribuição N°: 71
    ID da Contribuição: 84760
    Autor da Contribuição: LUCIANO MIGUEL DINIZ
    Data da Contribuição: 31/10/2018 12:45:24
    Contribuição:

    todos os radios hj possui transmissao acima de 2.9k, chegando de 4k ate 6k, complicado regulamentar apenas 2.7k onde vamos ter que mexer em todos os radios que ja vem de fabrica com transmissão acima de 2.7k. Poderia dividir por banda onde ficaria um pedaço dessa banda podendo transmitir acima de 2.7k. Exemplo 7.200 a 7.300 podem transmitir com ate 4k.

    Justificativa:

    todos os radios hj possui transmissao acima de 2.9k, chegando de 4k ate 6k, complicado regulamentar apenas 2.7k onde vamos ter que mexer em todos os radios que ja vem de fabrica com transmissão acima de 2.7k. Poderia dividir por banda onde ficaria um pedaço dessa banda podendo transmitir acima de 2.7k. Exemplo 7.200 a 7.300 podem transmitir com ate 4k.

    Contribuição N°: 72
    ID da Contribuição: 84762
    Autor da Contribuição: PABLO ALESSANDRO ROSICA CELESTINO
    Data da Contribuição: 31/10/2018 13:04:03
    Contribuição:

    Venho aqui declarar que estamos vivendo em 2018 e não quero a redução da largura de banda a 2700hz de transmissão. (2.7khz)

    ISSO É PENSAMENTOS DA EPÓCA DA DITADURA E A ANATEL ESTÁ ATENDENDO A PEDIDOS DE POUCOS MAS NÃO ATENDENDO AO INTERRESSE DE TODOS.

    DIGO NÃO A REDUÇÃO DA LARGURA DE BANDA (BW) A 2.7KHZ DE TX . VOCÊS ESTÃO ANADANDO NA CONTRA MÃO.

    Justificativa:

    MEUS EQUIPAMENTOS SÃO CASEIROS.

    Contribuição N°: 73
    ID da Contribuição: 84764
    Autor da Contribuição: MARCELO JULIO NUNES DA PAIXAO
    Data da Contribuição: 31/10/2018 13:27:17
    Contribuição:

    Não concordo com a limitação de Banda Passante (BW) de 6000hz no modadlidade de AM e 2700hz na modadlidade de fonia (SSB)

    Justificativa:

    Não há motivos que justifiquem a diminuição de BW, pois as faixas de radioamadores estão cada vez menos povoadas, não havendo qualquer necessidade nessa diminuição por motivo de interferência de uma estação na outra, cabe ao bom senso (técnica e éticas operacionais) do Radioamador para manter o contato em frequencias desocupadas, pois mesmo com os 2700hz de BW sugeridos, já seriam suficiêntes para interferência em outra estação caso não seja observada se a frequencia e suas adjacências não estão ocupadas.

    Contribuição N°: 74
    ID da Contribuição: 84771
    Autor da Contribuição: Roberto Aleixo
    Data da Contribuição: 31/10/2018 15:59:44
    Contribuição:

    Por favor,manter a largura de banda para transmissores de Amplitude modulada com esta atualmente.

    Justificativa:

    A redução da largura de banda dos transmissores feitos artesanalmente vai destruir completamente a modalidade de AM e não vejo necessidade de ser feita tal alterção.

    Contribuição N°: 75
    ID da Contribuição: 84772
    Autor da Contribuição: BILLY HEINZ DORSCH
    Data da Contribuição: 31/10/2018 17:23:22
    Contribuição:

    3. Para as operações em Fonia SSB em faixas acima de 10 MHz é indicada operação em faixa lateral suprimida superior (USB), e abaixo de 10 MHz é indicada operação em faixa lateral suprimida inferior (LSB). Exceção: Em 60 m (5,3 MHz) é indicada operação em faixa lateral suprimida superior (USB). 

    A (BW) maxima permitida no modo SSB, poderia ser alterada para 4500 Hz maxima em algumas segmentações especificas das bandas de 40m e 80m para uso do conhecido E-SSB com maior fidelidade de áudio em experiências e rodadas de adeptos a modalidade.

    Justificativa:

    Grande número de radioamadores utilizam um BW mais largo as vezes atrapalhando algumas outras segmentações nas bandas e tendo um espaço alocado para isso nas mesmas, solucionaria esse problema. Obrigado.

    Contribuição N°: 76
    ID da Contribuição: 84773
    Autor da Contribuição: MAURICIO MAYRINCK FALCAO
    Data da Contribuição: 31/10/2018 18:12:11
    Contribuição:

    Como a atividade radioamadoristica caracteriza-se pela experimentação e pesquisa, não está correto limitar a largura de banda(BW) nas transmissões em AM em 6KHz  nem tampouco limitar a 2,7KHz em SSB com portadora suprimida. Assim voto contra essa norma.

    Att

    Mauricio Mayrinck Falcão-PY5MM

    Radioamador Classe A

     

     

    Justificativa:

    A qualidade do audio de transmissão em AM com essa limitação de BW de 6kHz é impraticável bem como a transmissão em SSB com largura de banda de 2,7 não é viavel

    Contribuição N°: 77
    ID da Contribuição: 84784
    Autor da Contribuição: Helder Geraldo Gomes de Lima
    Data da Contribuição: 31/10/2018 21:33:59
    Contribuição:

    Eu não concordo com a limitação de BW. 

    Justificativa:

    Todos os radios por mim adquirido, tem BW acima de 2.7 khz, essa limitação seria como adquirir um carro cinco marcha e so poder usar até a segunda marcha, entendo que banda passante nunca foi problema e sim a falta de ética de radioamadores inclusive desses que reenvindicam essa limitação e pensam serem donos da frequência, passsando por cima da ética e legislação, mesmos operando com 2.7 khz se me aproximar da frequência usada posso gerar interferência do mesmo jeito. Portanto o problema é ético e não técnicos.

    Contribuição N°: 78
    ID da Contribuição: 84786
    Autor da Contribuição: ALEXANDRE DEVES SAILER
    Data da Contribuição: 31/10/2018 22:03:09
    Contribuição:

    SOU CONTRA ESTA ALTERAÇÃO

    Justificativa:

    Não conseguimos entender qual a finalidade da Agencia para esta sugestão de alteração. Nos dá entender que pelo ponto de vista da Agencia as bandas estão totalmente utilizadas, causando dificuldade de comunicação entre os radioamadores, solicito revisarem esta condição inviável e descabida para argumentação. Além disto, a alteração de largura de BW para 2,7Khz,  para sinais em SSB é inviável, haja vista estar fora dos padrões utilizados pela industria de equipamentos radioamadores. A maioria dos equipamentos utlizam padrões acima em 3,0 khz, 3,5khz e 4,0khz. Cabe lembrar que o Brasil, não produz equipamentos de radiocomunicação especificamente para radioamadores, sendo que 99,9% são importados. Ainda, a implantação desta determinação, implicará por parte de seus fiscalizadores penalidades aos radioamadores, por estarem utilizando esses equipamentos, abrindo grande possibilidade de penalidades à própria Agência por parte dos radioamadores prejudicados, por descuido da agência nesta aplicabilidade e por desconhecimento dos padroões  em uso pelos equipamentos. 

    Contribuição N°: 79
    ID da Contribuição: 84790
    Autor da Contribuição: ANDERSON RICARDO RAMALHO
    Data da Contribuição: 31/10/2018 22:29:39
    Contribuição:
    Justificativa:
    Contribuição N°: 80
    ID da Contribuição: 84795
    Autor da Contribuição: BELINILSON TRINDADE MACHADO
    Data da Contribuição: 01/11/2018 00:19:33
    Contribuição:

    Nao concordo com a proposta.

    Justificativa:

    Verificamos um completo despovoamento de radioamadores nas faixas, precisamos urgentemente conquistar novos adeptos. Portanto legislar para o estreitamento das bandas, é querer beneficiar uma minoria (praticantes de DX), que fazem uso desta modalidade com pouca frequencia, em detrimento da maioria, usuarios das faixas em rodadas e bate papos diários, sem levarmos em conta, o investimento em equipamentos com valores bem elevados e a frustação do impedimento do uso de alta tecnologia que os mesmos oferecem, e diga-se de passagem, equipamentos homologados pela propria Anatel. Desta forma sou contra a proposta de estreitamento das bandas.

    Contribuição N°: 81
    ID da Contribuição: 84798
    Autor da Contribuição: JOAO RIDEO YOKOYAMA
    Data da Contribuição: 01/11/2018 08:49:55
    Contribuição:

    B.3.5. Faixa dos 60 metros


     

     


































































     

     

    Frequência (kHz)

     

    BW (Hz)

     

    CW

     

    Fonia

     

     

     

     

     

    Modos

     

    Digitais

     

    Demais

     

    Modos

     

    Aplicações e observações

     

    Inicial

     

    Final

     

    (máxima)

     

     

     

    SSB

     

    AM

     

    FM

     

    DV

     

     

     

    5351,5

     

    5354

     

    500

     

    x

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    x

     

     

     

     

     

    5354

     

    5366

     

    2700

     

    x

     

    x

     

     

     

     

     

    x

     

    x

     

    x

     

    DX (nota 1 *) ACDS

     

    5366

     

    5366,5

     

    20

     

    x

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    x

     

     

     

    ACDS

     

    Nota 1-  A banda de 60 metros não deve ser utilizado para comunicados locais, devendo utilizar bandas adjacentes.

    ACDS para estações que utilizem testes automáticos de propagação como ALE (Automatic Link Establishment).

    Justificativa:

    Deve-se seguir recomendação da IARU R2 para que se evite o uso para comunicados locais, devendo, assim como em outras regiões e outras adminstrações serem utilizados para situações de emergência prioritáriamente.

    Permitir ACDS nesse segmento para alinhar com outras administtrações em que são utilizados prioritáriamente para emergências, estações de serviços de socorro, resgate e outros podem utilizar balizamentos automáticos para terem diagnósticos de propagação em tempo real proporcionados por modo como o ALE.

    O modo ALE é muito utilizado em estações das forças armadas.

    Contribuição N°: 82
    ID da Contribuição: 84807
    Autor da Contribuição: EDSON DOS SANTOS
    Data da Contribuição: 01/11/2018 17:11:15
    Contribuição:

    Caros,

    Verifiquei que no novo

    Plano de Faixas com Aplicações do Serviço de Radioamador, existe um BW associado com cada faixa de frequencia (aplicações).

    Mais especificamente em relação a faixa de 2m, BW = 12000, tenho a seguinte pergunta. Qual era o BW considerado na Resolução nº 452, de 11 de dezembro de 2006? Esse valor foi alterado na nova proposta?

    Questionamento advem do fato que usando a regra de Carson (FM), BW = 2 (fd + fm) onde fd = 5KHz (em boa parte dos rádios tranceptores comerciais), teríamos que  fm (frequêcia modulante -> audio) não poderia ter uma valor superior a 1KHz. 

    Considerando um valor de fm=3KHz, teríamos um BW = 16KHz. 

    Minha sugestão seria alterar o BW de 12KHkz para 16KHz na faixas de 6m, 2m, 1,2m e 70cm para FM.

     

    Obrigado,

    Edson 

     

    Justificativa:

    Manter compatibilidade com os atuais trasceptores, que usam 5KHz de desvio de frequência máximo, sem deterioração na qualidade de áudio.

    Contribuição N°: 83
    ID da Contribuição: 84809
    Autor da Contribuição: ERIC COSTA CAMERATO
    Data da Contribuição: 02/11/2018 10:34:23
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    Justificativa:

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 84
    ID da Contribuição: 84811
    Autor da Contribuição: Carlos Alberto Junqueira de Carvalho
    Data da Contribuição: 02/11/2018 10:41:15
    Contribuição:

    Discordo ddo texto em consulta publica e peço a sua rejeição !

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 85
    ID da Contribuição: 84813
    Autor da Contribuição: JOSE MARCOS DE VASCONCELOS
    Data da Contribuição: 02/11/2018 10:50:43
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Justificativa:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 86
    ID da Contribuição: 84814
    Autor da Contribuição: PEDRO LUIZ DE CAMPOS
    Data da Contribuição: 02/11/2018 11:00:19
    Contribuição:

    BW para AM deve ser maior que o valor proposto de 2,7Khz.

    Justificativa:

    Como o objetivo do radioamadorismo é experimentação, aperfeiçoamento tecnico,  incentivo aos jovens ao estudo da eletrônica, o valor proposto de BW inviabiliza a construção artesanal de transmissores para utilizar nas faixas autorizadas para sua classe.

    Alem do mais, nem as broadcasting utilizam está BW tão baixa.

    Solicíto então alterar está BW para um valor maior, ao redor de 10Khz, que comporta facilmente o espectro da voz humana.

    Grato

    Pedro - PY2PLC

    Contribuição N°: 87
    ID da Contribuição: 84815
    Autor da Contribuição: HUMBERTO LUIS PELLEGRINI
    Data da Contribuição: 02/11/2018 11:02:26
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. Fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para este serviço.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, em campo próprio desta consulta, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    Justificativa:

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não são OBRIGATÓRIAS e sim SUGERIDAS.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz, conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 88
    ID da Contribuição: 84817
    Autor da Contribuição: EDER ALVES CABRERA
    Data da Contribuição: 02/11/2018 11:14:58
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

     

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

     

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

     

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

     

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

     

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

     

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

     

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

     

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

     

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

     

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

     

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 89
    ID da Contribuição: 84819
    Autor da Contribuição: CARLOS AUGUSTO CORREA SALES
    Data da Contribuição: 02/11/2018 11:52:25
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

     

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

     

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

     

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

     

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

     

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

     

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

     

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

     

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

     

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

     

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

     

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 90
    ID da Contribuição: 84821
    Autor da Contribuição: ADRIANO AUGUSTO VIEIRA
    Data da Contribuição: 02/11/2018 13:40:46
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Justificativa:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 91
    ID da Contribuição: 84822
    Autor da Contribuição: JOSE CARLOS FURTADO MARTINS
    Data da Contribuição: 02/11/2018 13:50:09
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Justificativa:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 92
    ID da Contribuição: 84824
    Autor da Contribuição: THIAGO VALENCOELA COUTINHO
    Data da Contribuição: 02/11/2018 14:36:05
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 93
    ID da Contribuição: 84825
    Autor da Contribuição:
    Data da Contribuição: 08/11/2018 02:23:39
    Contribuição:

     "Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente  que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 94
    ID da Contribuição: 84828
    Autor da Contribuição: CARLOS ROBERTO GALHARDO
    Data da Contribuição: 02/11/2018 15:22:50
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

     

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

     

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

     

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

     

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

     

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

     

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

     

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

     

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

     

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

     

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

     

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 95
    ID da Contribuição: 84829
    Autor da Contribuição: VALERIO RICARDO GOMES
    Data da Contribuição: 02/11/2018 15:54:44
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de Radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura de banda (BW) em 2700 Hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

    Justificativa:

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700 Hz para o modo de SSB (J3E) e a limigação de banda passante em 6000 Hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700 Hz e 6000 Hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente da banda passante máxima de 6000 Hz, para o modo de AM (A3E) será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700 Hz, conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700 Hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700 Hz no modo de SSB (J3E) e 6000 Hz (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura de banda (BW) 2700 Hz para o modo SSB (J3E) e 6000 Hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro à devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima e, solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos Radioamadores brasileiros.

    Contribuição N°: 96
    ID da Contribuição: 84830
    Autor da Contribuição: LUIS RICARDO FEMIA
    Data da Contribuição: 02/11/2018 16:00:02
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

     

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

     

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

     

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

     

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

     

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

     

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

     

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

     

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

     

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

     

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

     

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 97
    ID da Contribuição: 84832
    Autor da Contribuição: ALEXANDRE CESAR BENEDITO
    Data da Contribuição: 02/11/2018 16:01:11
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros. 

    Justificativa:

     

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta publica n 39 porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores Brasileiro.

    Contribuição N°: 98
    ID da Contribuição: 84833
    Autor da Contribuição: Cidney Ferreira
    Data da Contribuição: 02/11/2018 17:45:59
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Justificativa:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 99
    ID da Contribuição: 84834
    Autor da Contribuição: LUCIANO PINTO SEPULVEDA
    Data da Contribuição: 02/11/2018 17:51:06
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Justificativa:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 100
    ID da Contribuição: 84836
    Autor da Contribuição: ROBERTO CAVALCANTE RIBEIRO
    Data da Contribuição: 02/11/2018 18:02:25
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Justificativa:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 101
    ID da Contribuição: 84839
    Autor da Contribuição: MARCELO DE SOUZA ROCHA
    Data da Contribuição: 02/11/2018 20:11:42
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

     

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

     

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

     

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

     

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

     

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

     

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

     

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

     

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

     

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

     

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

     

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 102
    ID da Contribuição: 84840
    Autor da Contribuição: CLAUDIA DA SILVA FERREIRA
    Data da Contribuição: 02/11/2018 20:13:42
    Contribuição:

    Passar a BW (largura de banda) dos 2,7 kHz sugeridos para uma faixa maior, entre 4 e 5 kHz.

    Justificativa:

    Por se tratar de uma modalidade bastante difundida atualmente, o radioamadorismo em "hi-fi" necessita de uma largura de banda maior, entre 4 kHz e 5 kHz e, em função disso, sugiro que esta seja a limitação de BW (entre 4 e 5 kHz) e não os 2,7 kHz sugeridos na Consulta Pública.

    Até mesmo em função da baixa densidade de radioamadores atualmente ocupando as faixas destinadas ao serviço, não acredito que manter-se uma largura maior trouxesse algum prejuízo neste sentido e estes são os critérios que nortearam minha contribuição. Obrigado!

    Contribuição N°: 103
    ID da Contribuição: 84843
    Autor da Contribuição: VLADIMIR NACCI
    Data da Contribuição: 03/11/2018 06:51:46
    Contribuição:

    Acredito que a Largura de Banda (BW Hz) para transmissões em SSB deve ser de 3000 Hz e Transmissões em AM deva ser de 6000 Hz.

     

    Justificativa:

    Minha justificativa para a contribuição se deve ao simples fato de que os atuais equipamentos para Radioamadorismo, homologados pelo FCC e também homologados pela Anatel já saem originalmente de fabrica com uma Largura máxima de Banda (BW Hz) como solicitado acima, SSB = 3000 Hz e AM = 6000 Hz. Portando para não evitar problemas com possíveis fiscalizações esses ajustes deveriam seguir como originalmente fabricados e homologados.

     

    Contribuição N°: 104
    ID da Contribuição: 84844
    Autor da Contribuição: JOSE BANDEIRA DE MACEDO
    Data da Contribuição: 03/11/2018 07:46:25
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39,

    Justificativa:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 105
    ID da Contribuição: 84847
    Autor da Contribuição: MEIRE APARECIDA DE OLIVEIRA
    Data da Contribuição: 03/11/2018 10:19:38
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 106
    ID da Contribuição: 84848
    Autor da Contribuição: TEOFILO JUNQUEIRA DE CARVALHO JUNIOR
    Data da Contribuição: 03/11/2018 10:49:18
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 107
    ID da Contribuição: 84849
    Autor da Contribuição: TEOFILO JUNQUEIRA DE CARVALHO
    Data da Contribuição: 03/11/2018 10:56:20
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 108
    ID da Contribuição: 84850
    Autor da Contribuição: Terezinha Moreira de Carvalho
    Data da Contribuição: 03/11/2018 10:59:09
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 109
    ID da Contribuição: 84851
    Autor da Contribuição: ENRICO SANTIAGO JUNQUEIRA CARVALHO
    Data da Contribuição: 03/11/2018 11:04:31
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 110
    ID da Contribuição: 84853
    Autor da Contribuição: JULIANA FREITAS SANTOS
    Data da Contribuição: 03/11/2018 11:49:19
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 111
    ID da Contribuição: 84856
    Autor da Contribuição: ISIDORIO PIERRE RAMOS CHASTINET
    Data da Contribuição: 03/11/2018 16:59:16
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Justificativa:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 112
    ID da Contribuição: 84857
    Autor da Contribuição: CAIO JULIO CESAR BRANDAO PINTO
    Data da Contribuição: 03/11/2018 17:14:55
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 113
    ID da Contribuição: 84858
    Autor da Contribuição: Fernando Rodrigues da Silva Junior
    Data da Contribuição: 03/11/2018 17:21:46
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 114
    ID da Contribuição: 84859
    Autor da Contribuição: ALEX SANDRO SOUSA ALFENAS
    Data da Contribuição: 03/11/2018 17:25:16
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 115
    ID da Contribuição: 84860
    Autor da Contribuição: GILBERTO GOMES SILVA
    Data da Contribuição: 03/11/2018 17:41:36
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 116
    ID da Contribuição: 84861
    Autor da Contribuição: Wilson Queiroz Pessoa
    Data da Contribuição: 03/11/2018 17:47:57
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

     

    Contribuição N°: 117
    ID da Contribuição: 84864
    Autor da Contribuição: Marcelo Pereira dos Santos Amaro
    Data da Contribuição: 03/11/2018 20:42:11
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

     

    Contribuição N°: 118
    ID da Contribuição: 84865
    Autor da Contribuição: Katiane de Jesus Becher
    Data da Contribuição: 03/11/2018 21:12:29
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 119
    ID da Contribuição: 84866
    Autor da Contribuição: MARCOS ADRIANO DO CARMO
    Data da Contribuição: 04/11/2018 08:45:32
    Contribuição:

    Sou contra a  limitação de bw para 2700 ssb a 6000 para am

    Justificativa:

    Isso irá nós impedir rádioamadores a limitação a experiência e a tecnologia futuras

    Contribuição N°: 120
    ID da Contribuição: 84869
    Autor da Contribuição: VAGNER JOEL DALL AGNESE TESSARO
    Data da Contribuição: 04/11/2018 11:36:32
    Contribuição:

     

    sugiro a troca da palavra MÁXIMA no plano de bandas por SUGERIDA. 

    Justificativa:

    Acredito que nós radioamadores não podemos ter limites pré definidos como regra em certos pontos fundamentais para desenvolvimento de novas tecnologias. Um dos fundamentos principiológicos que regem nosso hobby desde os primórdios do rádio é que somos pesquisadores. Atendemos sim o bom senso de operar com faixa estreita em ocasiões que a faixa assim pede, como no caso de dias de contest e zonas chamadas próprias para DX. Nossos equiamentos são preparados para isto na maioria deles. Uma regra estabelecida como máxima fere o principio base, a viga mestra do radioamadorismo. 

    Entendo que os Srs poderiam trocar a palavra maxima por sugerida. 

    Tornariam com esta regra (2.7 maxima) mais de 70 por cento dos operadores hoje como infratores, passíveis de multa. Acabariam com nosso hobby que é patrimônio mundial e não propriedade de qualquer agência reguladora. 

    Contribuição N°: 121
    ID da Contribuição: 84870
    Autor da Contribuição: JERONIMO PACHECO DA SILVA
    Data da Contribuição: 04/11/2018 12:17:16
    Contribuição:

    Re:f ( CONJUSTA PUBLICA 39 ANATEL) a discusão de transmições largura de banda minha opinião e´que seja realmente regulamenta em defenitivo em 2.7KHZ.pois infelismente  tem atualmente acontecidos abusos por parte de operadores em usar bandas fora do esposto por mim transmicões  estas proximo a outras que ja estão sendo usadas por outros operadores, e com isso causando muito mal estar entre os operadores,e tambem usandos equipamentos de audio não apropiados para o ssb.

    PY4PY. 

     

     

     

    Justificativa:

    Na minha recpção e notorio a interferencia que causa esse tipo de Banda Larga.

    Contribuição N°: 122
    ID da Contribuição: 84872
    Autor da Contribuição: JORGE ALBERTO REZENDE
    Data da Contribuição: 04/11/2018 16:44:12
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 123
    ID da Contribuição: 84873
    Autor da Contribuição: GRACINDO FANTINI
    Data da Contribuição: 04/11/2018 16:49:01
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

     

    Contribuição N°: 124
    ID da Contribuição: 84874
    Autor da Contribuição: ALMIRO ABRHAO
    Data da Contribuição: 04/11/2018 16:51:03
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

     

    Contribuição N°: 125
    ID da Contribuição: 84875
    Autor da Contribuição: GANDY TEIXEIRA BORGES
    Data da Contribuição: 04/11/2018 16:53:17
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

     

    Contribuição N°: 126
    ID da Contribuição: 84878
    Autor da Contribuição: MARCELA ZILVES COLONESE
    Data da Contribuição: 04/11/2018 19:49:36
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 127
    ID da Contribuição: 84881
    Autor da Contribuição: mauricio bisso de mello
    Data da Contribuição: 04/11/2018 23:56:52
    Contribuição:

    As larguras máximas de banda tanto de AM quanto SSB dentro das faixas destinadas à radioamadores,  no meu entender não necessitam ser alteradas. 

    Justificativa:

    Não há razão alguma que justifique essa medida, que em última análise só traria transtornos aos usuários e à fiscalização.

    O texto da Consulta Pública 39, além de um vago comentário de que as modificações propostas estariam atendendo a um alinhamento com a International Amateur Radio Union  – IARU e que teriam sido avaliadas por "notáveis" da LABRE,   em nenhum documento acessível ao usuário,  cita as razões para essa medida e antes de tudo,  como usuário exijo que essa explicação seja clara.

    A única razão técnica plausível seria que a proposta visaria aumentar o número de canais nas bandas disponíveis para os radioamadores, tomando como referência que essas  bandas não estão sendo modificadas. 

    Mas essa explicação seria ridícula pois hoje, todos nós sabemos que as bandas destinadas ao radiomadorismo,  independente do ponto do espectro estão praticamente desertas a maior parte do tempo.

    Estaria sendo previsto uma situação especial? Um cenário caótico de emergência total em que não hovesse nenhuma comunicação tradicional/comercial disponível  e  os radioamadores teriam que que auxiliar?

    Contribuição N°: 128
    ID da Contribuição: 84882
    Autor da Contribuição: MARCELO BISSO DE MELLO
    Data da Contribuição: 04/11/2018 23:59:08
    Contribuição:

    Sou contra a alteração de Largura de Banda BW para 2700Hz, devido a comprometer a maioria dos equipamentos hoje em uso no Brasil.

     

    Justificativa:

    Devido as condições financeiras do Povo Brasileiro, e dos radioamadores que fazem uso de seus equipamentos sem fins lucrativos, e muitas vezes em prol da Segurança Pública e em ocasiões de Emergências, não vejo condições de adquirir novos equipamentos que se adequem a esta medida proposta, pois muitos dos equipamentos são de construção caseira, sem condições de atingirem tal proposta. E como no país não existe fabricação de equipamentos para este fim, seria somente via importação, e com taxas de importação altamente onerosas.

    Contribuição N°: 129
    ID da Contribuição: 84884
    Autor da Contribuição: ATILLA ODON RADOCZ
    Data da Contribuição: 05/11/2018 10:57:35
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a 

    vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  

    RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    Justificativa:

    O Radioamador, idealiza, projeta, desenvolve, constrói, alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

     

    O RADIOAMADOR deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

     

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente inapropriadas.

     

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

     

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

     

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

     

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

     

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

     

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

     

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

     

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 130
    ID da Contribuição: 84886
    Autor da Contribuição: SERGIO EDUARDO MARTINS DE FREITAS
    Data da Contribuição: 05/11/2018 11:36:21
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a 
    vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  
    RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    Justificativa:

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, 
    transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de 
    analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de 
    equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem 
    quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, 
    sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores 
    destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, 
    uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz 
    para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  
    inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a 
    limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é 
    inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes 
    de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será 
    impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem 
    caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência 
    mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e 
    inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 
    2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM 
    (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os 
    autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações 
    licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e 
    suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 
    2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade 
    de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), 
    impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas 
    modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à 
    realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas 
    citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM 
    (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores 
    Brasileiros.

    Contribuição N°: 131
    ID da Contribuição: 84890
    Autor da Contribuição: LUCAS HENRIQUE MELLON MIRANDA
    Data da Contribuição: 05/11/2018 14:41:04
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a 

    vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  

    RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    Justificativa:

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, 

    transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de 

    analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de 

    equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem 

    quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, 

    sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores 

    destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, 

    uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz 

    para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  

    inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a 

    limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é 

    inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes 

    de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será 

    impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem 

    caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência 

    mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e 

    inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 

    2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM 

    (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os 

    autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações 

    licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e 

    suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 

    2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade 

    de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), 

    impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas 

    modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à 

    realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas 

    citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM 

    (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores 

    Brasileiros.

    Contribuição N°: 132
    ID da Contribuição: 84893
    Autor da Contribuição: SERGIO BENEDITO
    Data da Contribuição: 05/11/2018 20:57:35
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros. 

    Justificativa:

    Eu sou a esta resolução onde descrimina um BW Maximo pois este item ira impossibilitar de que os radioamadores possam fazer treinamento próprio,á intercomunicação e a investigações levadas a efeitos por amadores devidamente autorizado,interessado na radiotécnica a titulo pessoal,que não visam qualquer objetivo pecuniário ou comercial Direito adiquirido pela Norma n31/94 artigo 2 paragrafo 2.1.

     

     

    Contribuição N°: 133
    ID da Contribuição: 84894
    Autor da Contribuição: EDSON WANDER DO REGO PEREIRA
    Data da Contribuição: 06/11/2018 10:07:29
    Contribuição:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Nota 2: A potência média EIRP para a faixa de 13 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

    Justificativa:

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite nas faixas dos 13 e 9 centímetros. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres, defendo que o limite de 100W EIRP seja aplicado somente para enlaces terrestres. Desta forma, sugiro que o texto da Nota 2 seja mudado para:

    Nota 2: A potência média EIRP para a faixa de 13 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

    Contribuição N°: 134
    ID da Contribuição: 84895
    Autor da Contribuição: ANTONIO DORIVAL OLIVIERI
    Data da Contribuição: 06/11/2018 10:40:06
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    Justificativa:

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 135
    ID da Contribuição: 84896
    Autor da Contribuição: CARLOS HENRIQUE AZOLA
    Data da Contribuição: 06/11/2018 10:46:31
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    Justificativa:

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 136
    ID da Contribuição: 84899
    Autor da Contribuição: DAVID JOSE DAVERSI
    Data da Contribuição: 06/11/2018 14:02:22
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    Justificativa:

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 137
    ID da Contribuição: 84900
    Autor da Contribuição: MATTHEW BERNAL BRODERICK
    Data da Contribuição: 06/11/2018 14:54:12
    Contribuição:

    Sou Radio escuta e no meu país de origem, Estados Unidos, os Ramiadores são livre para experiementar como quizerem. 

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    Justificativa:

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 138
    ID da Contribuição: 84901
    Autor da Contribuição: Fabricio Campos Janiques
    Data da Contribuição: 06/11/2018 15:16:35
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros. O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    Justificativa:

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 139
    ID da Contribuição: 84919
    Autor da Contribuição: JOSE AMADEU MANDELLO
    Data da Contribuição: 07/11/2018 14:38:19
    Contribuição:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    Justificativa:

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 140
    ID da Contribuição: 84920
    Autor da Contribuição: JOSE CARLOS DA SILVA
    Data da Contribuição: 07/11/2018 21:33:23
    Contribuição:

    1  -  nenhuma limitação para largura de banda

    2 - Distribuição das modalidades por seguimentos nas faixas:

    80 metros: de 3550 a 3660 - Fonia em AM 

                     de 3660 a 3900 - Fonia em SSB

    40 metros de 7000 a 7040 - CW exclusivo

                        7040 a 7050 - Fonia SSB para DX - exclusivo

                        7050 a 7150 - Fonia SSB (prioritário ) e fonia AM

                        7150 a 7200 - Fonia AM (prioritário) e fonia SSB

                        7200 a 7300 - Fonia AM

    Justificativa:

    Sou contra a proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque:

    Esse texto não representa a vontade de toda a classe de radioamadores brasileiros.

    O texto fere o princípio fundamental do  RADIOAMADORISMO que é a  livre experimentação e o aprendizado mútuo entre seus adeptos.

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 141
    ID da Contribuição: 84921
    Autor da Contribuição: DEMILSON DE ASSIS QUINTAO
    Data da Contribuição: 07/11/2018 22:21:01
    Contribuição:

    A minha contribuição se refere a todas "Notas 2" dos items listados a seguir:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    Nota 2: A EIRP média para a faixa de 13 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros
    Nota 2: A EIRP média para a faixa de 9 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

    B.3.24. Faixa dos 6 milímetros
    Nota 2: A EIRP média para a faixa de 6 milímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

    Justificativa:

    Limitar a EIRP para qualquer tipo de aplicação para apenas 100W (50dBmW), inviabilizará as atividades de EME (reflexão lunar) e operações via satélites. Nas faixas de frequência de SHF é facil conseguir antenas de alto ganho. O uso de antenas de alto ganho permitirá obter facilmente uma EIRP maior do que os 100W sugeridos para viabilizar as operações EME e com satélites. Em contrapartida, o uso de antenas de alto ganho leva a uma alta direcionabilidade do sinal. Os enlaces do tipo "espaciais", portanto, direcionarão toda a potência para o "céu", não justificando, assim, a limitação da EIRP em apenas 100W.

    Contribuição N°: 142
    ID da Contribuição: 84923
    Autor da Contribuição: EDUARDO HARI ERLEMANN
    Data da Contribuição: 08/11/2018 08:21:57
    Contribuição:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Manter os níveis de potência permitidos como estão para comnicações espaciais.

    Limitar em 100W EIRP para comunicações terrestres.

     

    Justificativa:

    Radioamadores no mundo inteiro utilizam as faixas de 9cm e 13cm para comunicação espacial, seja através de satélites artificiais ou satélite natural (Reflexão lunar - EME)

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres.

    Contribuição N°: 143
    ID da Contribuição: 84924
    Autor da Contribuição: HERMES SANTOS DA SILVEIRA
    Data da Contribuição: 08/11/2018 09:11:24
    Contribuição:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Nota 2.

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres, defendo que o limite de 100W EIRP seja aplicado somente para enlaces terrestres. Desta forma, sugiro que o texto da Nota 2 seja mudado para:

    Nota 2: A potência média EIRP para a faixa de 13 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).
     

    Justificativa:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Nota 2.

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres, defendo que o limite de 100W EIRP seja aplicado somente para enlaces terrestres. Desta forma, sugiro que o texto da Nota 2 seja mudado para:

    Nota 2: A potência média EIRP para a faixa de 13 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).
     

    Contribuição N°: 144
    ID da Contribuição: 84926
    Autor da Contribuição: HERIBERTO FERNANDES PIVA
    Data da Contribuição: 08/11/2018 10:25:51
    Contribuição:

                                                                  B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
                                                                  B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

                                                                 Manter os níveis de potência permitidos como estão para comunicações espaciais.

     

    Justificativa:

     Radioamadores no mundo inteiro utilizam as faixas de 9cm e 13cm para comunicação espacial, seja através de satélites artificiais ou satélite natural (Reflexão lunar - EME)

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres.

     

    Contribuição N°: 145
    ID da Contribuição: 84929
    Autor da Contribuição: RONNAN WERNECK COSTA RODRIGUES
    Data da Contribuição: 08/11/2018 16:54:24
    Contribuição:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

     

    Justificativa:

    Nota 2.

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres, defendo que o limite de 100W EIRP seja aplicado somente para enlaces terrestres. Desta forma, sugiro que o texto da Nota 2 seja mudado para:

    Nota 2: A potência média EIRP para a faixa de 13 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

    Contribuição N°: 146
    ID da Contribuição: 84930
    Autor da Contribuição: CIANUS LUIZ COLOSSI
    Data da Contribuição: 08/11/2018 17:05:59
    Contribuição:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Manter os níveis de potência permitidos como estão para comunicações espaciais.

    Limitar em 100W EIRP para comunicações terrestres.

    Justificativa:

    Radioamadores no mundo inteiro utilizam as faixas de 9cm e 13cm para comunicação espacial, seja através de satélites artificiais ou satélite natural (Reflexão lunar - EME)

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres.

    Contribuição N°: 147
    ID da Contribuição: 84932
    Autor da Contribuição: Gustavo Barbosa Nicolau
    Data da Contribuição: 08/11/2018 18:19:08
    Contribuição:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Nota 2.

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecendo risco de interferência em enlaces terrestres, defendo que o limite de 100W EIRP seja aplicado somente para enlaces terrestres. Desta forma, sugiro que o texto da Nota 2 seja mudado para:

    Nota 2: A potência média EIRP para a faixa de 13 centímetros, em enlaces terrestres, fica limitada a 100 watts, na fração de tempo em que o sistema permanece ativo (duty cycle).

    Justificativa:

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite

    Contribuição N°: 148
    ID da Contribuição: 84934
    Autor da Contribuição: ROBSON GERALDO SILVEIRA E SILVA
    Data da Contribuição: 08/11/2018 19:25:53
    Contribuição:

    5. BW (Bandwidth): Faixa ou banda passante máxima que determina a máxima ocupação espectral dos modos de emissão autorizados na subfaixa (baseado nos pontos do decaimento da portadora em -6 dB). Sua especificação é Hz, exceto quando discriminada diferentemente (em kHz ou MHz) no campo “BW” da respectiva subfaixa.

    Sugiro a retirada da espressão "determina" para a espressão "SUGERE".

    Onde se define como máxima largura de banda (BW) de 2700Hz, alteração para 3100Hz 

    Justificativa:

    O Radiomadorismo se caracteriza basicamente pela experimentação, testes e construções de equipamentos e acessorios de Audio e RF, a limitação por OBRIGAÇÂO de BW, praticamente elimina tais prerrogativas; a exemplo da utilização das modalidades de transmissão por faixa de frequência, onde é sugerida a utilização de determinadas faixas destinadas ao uso do CW (telegrafia) dentro da ampla faixa de frequência liberadas, é respeitosamente respeitada por nós radioamadores; portanto, não é porque a largura de banda máxima sugerida seja de 6000Hz para AM que esta esta largura de banda (BW) seja utilizada em SSB.

     

    A alteração de BW de 2700Hz, para 3000Hz, contribui efetivamente para as experimentações de transmissões de Audio de Melhor qualidade eliminando em parte a fadiga auditiva por conta do expectro da voz humana ser melhor transmitida e ouvida mais confortavelmente entre 100Hz e 3100Hz

    Contribuição N°: 149
    ID da Contribuição: 84935
    Autor da Contribuição: LUCIANO GASPARINI NACHIF
    Data da Contribuição: 08/11/2018 22:19:31
    Contribuição:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros
    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Manter os níveis de potência permitidos como estão para comunicações espaciais.

    Limitar em 100W EIRP apenas e tão somente para comunicações terrestres.

    Justificativa:

    Radioamadores ao redor do mundo utilizam as faixas de 9cm e 13cm para comunicação espacial, seja através de satélites artificiais ou satélite natural, a lua. (tal modo chama-se Reflexão lunar - Earth Moon Eeath)

    O limite de potência de 100W EIRP inviabilizará enlaces por reflexão lunar (EME) e enlaces espaciais via satélite. Como essas atividades exigem antenas altamente direcionais apontadas para o céu, não oferecerá riscos de interferência em enlaces terrestres.

    Contribuição N°: 150
    ID da Contribuição: 84936
    Autor da Contribuição: MOISES CAMARGO
    Data da Contribuição: 09/11/2018 15:48:38
    Contribuição:

    Sou contrario a esta alteração

    Justificativa:

    Tenho um Radio ICOM IC 7300 que sai no padrão de fabrica com 2.9khz.

    E por este simples motivo não concordo em ter de reduzir para 2700.

    Este é apenas um dos erros, tambem discordo da largura de banda disponibilizada para AM em 80m, pois se trata de uma faixa estreita.

    Espero que a Anatel reveja esta consulta e não seja ratificada.

     

    Contribuição N°: 151
    ID da Contribuição: 84938
    Autor da Contribuição: LUIS ANTONIO VILLAS BOAS
    Data da Contribuição: 09/11/2018 20:49:23
    Contribuição:

    Substituir o texto "máxima largura de faixa (bw)" por "largura de faixa sugerida (bw)" ou melhor ainda seria eliminar totalmente toda e qualquer referencias a larguras de banda (bw) em todo o texto e tabelas do Anexo B

     

    Justificativa:

    O motivador de nossa sugestão é que tal imposição quanto a limitação do bw desistimula ou mesmo impede o desenvolvimento de pesquisas que torne a comunicação substancialmente mais inteligível.

    Contribuição N°: 152
    ID da Contribuição: 84944
    Autor da Contribuição: JOSIAS DE CAMARGO MORAES
    Data da Contribuição: 12/11/2018 23:14:37
    Contribuição:

    B.3.4. Faixa dos 80 metros

    Alterar a faixa com frequencia inicial em 3600 e final em 3625 onde é permitida a emissão em AM, para frequencia inicial em 3600 e frequencia final em 3700.

     

     

     

    Justificativa:

    B.3.4. Faixa dos 80 metros.

    A Faixa de 80 metros é a porta de entrada para novos radioamadores nas faixas de HF, e a emissão em AM presta-se a experimentação onde os radioamadores podem praticar o verdadeiro radioamadorismo construindo seus próprios transmissores.   

    Como uma transmissão em AM pode ocupar uma BW de até 6 kHz a Norma como proposta vai permitir apenas 4 transmissões nessa apertada faixa de 25 kHz onde está prevista a transmissão em AM.

    Por isso recomendamos que seja destinada para a transmissão em AM na Faixa dos 80 metros o segmento com frequencia inicial em 3600 kHz e frequencia final em 3700 kHz.

     

    Contribuição N°: 153
    ID da Contribuição: 84945
    Autor da Contribuição: ROGERIO RAMPAZZO BOMFIM
    Data da Contribuição: 11/11/2018 09:51:42
    Contribuição:

    Sou contra a limitação da banda BW , e a diminuição do espectro para AM em 80 metros entre 3600 KHZ e 3625 KHZ

    Justificativa:

    Não há uma justificativa plausivel para o estreitamento de banda BW  e a diminuição do espectro AM em 80 metros

    1° MOTIVO= As banda estão vazias, não temos novos adeptos a modalidade, e limitar o estreitamento de banda em qualquer modalidade SSB  AM , podera não haver mais interessados em ingressar ao radioamadorismo , e os atuais poderão abandonar as faixas.

    2° MOTIVO= Na modalidade AM , a limitação de banda passante, é pior ainda, porque existem equipamentos artesanais, que poderão, não mais ser utilizados, além do que , equipamentos para medir a largura de banda como, analisadores de espectro, osciloscópios são muito caros, e só grandes empresas possuem, e portanto é dificil de dizer a banda passante de um transmissor artesanal , e assim acabaria de vez com quem gosta de fazer as suas proprias montagens , com o intuito cientifico e  investigativo , que é proposto ao radioamadorismo.

    3° MOTIVO= Tendo em vista o despovoamento em geral das bandas de HF, neste caso especialmente em 80 metros , não vejo motivos para limitar a modalidade AM entre o espectro de 3600 KHZ e 3625 KHZ, para as classes B e C , sendo que radioamadores iniciantes ,  como quem é classe C ,  deveria ter um maior incentivo , para fazer experiencias

    Contribuição N°: 154
    ID da Contribuição: 84946
    Autor da Contribuição: BRUCE ELLISON BROGIOLO HALASZ
    Data da Contribuição: 11/11/2018 11:09:23
    Contribuição:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros

    Roga-se que o limite de 100W eirp constante na Nota 2 seja estabelecido apenas para enlaces terrestres, excluindo-se desta a atividade de reflexão lunar.

    Roga-se que, dentro do segmento de 2310.0 a 2390.0 MHz, onde atualmente consta como destinado a CW, FM e DV, seja também incluida a atividade a reflexão lunar entre 2320.0 a 2320.1, nos modos CW e SSB.

     

    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Roga-se que o limite de 100W eirp constante na Nota 2 seja estabelecido apenas para enlaces terrestres, excluindo-se desta a atividade de reflexão lunar.

    Justificativa:

    B.3.19. Faixa dos 13 centímetros

    Considerada atenuação espacial no percurso de 400.000 km da Terra a Lua, a pequena parcela do sinal que chega na Lua que é refletido de volta na direção da Terra, e a atenuação especial do percurso de regresso de 400.000 km da Lua à Terra, a perda total do enlace em 13cm é de 277 dB.

    Isto significa que, da intensidade de sinal enviado na direção da Lua apenas a fração de 1 / 5.000.000.000.000.000.000.000.000.000 é recebida de volta à Terra.

    Considerando-se uma estação mediana para EME em 13cm, composta por parabola de 3m de diâmetro com ganho de 35 dBi e transmissor de 300W , esta estação tem uma Eirp da ordem de 10 MW.

    Esta Eirp é necessária para que, considerada a atenuação de 277 dB, o sinal recebido de volta à Terra seja viável para o estabelecimento de contato.

    Por outro lado, esta Eirp apenas é possível graças ao alto ganho da antenna, ou seja, a concentração da energia em um estreito feixe sempre direcionado à Lua,

    Isto significa que a alta Eirp é sempre na direção do espaço ( Lua ), e, o que “sobra” a baixas elevações, muito baixo.

    Considerada a limitação de 100 W eirp da Nota 2 para esta banda, verifica-se uma diferença de 10.000 ( dez mil vezes ) entre a eirp necessária para a atividade de reflexão lunar prevista na proposta de norma, e a efetivamente necessária para este uso.

    Ou seja, a limitação de 100 W eirp inviabiliza, por uma margem de 10.000,  a atividade de reflexão lunar prevista para esta banda no Brasil e ao redor do mundo.

    Isto é possível pois a Eirp necessária para reflexão lunar é dirigida exclusivamente à Lua, com baixíssima irradiação fora do eixo da antena, não interferindo, portanto, nos enlaces terrestres.

    Portanto, roga-se que o limite de 100W eirp seja estabelecido apenas para enlaces terrestres, excluindo-se desta a atividade de reflexão lunar, para a qual limitação inviabiliza completamente a atividade prevista nesta propria norma e nas suas equivalentes ao redor do mundo.

    Observa-se ainda que, além do segmento previsto para reflexão lunar, de 2304.0 a 2304.1 MHz, previsto na proposta de norma, a maioria dos países europeus tem o segmento de 2320.0 a 2320.1 MHz destinados à reflexão lunar, pelo qual se solicita que este pequeno segmento dentro do maior de 2310.0 a 2390.0 MHz, onde atualmente consta como destinado a CW, FM e DV, seja também permitida a reflexãu lunar em CW e SSB.

     

    B.3.20. Faixa dos 9 centímetros

    Considerada atenuação espacial no percurso de 400.000 km da Terra a Lua, a pequena parcela do sinal que chega na Lua que é refletido de volta na direção da Terra, e a atenuação especial do percurso de regresso de 400.000 km da Lua à Terra, a perda total do enlace em 9 cm é de 280 dB.

    Isto significa que, da intensidade de sinal enviado na direção da Lua apenas a fração de 1 / 10.000.000.000.000.000.000.000.000.000 é recebida de volta à Terra.

    Considerando-se uma estação mediana para EME em 9 cm, composta por parabola de 3m de diâmetro com ganho de 38 dBi e transmissor de 200W , esta estação tem uma Eirp da ordem de 12 MW.

    Esta Eirp é necessária para que, considerada a atenuação de 280 dB, o sinal recebido de volta à Terra seja viável para o estabelecimento de contato.

    Por outro lado, esta Eirp apenas é possível graças ao alto ganho da antenna, ou seja, a concentração da energia em um estreito feixe sempre direcionado à Lua,

    Isto significa que a alta Eirp é sempre na direção do espaço ( Lua ), e, o que “sobra” , a baixas elevações, muito baixo.

    Considerada a limitação de 100 W eirp da nota 2 para esta banda, verifica-se uma diferença de 12.000 ( doze mil vezes ) entre a eirp necessária para a atividade de reflexão lunar prevista na proposta de norma, e a necessária para este uso.

    Ou seja, a limitação de 100 W eirp inviabiliza, por uma margem de 12.000 a atividade de reflexão lunar prevista para esta banda no Brasil e ao redor do mundo.

    Isto é possível pois a Eirp necessária para reflexão lunar é dirigida exclusivamente à Lua, com baixíssima irradiação fora do eixo da antena, não interferindo, portanto, nos enlaces terrestres.

    Portanto, roga-se que o limite de 100W eirp seja estabelecido apenas para enlaces terrestres, excluindo-se desta a atividade de reflexão lunar, para a qual limitação inviabiliza completamente a atividade prevista nesta propria norma e nas suas equivalentes ao redor do mundo.

    Contribuição N°: 155
    ID da Contribuição: 84948
    Autor da Contribuição: FERNANDO MARCOS FERRARI
    Data da Contribuição: 12/11/2018 14:50:54
    Contribuição:

    Eliminar a determinação e/ou especificação de valor máxima e/ou minima de Largura de Banda Passante BW (Hz) descrita nas tabelas das faixas destinadas ao serviço de Radioamador, em seus modos operantes, seja AM, SSB ou demais modos de transmissões.

    Justificativa:

    Limitar e/ou especificar largura máxima/minima de faixa BW(Hz) cerceia a liberdade do radioamador experimentador em criar, desenvolver, testar e ou avaliar a melhor condição para este efetuar sua transmissão exercendo seu direito de uso das frequencias a este destinadas, mediante o Real Objetivo do Radioamadorismo Mundial que é de se comunicar, de maneira a que possa ser compreendido, seja com largura "a" ou "b", além de atuar em resposta a emergências e calamidades que cada vez mais estamos sujeitos.

    Já temos muitos pontos de controle definidos em nossa legislação brasileira que nos imputam duplo controle com custos desnecessários e absurdos, pois, de novo, tais prerrogativas ferem o Real Objetivo do "Ser Radioamador", acarretando muitas das vezes o desinteresse na manutenção e renovação de uma classe que presta seus serviços visando o desenvolvimento, o bem estar, e a observância aos preceitos de nossa segurança nacional.

     

     

    Contribuição N°: 156
    ID da Contribuição: 84949
    Autor da Contribuição: LUIZ CARLOS DE ARAUJO
    Data da Contribuição: 12/11/2018 15:44:01
    Contribuição:

    A proposta em seu Item 11 diz: "(Internet Voice Gateway): Estação que viabiliza transmissão de voz pela Internet por meio de VoIP e sistemas correlatos em frequência simplex".

    1. A proposta de implementação do IVG (Internet Voice Gatway) vem regular o que há muito se pratica no radioamadorismo do nosso País;

    2. Não obstante estar se procurando regular o que já se praticava, faz-se necessário deixar claro o termo IVG, para que não paire dúvidas sobre a legalidade de tal estação;

    3. A proposta apresentada diz que uma estação IVG deva operar em frequência simplex e no Anexo D lista as frequências que poderão ser utilizadas;

    4. Entretanto, há situações que uma estação IVG irá acessar uma estação repetidora, com sua canalização também já definida no Anexo C - este é o caso em que se conecta uma estação repetidora, seja através do Echolink, do Zello, do Team Speaker, do RemoteHams... ou qualquer outro aplicativo/programa que venha a existir, à Internet, por meio de VOIP. Não me resta dúvidas que esta estação que faz a conexão entre esta repetidora e a Internet trata-se de uma estação IVG, entretanto, operando fora do plano de frequência destinado para uma Estação IVG. Como contemplar esta situação nesta nova regulamentação? 

    Importante excluir o item 9 que diz: "Repetidoras de Fonia e Estações IVG deverão, além de operar somente nas subfaixas especificadas no Plano de Bandas para estas aplicações, seguir as canalizações de frequências dos Anexos C e D, respectivamente", visto que este item amarra o uso da Estação IVG apenas ao plano de frequência definido no Anexo D.

    5. É preciso que a proposta deixe clara a possibilidade de uma estação que viabilize a transmissão de voz pela Internet possa operar, nas condições colocadas por este radioamador, em frequência diversa da constante no Anexo D, quando se estiver acessando uma estação repetidora, utilizando o plano de frequência destinado às estações repetidoras;

    6. Também é importante que esta regulamentação deixe claro: esta Estação IVG precisa estar cadastrada na Anatel? Se sim, quem poderá manter uma estação IVG ativa? Este questionamento é feito porque a atual resolução permite que somente radioamadores Classe A possam manter estações repetidoras em operação, entretanto, as atuais estações IVG em operação são mantidas por radioamadores, sejam classe A, B ou C.

     

    Em Definições:

    Incluir a proposta de uma repetidora Cross-Band: Estação que possibilita a comunicação entre estações fixas/móveis utilizando bandas de frequências diferentes.

    Justificativa:

    A proposta de regulamentação aqui apresentada contemplando os questionamentos feitos por este radioamador irá facilitar o entendimento dos radioamadores sobre este conceito de Estação IVG.

    A possibilidade de que uma estação IVG, com canalização diversa da constante no Anexo D, venha acessar uma estação repetidora em nada afetará o plano de frequência, visto que o rádio utilizado irá operar em frequência já definida no Anexo C (frequência de entrada e saída das repetidoras), razão da proposta de excluir o item 9 de B.2.Observações (9. Repetidoras de Fonia e Estações IVG deverão, além de operar somente nas subfaixas especificadas no Plano de Bandas para estas aplicações, seguir as canalizações de frequências dos Anexos C e D, respectivamente).  

    A inclusão de estações Cross-Band irá regularizar o que há muito se pratica no radioamadorismo brasileiro, seja através de links de rádio, seja através de estações repetidoras que operam recebendo em determinada banda e transmitindo em outra. A canalização poderia ser a mesma constante no Anexo C e esta regulamentação poderia já prever a possibilidade de ter-se uma estação recebendo em uma banda e transmitindo em outra. O atendimento a esta situação facilitaria, em muito, os projetos desenvolvidos pelos radioamadores - poderiamos ter estações cross-band operando em todas as bandas (VHF-UHF, UHF-VHF, VHF-HF, HF- VHV, UHF-HF, HF-UHF ....) e este novo cenário traria benefício para os radioamadores brasileiros em viabilizar a rádio experimentação e a operação em faixas de radiofrequências diversas.

    Contribuição N°: 157
    ID da Contribuição: 84950
    Autor da Contribuição: André Luiz Arend
    Data da Contribuição: 12/11/2018 15:46:12
    Contribuição:

    Participo da consulta pública nr. 39 para manifestar minha discordância com a limitação da Largura de Banda (BW) para o serviço de radioamador.

    Minha sugestão é que a “BW” seja entendida como sugerida para a operação nos segmentos considerados e não definida como a máxima permitida.

    Justificativa:

    Justifico meu posicionamento após verificar documentação publicada pelas IARUs regiões I e II.

    No documento denominado “IARU REGION 2 BAND PLAN”, na introdução, a Região 2 faz referência a “To the extent possible, this band plan is harmonized with those of the other regions”, ou em tradução livre “Na medida do possível, este plano de bandas é harmonizado com os das outras regiões”.

    Em documento denominado “IARU REGION 1 HF BAND PLAN”, logo abaixo deste título é feita uma observação com o seguinte teor: “A recommendation for all radio amateurs how to use the bands, as revised at the Interim Meeting Vienna 2016, effective 01 June 2016”. Traduzindo: “Uma recomendação para todos os radioamadores de como usar as bandas, conforme revisado na Reunião Interina de Viena 2016, em vigor a partir de 1º de junho de 2016”.

    Está claro no documento da Região 1 que se trata de uma recomendação, e não uma obrigação. Também está claro, no documento da Região 2, o esforço em harmonizar os parâmetros do IARU Region 2 Band Plan com as demais regiões. Segundo o Dicionário Aurélio Online, harmonizar significa “estabelecer harmonia entre, conciliar, fazer concordar, congraçar, pôr em harmonia, concordar...”.

    Portanto, mesmo que não mencionado de maneira explicita no documento da IARU Região 2 como uma “recomendação” de BW, entendo que a ANATEL, como Agência Reguladora, aplique o entendimento de que a “BW” referida na documentação da IARU Região 2, seja considerada como recomendação e não obrigação.

    Também deve-se ponderar que o radioamadorismo, considerado como um “... serviço de telecomunicações de interesse restrito, destinado ao treinamento próprio, intercomunicação e investigações técnicas...” estará prejudicado na sua essência se a limitação da “BW” for introduzida, sem a qual ainda restaria algum espaço para investigações técnicas, considerando assim experimentações e pesquisas, sem ferir a legislação que rege este hobby.

    https://www.iaru-r2.org/documents/explorer/files/Plan%20de%20bandas%20%7C%20Band-plan/R2%20Band%20Plan%202016.pdf

    https://www.iaru-r1.org/images/Vienna/IARU_REGION_1_HF_BAND_PLAN_2016_v2.pdf

    Contribuição N°: 158
    ID da Contribuição: 84952
    Autor da Contribuição: JULIBIO DAVID ARDIGO
    Data da Contribuição: 13/11/2018 08:07:06
    Contribuição:

    Sugestão ao item B.2.4. - Acrescer ao texto: original: “Adicionalmente, quando da operação nas frequências de 3.750, 3.985, 7.060, 7.240, 7.275, 14.300, 18.160 e 21.360 kHz, e adjacências, deve-se ter especial atenção para não interferir em eventuais comunicações de emergência, pois essas frequências são elencadas pela IARU R2 como centrais dessa aplicação.”

     

    Sugestão de alteração do item B.2.10.: Onde consta: “Nos Modos Digitais e Voz Digital não é permitida a criptografia.” trocar por: “Não é permitida a codificação de qualquer natureza nos modos digitais e voz digital, à exceção de dados que precisam ser mantidos sigilosos devido à natureza da operação e/ou para manter segura a comunicação entre as entidades envolvidas.”

     

    Sugestão de novo item (B.2.13): “Recomenda-se que nas frequências apresentadas a seguir, e no seu entorno, seja dada preferência às comunicações nos modos e características de transmissão assim especificados: CW QRP (1.812, 3.560, 7.030, 10.116, 14.060, 18.086, 21.060, 24.906 e 28.060 kHz); CW QRS (3.555, 14.055 e 28.055 kHz); SSB QRP (1.910, 3.690, 7.090, 7.285, 14.285, 18.130, 21.285, 24.950 e 28.360 kHz); imagens (3.735, 3.845, 7.165, 14.230, 21.340 e 28.680 kHz); e voz digital (7.070 e 28.330 kHz).

     

    Sugestão ao item B.3.15: alterar o valor de -16600, constante na última linha da tabela, para -1600.

     

    Sugestão Item B.3.18: alterar o valor de +12 kHz para +12 MHz e o valor de -12 kHz para -12 MHz, na coluna Aplicações e observações da tabela

     

    Justificativa:

    Justificativa da sugestão ao item B.2.4.: Compatibilização com o plano de banda da IARU, em termos globais ou específico para a região 2.

     

    Justificativa de alteração do item B.2.10: a alteração no texto é fundamental tanto para permitir que o radioamador que esteja atuando como ponte em uma situação de emergência possa transmitir informações com o sigilo demandado por autoridades interessadas, bem como para o controle seguro de estações remotas.

     

    Justificativa da sugestão de novo item (B.2.13): Compatibilização com o plano de banda da IARU, região 2.

     

    Justificativa de alteração do Item B.3.15: há nitidamente um erro de digitação.

     

    Justificativa de alteração do Item B.3.18: há nitidamente um erro de digitação nos deslocamentos de frequência de entrada e saída de repetidoras.

     

    Contribuição N°: 159
    ID da Contribuição: 84953
    Autor da Contribuição: JOSE RICARDO DE PAULA
    Data da Contribuição: 12/11/2018 23:16:28
    Contribuição:

    Tenho um pensamento contrário à proposta descrita no texto da consulta pública nº 39, porque esse texto fere a essência do radioamadorismo que é a experimentação, papel fundamental na construção do conhecimento científico e tecnológico: o de legitimar suposições, ação fundamental do RADIOAMADORISMO que é a livre experimentação e o aprendizado, e o compartilhamento de conhecimento mútuo entre seus adeptos.

    Justificativa:

    O Radioamador, idealiza, projeta,  desenvolve,  constrói,  alinha e aperfeiçoa seus receptores, transmissores, antenas, amplificadores, microfones amplificados, processadores de áudio sem a ajuda de analisadores de espectro, test sets caríssimos, estes disponíveis apenas para os grandes fabricantes de equipamentos para essa modalidade.

    O RADIOAMADOR   deve continuar a ser livre para construir e aprimorar seus próprios equipamentos sem quaisquer amarras, caso contrário será fadado a apenas ser mais um consumidor do produto importado, sujeito às altas taxas alfandegárias, haja vista não possuirmos em nosso País produção de transceptores destinados a execução deste serviço.

    Assim sendo, seguem abaixo, as justificativas que se contrapõem ao texto original da consulta em tela, uma vez que a limitação de largura banda (BW) em 2700hz, sugerida  para o modo SSB (J3E) e de 6000 Hz para o modo de AM (A3E), para as bandas do serviço de radioamador, encontram-se contextualmente  inapropriadas.

    1) No texto original da IARU essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e a limitação de banda passante em 6000hz para o modo de AM (A3E), não é OBRIGATÓRIA e sim SUGERIDA.

    Paradoxalmente observamos que no texto apresentado pela consulta pública, a palavra "BW MÁXIMA" é inapropriada, pois torna OBRIGATÓRIO a subordinação, pelas estações de radioamador, às bandas passantes de 2700hz e 6000hz para SSB (J3E) e AM (A3E) respectivamente.

    2) A obrigatoriedade, primeiramente, da banda passante máxima de 6000hz, para o modo de AM (A3E), será impossível de ser cumprida pelos radioamadores que possuem, ou vierem a possuir, equipamentos de montagem caseira, como transmissores de amplitude modulada AM (A3E).

    Na mesma direção, para a grande maioria dos transceptores modernos, uma vez que estes seguem a tendência mundial de se produzir um áudio mais agradável, prazeroso de se ouvir, com mais clareza e inteligibilidade no modo de SSB (J3E), evento impossível de se conseguir com a largura de banda (BW) de 2700hz conforme sugere o texto original.

    3) Essa limitação de banda passante em 2700hz para o modo de SSB (J3E) e de 6000hz para o modo de AM (A3E), não permitirá que mais radioamadores brasileiros utilizem determinada faixa, como sugerem os autores desse texto em consulta pública, pois as nossas bandas estão cada dia menos ocupadas por estações licenciadas, abrindo precedente para que estações não licenciadas às ocupem.

    No mesmo sentido, há hoje, nas bandas destinadas a execução do Serviço de Radioamador, espaço amplo e suficientemente capaz para se emitir com tranquilidade, transmissões com largura de BW superiores a 2700hz no modo de SSB (J3E) e 6000hz no modo de AM (A3E), situação que coloca em cheque a obrigatoriedade de se restringir as bandas passantes de transmissão, objeto desta consulta.

    4) Essa limitação de largura banda (BW) 2700hz para o modo de SSB (J3E) e 6000hz para o modo de AM (A3E), impedirá que as modalidades de transmissão, que já estão em desenvolvimento sejam concluídas, e que novas modalidades de transmissão apareçam no espectro radioamadorístico.

    Desta forma, rejeito o texto dessa consulta pública nº 39 e sugiro a devida correção e adequação à realidade de transmissão nos modos de AM (A3E) e SSB (J3E), dos dias atuais, face às justificativas citadas acima, e solicito exclusão de toda e qualquer limitação de largura de banda, para os modos de AM (A3E) e SSB (J3E), para  que desta maneira não ocorra prejuízo à grande maioria dos radioamadores Brasileiros.

    Contribuição N°: 160
    ID da Contribuição: 84957
    Autor da Contribuição: JOAO RIDEO YOKOYAMA
    Data da Contribuição: 13/11/2018 09:39:08
    Contribuição:

    8. As estações ACDS, quando alocadas no mesmo segmento de Emissão Piloto, deverão operar apenas como emissão piloto digitais.

    As estações ACDS poderão utilizar BW e frequências diferentes em cada banda, desde que sejam elas de utilização em nivel mundial.

    BAnda de 80 metros.

    Alterar a alocação para o modo AM de 3600 a 3650 exclusivo e compartilhado de 3650 a 3700.

    e de 3875 a 3950 também compartilhado.

    Permitir todas as classes para a subaixa de 3800 a 4000 KHz, nos modos permitidos.

    Banda de 60 metros fonia prioritário para situações de emergencia, sendo permitido modos digitais para contatos locais e internacionais.

    Para contatos locais em fonia deve-se utilizar faixas acima ou abaixo.

    Justificativa:

    Algumas modalidades ACDS, em determinados períodos necessitam utilizar-se de BW de até 2,7KHz, mesmo que normalmente sejam de 500Hz ou menos.

    Para estudos de propagação, testes e pesquisas terrestres e espaciais, há a necessidade dessa facilidade.

    Em algumas circunstâncias as frequencias podem não ser exatamente as alocadas, mas alguns KHZ acima ou abaixo, mas como normalmente são de baixa potencia, não causariam interferencias prejudiciais em outros modos.

    Alocação de maior segmento para o modo AM na faixa de 80 metros, segue a diretriz de uso racional, pois em 25 KHz de faixa permitiria poucas estações se comunicarem simultanemente.

    Permitir o acesso a todas as classes em toda a extensão dos 80 metros pemritiria a ocupação de toda a faixa, inibindo o uso por estações clandestinas que vem sendo feito há muitos anos.

     Item:  ANEXO C

    RADIOFREQUÊNCIAS DE ESTAÇÕES REPETIDORAS DE FONIA DO SERVIÇO DE RADIOAMADOR

     

    Tabela C.1

    Faixa de 28 MHz a 29,7 MHz

     

    RECEPÇÃO NA ESTAÇÃO REPETIDORA

    (MHz)

    TRANSMISSÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA

    (MHz)

    29,52

    29,62

    29,53

    29,63

    29,54

    29,64

    29,55

    29,65

    29,56

    29,66

    29,57

    29,67

    29,58

    29,68

    29,59

    29,69

     

    Tabela C.2

    Faixa de 50 MHz a 54 MHz

     

    RECEPÇÃO NA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    TRANSMISSÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    51,12

    51,62

    51,14

    51,64

    51,16

    51,66

    51,18

    51,68

    51,2

    51,7

    51,22

    51,72

    51,24

    51,74

    51,26

    51,76

    51,28

    51,78

    51,3

    51,8

    51,32

    51,82

    51,34

    51,84

    51,36

    51,86

    51,38

    51,88

    51,4

    51,9

    51,42

    51,92

    51,44

    51,94

    51,46

    51,96

    51,48

    51,98

     

    Tabela C.3

    Faixa de 144 MHz a 148 MHz

     

    RECEPÇÃO NA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    TRANSMISSÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    144,61

    145,21

    144,63

    145,23

    144,65

    145,25

    144,67

    145,27

    144,69

    145,29

    144,71

    145,31

    144,73

    145,33

    144,75

    145,35

    144,77

    145,37

    144,79

    145,39

    144,81

    145,41

    144,83

    145,43

    144,85

    145,45

    144,87

    145,47

    144,89

    145,49

    146,01

    146,61

    146,03

    146,63

    146,05

    146,65

    146,07

    146,67

    146,09

    146,69

    146,11

    146,71

    146,13

    146,73

    146,15

    146,75

    146,17

    146,77

    146,19

    146,79

    146,21

    146,81

    146,23

    146,83

    146,25

    146,85

    146,27

    146,87

    146,29

    146,89

    146,31

    146,91

    146,33

    146,93

    146,35

    146,95

    146,37

    146,97

    147,60

    147,00

    147,63

    147,03

    147,66

    147,06

    147,69

    147,09

    147,72

    147,12

    147,75

    147,15

    147,78

    147,18

    147,81

    147,21

    147,84

    147,24

    147,87

    147,27

    147,90

    147,30

    147,93

    147,33

    147,96

    147,36

    147,99

    147,39

     

    Tabela C.4

    Faixa de 220 MHz a 225 MHz

     

    RECEPÇÃO NA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    TRANSMISSÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    222,26

    223,86

    222,30

    223,90

    222,34

    223,94

    222,38

    223,98

    222,42

    224,02

    222,46

    224,06

    222,50

    224,10

    222,54

    224,14

    222,58

    224,18

    222,62

    224,22

    222,66

    224,26

    222,70

    224,30

    222,74

    224,34

    222,78

    224,38

    222,82

    224,42

    222,86

    224,46

    222,90

    224,50

    222,94

    224,54

    222,98

    224,58

    223,02

    224,62

    223,06

    224,66

    223,10

    224,70

    223,14

    224,74

    223,18

    224,78

    223,22

    224,82

    223,26

    224,86

    223,30

    224,90

    223,34

    224,94

    223,38

    224,98

     

    Tabela C.5

    Faixa de 430 MHz a 440 MHz

     

    RECEPÇÃO NA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    TRANSMISSÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    434,025

    439,025

    434,050

    439,050

    434,075

    439,075

    434,100

    439,100

    434,125

    439,125

    434,150

    439,150

    434,175

    439,175

    434,200

    439,200

    434,225

    439,225

    434,250

    439,250

    434,275

    439,275

    434,300

    439,300

    434,325

    439,325

    434,350

    439,350

    434,375

    439,375

    434,400

    439,400

    434,425

    439,425

    434,450

    439,450

    434,475

    439,475

    434,500

    439,500

    434,525

    439,525

    434,550

    439,550

    434,575

    439,575

    434,600

    439,600

    434,625

    439,625

    434,650

    439,650

    434,675

    439,675

    434,700

    439,700

    434,725

    439,725

    434,750

    439,750

    434,775

    439,775

    434,800

    439,800

    434,825

    439,825

    434,850

    439,850

    434,875

    439,875

    434,900

    439,900

    434,925

    439,925

    434,950

    439,950

    434,975

    439,975

     

    Tabela C.6

    Faixa de 902 MHz a 928 MHz

     

    RECEPÇÃO NA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    TRANSMISSÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    902,150

    927,150

    902,175

    927,175

    902,200

    927,200

    902,225

    927,225

    902,250

    927,250

    902,275

    927,275

    902,300

    927,300

    902,325

    927,325

    902,350

    927,350

    902,375

    927,375

    902,400

    927,400

    902,425

    927,425

    902,450

    927,450

    902,475

    927,475

    902,500

    927,500

    902,525

    927,525

    902,550

    927,550

    902,575

    927,575

    902,600

    927,600

    902,625

    927,625

    902,650

    927,650

    902,675

    927,675

    902,700

    927,700

    902,725

    927,725

    902,750

    927,750

    902,775

    927,775

    902,800

    927,800

    902,825

    927,825

    902,850

    927,850

    902,875

    927,875

    902,900

    927,900

    902,925

    927,925

    902,950

    927,950

    902,975

    927,975

     

    Tabela C.7

    Faixa de 1240 MHz a 1300 MHz

     

    RECEPÇÃO NA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    TRANSMISSÃO DA ESTAÇÃO REPETIDORA

     (MHz)

    1270,05

    1282,05

    1270,1

    1282,1

    1270,15

    1282,15

    1270,2

    1282,2

    1270,25

    1282,25

    1270,3

    1282,3

    1270,35

    1282,35

    1270,4

    1282,4

    1270,45

    1282,45

    1270,5

    1282,5

    1270,55

    1282,55

    1270,6

    1282,6

    1270,65

    1282,65

    1270,7

    1282,7

    1270,75

    1282,75

    1270,8

    1282,8

    1270,85

    1282,85

    1270,9

    1282,9

    1270,95

    1282,95

    1271

    1283

    1271,05

    1283,05

    1271,1

    1283,1

    1271,15

    1283,15

    1271,2

    1283,2

    1271,25

    1283,25

    1271,3

    1283,3

    1271,35

    1283,35

    1271,4

    1283,4

    1271,45

    1283,45

    1271,5

    1283,5

    1271,55

    1283,55

    1271,6

    1283,6

    1271,65

    1283,65

    1271,7

    1283,7

    1271,75

    1283,75

    1271,8

    1283,8

    1271,85

    1283,85

    1271,9

    1283,9

    1271,95

    1283,95

    1272

    1284

    1272,05

    1284,05

    1272,1

    1284,1

    1272,15

    1284,15

    1272,2

    1284,2

    1272,25

    1284,25

    1272,3

    1284,3

    1272,35

    1284,35

    1272,4

    1284,4

    1272,45

    1284,45

    1272,5

    1284,5

    1272,55

    1284,55

    1272,6

    1284,6

    1272,65

    1284,65

    1272,7

    1284,7

    1272,75

    1284,75

    1272,8

    1284,8

    1272,85

    1284,85

    1272,9

    1284,9

    1272,95

    1284,95

    1273

    1285

    1273,05

    1285,05

    1273,1

    1285,1

    1273,15

    1285,15

    1273,2

    1285,2

    1273,25

    1285,25

    1273,3

    1285,3